Carlos Alberto Machado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carlos Alberto Machado
Nome completo Carlos Alberto Machado
Nascimento 18 de novembro de 1954 (64 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Portugal
Ocupação Escritor, actor, produtor, encenador

Carlos Alberto Machado (Lisboa, 18 de Novembro de 1954) é um escritor, actor e produtor português.[1]

Formação[editar | editar código-fonte]

É Licenciado em Antropologia pela FCSH/ Universidade Nova de Lisboa e Mestre em Sociologia da Cultura, Comunicação e Tecnologias de Informação pelo ISCTE.[2]

Actividade[editar | editar código-fonte]

Trabalha desde 1969 nas áreas do teatro, animação e gestão cultural. Colaborou com o ACARTE da Fundação Gulbenkian, Centro Georges Pompidou em Paris, Ministério da Cultura, no qual foi assessor, e Expo 98, onde foi programador de espectáculos. Foi professor da Escola Superior de Teatro e Cinema de 1999 a 2000, e da Universidade de Évora, fazendo a licenciatura em Teatro de 2001 a 2008. Dirigiu laboratórios de escrita para teatro com o CITAC, Quarta Parede, CEPiA e Teatro de Giz.[2] Colaboração nas revistas Sete Palcos, Adágio, Belém, Periférica, Boca de Incêndio e Telhados de Vidro e nos jornais O Diário, Semanário, Ilha Maior, Jornal do Pico e Expresso das Nove - onde assina ainda uma crónica semanal.[2] Coordenou as edições municipais do Município das Lajes do Pico, nomeadamente: co-director da revista Magma, juntamente com Sara Santos, Cadernos SIBIL, com José Augusto Soares.[2] e com Urbano Bettencourt a Biblioteca Açoriana. Dedica-se à escrita.

Obras[editar | editar código-fonte]

Ensaios[editar | editar código-fonte]

  • Teatro da Cornucópia: As Regras do Jogo - Lisboa, em 1999
  • Cuidar dos Mortos - Sintra, Instituto de Sintra, em 1999.

Peças de teatro[editar | editar código-fonte]

  • Transportes & Mudanças (Três Peças em Um Acto) - Lisboa, em 2000
  • Os Nomes que faltam - Cadernos Dramat, Nº 6, Teatro Nacional S. João/Cotovia, em 2001
  • Restos. Interiores - em 2002
  • Aquitanta - em 2003
  • As Aventuras Extraordinárias do Príncipe e do Castor - em colaboração, Cadernos CITAC, IV, em Janeiro de 2004
  • Hamlet & Ofélia - Maputo, Escola Portuguesa de Moçambique-Centro de Ensino da Língua Portuguesa, em 2008
  • 5 Cervejas para o Virgílio (Lisboa, & etc., 2009)
  • Hoje Não Há Música - Maputo, Escola Portuguesa de Moçambique-Centro de Ensino da Língua Portuguesa, em 2010

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Ventilador - Espinho, Elefante Editores, em 2000
  • Mundo de Aventuras - Évora, em 2000
  • Mito, seguido de Palavras Gravadas na Calçada - Lisboa, em 2001
  • A Realidade Inclinada - Lisboa, Averno, em 2003
  • Talismã - Lisboa - Assírio & Alvim, em 2004
  • Registo Civil - Poesia Reunida - Lisboa - Assírio & Alvim, em 2010
  • Por eso volveré / Por isso voltarei / C’est pourquoi je reviendrai (desenhos de Márcio Matos) Canárias - dir. Nilo Palenzuela e Orlando Britto Jinorio, Projecto Horizontes Insulares, Governo das Canárias, programa Septénio, em 2010
  • Corpos - Lajes do Pico - colecção azulcobalto, em 2011

Para a história do teatro em Portugal[editar | editar código-fonte]

  • Centro Dramático de Évora. 25 Anos em Cena - CCE/CENDREV 1975-2000 (Évora, Centro Dramático de Évora, 2000)
  • José Manuel Castanheira. Scénographies 1973-1993 - (Paris/Évora, Centre Georges Pompidou/Nobilis, 1993)
  • José Manuel Castanheira. Une Ruine en Construction - (Paris/Évora, Centre Georges Pompidou/Nobilis, 1993)

Participação em colectâneas[editar | editar código-fonte]

  • Arqueologia e Recuperação dos Espaços Teatrais, Lisboa, ACARTE/Fundação Calouste Gulbenkian, com organização de José Manuel Castanheira em 1992
  • MEMÓRIA ABRACE I, São Paulo, em 2000
  • Brincar com as Palavras, Jogar com as Imagens, Lisboa, em 2002
  • Poetas sem Qualidades, Lisboa, Averno, com a organização de Manuel de Freitas em 2002
  • Escrita na Paisagem - Évora, Festival Escrita na Paisagem, em 2005

Espectáculos[editar | editar código-fonte]

  • Pouco A Pouco A Sombra - Amadora, Escola Superior de Teatro e Cinema, em exibição de 18 de Fevereiro e 24 de Março de 2000
  • A Mortos e Vivos - Os Nomes Que Faltam - com estreia a 15 de Fevereiro de 2001, Lisboa
  • Vertigem - Arranjo e fixação de texto de improvisações, com estreia a 15 de Novembro de 2001, no teatro O Bando, Vale de Barris, Palmela
  • Aventuras Extraordinárias do Príncipe e do Castor - Direcção e escrita do texto, com Ana Fernandes, Fernando Silva, Tiago Lança e Sílvia das Fadas. Colaboração de Francisco Frazão, Jorge Correia e Niama, com estreia a 14 de Janeiro de 2004 no Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra
  • Restos. Interiores - com estreia a 29 de Maio de 2005, em Lajes do Pico
  • Os Nomes Que Faltam - com estreia a 17 de Junho de 2005, no Auditório de Alfornelos
  • Aquitanta - com estreia: 24 de Julho de 2007 no teatro Estúdio Zero no Porto
  • Ficava Tão Bem Naquele Canto Da Sala - Leitura encenada, com direcção de Felipe de Assis, no âmbito do Ciclo de Leituras Dramáticas da Universidade Federal da Bahia, Brasil, a 22 de Outubro de 2007
  • E Nós Aqui No Meio De Não Saber Nada - Criação de texto a partir da Oficina de Escrita Criativa coordenada pelo próprio na Ilha do Faial, Açores, em 2008
  • A Felicidade Ideal - Produção: Curso Profissional de Artes do Espectáculo-Interpretação, do Conservatório-Escola das Artes da Madeira (Prova de Aptidão Profissional) - Encenação e interpretação: Vitor Gonçalves. Estreia: Centro das Artes – Casa das Mudas, Funchal, dia 14 de Julho de 2011
  • Hamlet & Ofelia – Produção do Teatro Passagem de Nível - Concepção Cénica, Criação e Interpretação: Mónica Lourenço e Ricardo Mendes - Estreia no Auditório de Alfornelos, em 4 de Novembro de 2011

Referências

  1. «Carlos Alberto Machado» (em inglês). Projecto Vercial. Consultado em 8 de Dezembro de 2009 
  2. a b c d «Carlos Alberto Machado» (em inglês). Assírio & Alvim. Consultado em 22 de Fevereiro de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]