Protestos na Mongólia Interior em 2020

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Os protestos da Mongólia Interior em 2020 foram causados por uma reforma curricular imposta às escolas étnicas pelo Departamento de Educação da Mongólia Interior. A reforma de duas partes substitui o mongol pelo mandarim padrão como meio de instrução em três disciplinas específicas e substitui três livros regionais, impressos em escrita mongol, pelos livros didáticos nacionais da China, editado pelo Ministério da Educação, escrito em mandarim padrão.[1][2][3] Em uma escala mais ampla, a oposição à mudança curricular reflete questões étnicas na China e o declínio da educação em línguas regionais.[4]

As três disciplinas em questão são Língua e Literatura (referindo-se ao Mandarim Padrão) da primeira série, Moralidade e Estado de Direito da primeira série (uma variante da educação cívica) e História, da sétima série.[2][3] A reforma foi parte da reforma nacional dos livros didáticos implementada em outras partes da China a partir do outono de 2017 para eliminar vários livros didáticos provinciais pela série de livros didáticos nacionalmente unificados,[1][4] que foi criticada em outras partes da China.[5][6]

Os pais e alunos das escolas étnicas se opuseram fortemente à reforma curricular. O sentimento se espalhou para outros chineses mongóis que não frequentavam essas escolas, levando a protestos. Embora seja visto como uma tentativa de assimilar a minoria étnica,[1][7] observadores também observam que isso exemplifica a "política étnica de segunda geração" sob o secretário-geral do Partido Comunista Chinês (PCC) e presidente Xi Jinping, que "imaginou o caldeirão de raças formulado no Ocidente, em particular nos EUA, como solução definitiva para os problemas étnicos”.[7]

Contexto[editar | editar código-fonte]

História política da Mongólia Interior[editar | editar código-fonte]

Por muito tempo, a Mongólia Interior experimentou conflitos étnicos menos violentos do que Xinjiang e o Tibete. A região "foi considerada amplamente pacificada ao longo de muitas décadas de migração han, casamentos mistos e repressão".[1] A migração han em grande escala começou em 1912, durante o período do governo Beiyang, quando a terra passou a ser comercializada livremente.[8] Em 1937, o número agregado do censo do governo nacionalista de Nanquim sobre a província de Suiyuan, de Chahar e do censo de Manchukuo e do governo autônomo unido mongol, relatou 3.720.000 hans e 860.000 mongóis (proporção de cerca de 8: 2) dentro das modernas fronteiras da Mongólia Interior.[8] Essa proporção continua hoje.[8]

O protesto estudantil da Mongólia Interior em 1981 se opôs a um pacote de novas políticas que piorou a degradação das estepes e a representação política dos mongóis chineses.[9] As políticas incluiam o aumento do gado na província em 100 milhões, assentamento ao invés da repatriação os imigrantes rurais de províncias vizinhas, e a alocação de oficiais mongóis nos assentamentos de maioria mongóis, enquanto oficiais Han ocupariam os lugares em assentamentos de maioria han.[10] Em maio de 2011, uma agitação eclodiu quando um caminhão de carvão colidiu e matou um pastor mongol chinês, e mais tarde foi seguida por protestos que reclamaram do impacto ambiental da mineração e políticas de desenvolvimento injustas.[11]

Origem do protesto: reforma curricular, 2020[editar | editar código-fonte]

Os quatro principais idiomas nativos da Mongólia Interior são o idioma Jin, o mandarim do nordeste, variedades de dialetos mongóis e o mandarim Lanzhou-Ningxia.[12][13][14] A maioria dos mongóis e quase todos os hans optam por enviar seus filhos a escolas ensinadas em mandarim padrão, em reconhecimento das oportunidades econômicas que isso traria. No entanto, uma minoria significativa dos mongóis frequentam escolas étnicas, ensinadas principalmente em mongol.[15]

