Chiquita Brands International

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chiquita
Razão social Chiquita Brands International Inc.
Tipo Empresa de capital fechado
Slogan Live Better. Live Chiquita
Indústria Agricultura
Gênero Privada
Fundação 1863
Fundador(es) Lorenzo Dow Baker
Sede Charlotte,  Estados Unidos
Área(s) servida(s) Mundo
Proprietário(s) Grupo Safra
Cutrale
Presidente Edward Lonergan
Empregados 20.000
Produtos Banana
Abacaxi
Manga
Alimentos a base de frutas
Lucro Baixa -US$ 15,815 milhões (2013)[1]
Faturamento Baixa US$ 3,057 bilhões (2013)[2]
Website oficial www.chiquita.com/

Chiquita Brands International é uma empresa norte-americana de agricultura e líder mundial no cultivo de distribuição de bananas ao redor do mundo, a sede da companhia fica na cidade de Charlotte no estado da Carolina do Norte nos Estados Unidos e foi fundada por Lorenzo Dow Baker em 1863.[3]

A empresa foi criada em 1863 com o nome de United Fruit Company, em 1899 se fundiu com a Boston Fruit Company e em 1990 passou a usar o nome de Chiquita Brands International e que se mantêm até hoje, a companhia é dona de diversas fazendas em países da América Central e de onde vem a maior parte de sua produção.[4][5]

Em 2014 a Chiquita possuía operações em 70 países e mais de 20.000 empregados e atua no cultivo e distribuição de bananas, abacaxis, mangas e também produz alimentos derivados de frutas cultivadas pela empresa.[6][6][7]

Proposta de fusão com a Fyffes[editar | editar código-fonte]

Em Março de 2014 a distribuidora de frutas Irlandesa Fyffes e a Chiquita anunciaram que iriam se fundir, a únião das duas companhias iria formar uma nova empresa com faturamento de 4.6 bilhões de dólares e uma produção de 16 bilhões de bananas por ano, se a fusão fosse concluída os acionistas da Chiquita iram deter 50,7% da nova companhia e os acionistas da Fyffes 49,3%.[8] Em agosto de 2014 os grupos empresariais Brasileiros Safra e Cutrale ofereceram 611 milhões de dólares para comprar a Chiquita, porém ela teria que desistir da fusão com a Fyffes, os acionistas de ambas as empresas recusaram a oferta dos brasileiros e continuaram com a fusão.[9]

Cutrale e Safra compram Chiquita[editar | editar código-fonte]

Em 24 de outubro de 2014 a Chiquita desistiu da fusão com a Fyffes e aceitou analisar a proposta dos grupos brasileiros para comprar toda a empresa[10] e em 27 de outubro a Chiquita foi vendida para as empresas brasileiras Safra e Cutrale por 1,3 bilhão de dólares[11]. Com a desistência da fusão, a Chiquita foi obrigada a indenizar a Fyffes no equivalente a 3,5% deu seu valor de mercado pelo fim da fusão.[12] A desistência da fusão foi porque os acionistas das duas empresas não aprovaram um acordo de transição e resolveram acabar com o contrato de junção das duas companhias.[13]

Referências