Em 26 de agosto de 2020, o Departamento de Educação da Mongólia Interior publicou oficialmente uma reforma curricular em duas partes para escolas étnicas.[16] Mongol como meio de instrução será substituído pelo Mandarim Padrão nas três disciplinas de Língua e Literatura (referindo-se ao Mandarim Padrão) da primeira série, Moralidade e Estado de Direito da primeira série (uma variante[3] A reforma foi parte da reforma do livro didático nacional implementada na China em 2017 para substituir vários livros provinciais pelos livros didáticos nacionais padronizados,[1][4] que atraiu repetidas críticas em outras partes da China.[5][6]

Essa política foi aplicada em todas as províncias, incluindo o Tibete e Xinjiang, e restá sendo imposta na Mongólia Interior.[4] Esta política não altera a educação da Arte da Língua Mongol em si.

Embora visto como uma tentativa de assimilar a minoria étnica,[1] observadores também observam que exemplifica a "política étnica de segunda geração" sob o líder supremo Xi Jinping, que "imaginou o caldeirão de raças formulado no Ocidente, em particular nos EUA, como solução definitiva para os problemas étnicos”.[7][17] Xi Jinping "rejeita o antigo sistema de base soviética, que permitia relativa autonomia e preservação da língua e da cultura em regiões designadas, em favor da nova abordagem".[17]

Usar os livros didáticos nacionais padronizados nessas três disciplinas também se extenderia à aplicação de exames, portanto, teria impactos diretos nas notas dos exames dos alunos em exames importantes, como os exames de admissão às faculdades nacionais. Isso também pode ser um fator que leva alguns pais a protestar.

Protestos[editar | editar código-fonte]

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

O protesto público começou em 30 de agosto, quando estudantes na Mongólia Interior protestaram contra o novo programa de idioma chinês mandarim.[18] No entanto, permaneceu localizado até 31 de agosto de 2020, quando o departamento de educação da Mongólia Interior anunciou que a língua mongol seria removida das disciplinas de história, política, língua e literatura, a partir de 1º de setembro, e se tornará oficialmente efetiva, com outras disciplinas a serem adicionadas.[19]

Após o anúncio, milhares de mongóis étnicos protestaram contra o que consideraram uma tentativa de transformar a língua mongol em uma língua estrangeira em sua terra natal.[20] Os manifestantes considerado isso como uma tentativa por parte do governo chinês para impedi-los de aprender o idioma mongol e para desconectar-los de sua nômade fundo. Muitas famílias mongóis anunciaram que não enviariam seus filhos às escolas até que a língua mongol fosse restabelecida como língua de ensino na Mongólia Interior.[4]

Em um caso semelhante em Tongliao, prefeitura da Mongólia Interior, os pais descobriram o anúncio somente depois de enviarem seus filhos a um internato, o que gerou protestos. Os pais sitiaram a escola antes de serem repelidos pela polícia.[4] As autoridades liberaram seus filhos da escola apesar da pressão crescente.[4] O ressentimento contra a educação baseada em mandarim forçada também foi refletido nas redes sociais chinesas por usuários mongóis, mas foi removido pelas autoridades.[21]

Em 1 de setembro, funcionários de uma escola no condado de Naiman disseram à BBC que apenas cerca de 40 alunos haviam se matriculado para o semestre, no lugar dos 1.000 habituais. Posteriormente, alguns mudaram de ideia e apenas dez permaneceram.[21] Ao mesmo tempo, 300.000 estudantes de etnia mongol entraram em greve contra a política imposta por Pequim.[22] Mesmo entre os mongóis étnicos que apóiam o governo chinês, muitos se opuseram ao plano, com um mongol, usando o aplicativo de vídeo curto Kuaishou, afrimando “Eu sou chinês, sou mongol, você pode tirar qualquer coisa de mim, exceto minha língua materna. Sem a linguagem, não posso dizer que sou mongol ”, em uma demonstração contra a política.[23]

Em 2 de setembro, vários mongóis étnicos participaram do levantamento de khar suld (Bandeira Negra em Mongol). O suld khar tem uma conotação implícita, usada apenas quando os mongóis lutavam contra um inimigo.[22]

Reações[editar | editar código-fonte]

China[editar | editar código-fonte]

A mídia estatal chinesa, como a Xinhua News Agency e o China Daily, em grande parte ignorou os protestos e suas demandas no início, se concentrando nos festivais planejados na Mongólia Interior para a vida social dos mongóis étnicos.[24][25][26] No entanto, ao mesmo tempo, as autoridades chinesas viajaram para a Mongólia Interior tentando persuadir as famílias a mandar seus filhos de volta às escolas, embora houvesse uma forte objeção das famílias mongóis.[4]

No início de setembro, o conselheiro de Estado e ministro da polícia Zhao Kezhi visitou a região para fortalecer a luta contra o “terrorismo e o separatismo” durante uma viagem a partes da província.[27] A polícia chinesa da região oferece uma recompensa de 1.000 yuans para quem conseguir identificar as pessoas que participam de protestos contra o governo.[28]

Ao mesmo tempo, a força policial chinesa foi alocada e intensificou suas atividades em toda a Mongólia Interior, com várias pessoas presas por apoiarem os protestos.[17] As famílias que se recusam a enviar os filhos às escolas podem ter seus benefícios sociais privados do governo.[29]

Em 4 de setembro, uma jornalista do Los Angeles Times teria sido detida por quatro horas antes de ser expulsa pelas autoridades chinesas por sua cobertura.[30]

Em 13 de setembro, o governo de alguns condados exige que os tutores mandem seus filhos à escola ou eles serão multados em até 5.000 yuans em resposta à greve estudantil.[31]

Em 1 de dezembro, um relatório dizia que o governo chinês está fazendo um recrutamento em massa de professores do ensino médio para trabalhar na região norte da Mongólia Interior. Documentos governamentais online emitidos nas semanas desde que os protestos abalaram a região no início de setembro revelam planos do governo de contratar mais de 1.000 professores em toda a região.

Governos de bandeiras e ligas locais em toda a região também postaram anúncios de recrutamento para centenas de professores de outras partes da China para se mudarem para a região e ensinarem mandarim.[32]

Taiwan[editar | editar código-fonte]

Em Taipei, o ex-ministro do Conselho dos Povos Indígenas Yohani Isqaqavut, que é um pastor presbiteriano, e outros membros do Comitê do Ministério Indígena da igreja seguram cartazes em um comício fora do Yuan Legislativo em Taipei ontem para expressar apoio às pessoas na Mongólia Interior da China.[33]

Internacional[editar | editar código-fonte]

Muitos mongóis ficaram indignados com os relatórios, embora a dependência econômica da China prejudique em grande parte a oportunidade de ajudar.[22] Dezenas de manifestantes mongóis marcharam até a sede do Ministério das Relações Exteriores em Ulaanbaatar e exigiram reação contra a repressão contínua dos direitos mongóis na China.[34] O líder do IMPP, Temtsiltu Shobtsood, que vive exilado na Alemanha, acusou a China de "tentar suprimir" a língua mongol.[21]

Em setembro de 2020, a Comissão Executiva do Congresso sobre a China emitiu uma declaração condenando a supressão dos protestos e uma agressão a um jornalista norte-americano que cobria os protestos.[35] No mesmo mês, uma petição internacional da etnia mongol, “Salve a Educação na Mongólia Interior”, foi iniciada.[22]

Em 24 e 25 de novembro, centenas de mongóis que vivem no Japão protestaram em frente à Assembleia Nacional em Tóquio, pedindo ao Partido Comunista Chinês que não acabe com a educação média mongol na Mongólia Interior. Os manifestantes ergueram faixas e cartazes em mongol, chinês, japonês e inglês, como "Retire a política de sinicização!" "Pare de oprimir os mongóis!" e "Devolva aos mongóis sua língua materna!"[36]

Referências

  1. a b c d e f Qin, Amy (31 de agosto de 2020). «Curbs on Mongolian Language Teaching Prompt Large Protests in China». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 2 de setembro de 2020. Arquivado do original em 1 de setembro de 2020 
  2. a b «全区民族语言授课学校小学一年级和初中一年级使用国家统编《语文》教材实施方案政策解读» [Policy Interpretation: the Implementation of Nationally-unified Textbook Series on "Language and Literature" in Ethnic schools across Inner Mongolia starting from First and Seventh Grade] (em chinês). Government of Ud District, Wuhai City, Inner Mongolia. Inner Mongolia Daily (内蒙古日报). 31 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2020 
  3. a b c «"五個不變"如何落地 自治區教育廳權威回應» [How "Five things unchanged" is implemented? Inner Mongolia's Department of Education Authoritative Response]. The Paper (澎湃新聞). Consultado em 5 de setembro de 2020. Arquivado do original em 12 de setembro de 2020 
  4. a b c d e f g h Wu, Huizhong (3 de setembro de 2020). «Students in Inner Mongolia protest Chinese language policy». Associated Press. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  5. a b 廖瑾 (27 de agosto de 2019). «新版部编语文教材总主编温儒敏:欢迎批评指正,但反对炒作» [Wen Rumin, the Chief Editor of the "Language and Literature" volume of the new Nationally-unified textbook series, commented, "While Welcoming Criticism and Corrections, Media Hype is not Welcomed"]. The Paper (澎湃新聞) (em chinês). Consultado em 5 de setembro de 2020. Arquivado do original em 4 de setembro de 2020 
  6. a b 王旭明 (1 de setembro de 2017). «王旭明:教材改革不存在方向性问题,但总有人别有用心» [Wang Xuming, former spokesman of the Ministry of Education, commented, "Issues on the General Direction of the Textbook Reform is Non-existent, but Critics with Ill-intention Always Exist"]. Guancha Syndicate (观察者网). Consultado em 5 de setembro de 2020. Arquivado do original em 4 de setembro de 2020 
  7. a b c Baioud, Gegentuul (30 de agosto de 2020). «Will education reform wipe out Mongolian language and culture?». Language on the Move. Consultado em 5 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 3 de setembro de 2020 
  8. a b c «内蒙古近代人口» [Modern population in Inner Mongolia]. 内蒙古自治区地方志编纂委员会办公室 (em chinês). 25 de novembro de 2018. Consultado em 1 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2019 
  9. Jankowiak, William R. (1988). «The Last Hurrah? Political Protest in Inner Mongolia». The University of Chicago Press. The Australian Journal of Chinese Affairs (19/20): 269–288. JSTOR 2158548. doi:10.2307/2158548 
  10. «中共中央关于转发《中央书记处讨论内蒙古自治区工作纪要》的通知,中发[1981]28号». The Chinese Cultural Revolution Database. 3 de agosto de 1981. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2016 
  11. Wu, Zhong (8 de junho de 2011). «Green motives in Inner Mongolian unrest». Asia Times. Consultado em 11 de junho de 2011. Arquivado do original em 12 de julho de 2011 
  12. 苏雅瑄 (2017). «浅析内蒙方言» [Brief Analysis of Inner Mongolian dialects]. 青年文学家 (35). Cópia arquivada em 4 de setembro de 2020 
  13. Language Atlas of China (2nd edition): Minority languages volume. Beijing: The Commercial Press. [中国语言地图集(第2版):少数民族语言卷]
  14. Language Atlas of China (2nd edition): Chinese dialects volume. Beijing: The Commercial Press. [中国语言地图集(第2版):汉语方言卷]
  15. Steger, Isabella (4 de setembro de 2020). «China's insatiable appetite for control is forcing even its "model minority" to rebel». Quartz. Consultado em 8 de setembro de 2020. Arquivado do original em 7 de setembro de 2020 
  16. «秋季学期起我区民族语言授课学校小学一年级和初中一年级使用国家统编语文教材». 内蒙古教育廳微信公眾號. 26 de agosto de 2020. Consultado em 8 de setembro de 2020. Arquivado do original em 31 de agosto de 2020 
  17. a b c Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome latimes0904
  18. «The Only Mongolian-Language Social Media Site Was Shut Down in China». www.vice.com. Consultado em 4 de setembro de 2020. Arquivado do original em 4 de setembro de 2020 
  19. «Ethnic Mongolians in China protest removal of traditional language in schools». Reuters (em inglês). 2 de setembro de 2020. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  20. Davidson, Helen (1 de setembro de 2020). «Inner Mongolia protests at China's plans to bring in Mandarin-only lessons». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  21. a b c «Rare rallies in China over Mongolian language curb». BBC News (em inglês). 1 de setembro de 2020. Consultado em 2 de setembro de 2020. Arquivado do original em 2 de setembro de 2020 
  22. a b c d Graceffo, Antonio (4 de setembro de 2020). «China's Crackdown on Mongolian Culture». The Diplomat. Consultado em 4 de setembro de 2020. Arquivado do original em 4 de setembro de 2020 
  23. Xiao, Eva (4 de setembro de 2020). «China Cracks Down on Mongols Who Say Their Culture Is Being Snuffed Out». The Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  24. «Desert off-road festival to be held in China's Inner Mongolia - Xinhua | English.news.cn». www.xinhuanet.com. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 12 de setembro de 2020 
  25. 刘明. «Mother, son pass gaokao in Inner Mongolia». www.chinadaily.com.cn. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 12 de setembro de 2020 
  26. «Inner Mongolia pledges 400 mln yuan to promote dairy industry - Xinhua | English.news.cn». www.xinhuanet.com. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 12 de setembro de 2020 
  27. «China's police minister talks terrorism during Inner Mongolia tour amid rare protests over language». Hindustan Times. 3 de setembro de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 3 de setembro de 2020 
  28. «China offers bounty for Inner Mongolia protesters». Asia Times. 3 de setembro de 2020. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 12 de setembro de 2020 
  29. Yang, Ming (3 de setembro de 2020). «Inner Mongolians Boycott Classes to Protest Chinese Language Policy | Voice of America - English». Voice of America. Consultado em 4 de setembro de 2020. Arquivado do original em 12 de setembro de 2020 
  30. «US paper says reporter was held in China's Inner Mongolia». Star Tribune. Consultado em 4 de setembro de 2020. Arquivado do original em 12 de setembro de 2020 
  31. «內蒙古人罷課抗議漢語教材 中國下令:罰款嚴懲». Liberty Times (em chinês). 14 de setembro de 2020 
  32. Qiao Long and Lau Siu Fung (1 de dezembro de 2020). «China Recruits Mandarin Teachers Amid Ongoing Crackdown in Inner Mongolia». Radio Free Asia. Consultado em 2 de dezembro de 2020 
  33. «Groups back Inner Mongolia protest». Taipei Times. 12 de setembro de 2020. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  34. «China's ethnic Mongolians protest Mandarin curriculum in schools». www.aljazeera.com. Consultado em 3 de setembro de 2020. Arquivado do original em 2 de setembro de 2020 
  35. «Chairs Condemn Suppression of Language Protests, Assault on U.S. Journalist in Inner Mongolia». www.cecc.gov. Consultado em 16 de setembro de 2020. Arquivado do original em 18 de setembro de 2020 
  36. Qiao Long (25 de novembro de 2020). «Mongolians in Japan Protest During Chinese Foreign Minister's Visit». Radio Free Asia. Consultado em 2 de dezembro de 2020