Chiquita Brands International

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2018). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Chiquita Brands International Sàrl
Razão social Chiquita Brands International Inc.
Empresa privada
Indústria Agricultura
Gênero Privada
Fundação 1899 (119 anos)
Fundador(es) Lorenzo Dow Baker
Sede Rolle (Cantāo de Vaud), Suíça e Fort Lauderdale, EUA
Área(s) servida(s) Mundo
Proprietário(s) Grupo Safra
Cutrale
Presidente Andrew J. Biles (Presidente e CEO)
Empregados 20.000
Produtos Banana
Abacaxi
Website oficial www.chiquita.com/
Plantação de banana de Chiquita na Costa Rica. No fundo o vulcão Turrialba.

A Chiquita Brands International é uma empresa herdeira da United Fruit (1889-1970) que teve grande particpação na intervenção norte-americana na Guatemala. Também é uma empresa agrícola e um dos líderes mundiais no cultivo e distribuição de banana em todo o mundo. A Chiquita Brands International (antiga United Fruit Company) foi fundada em 1899 após uma fusão da American railway company com a Boston Fruit Company.[1] Com duas sedes, uma em Rolle, na Suíça, e uma em Fort Lauderdale, nos EUA, a empresa possui várias quintas em países da América Central, de onde provém a maior parte da sua produção. [2][3]

Em 2014 a Chiquita possuía operações em 70 países e mais de 20.000 empregados e atua no cultivo e distribuição de bananas, abacaxis, mangas e também produz alimentos derivados de frutas cultivadas pela empresa.[4][5]

História[editar | editar código-fonte]

A história da Chiquita Brands International começou em 1870,[6] quando o comandante naval, Lorenzo Dow Baker, comprou 160 cachos de bananas na Jamaica e os comercializou em Jersey City onze dias depois. Em 1873, o promotor ferroviário centro-americano Minor C. Keith começou a experimentar a produção de bananas na Costa Rica. Mais tarde, plantou bananas junto a um caminho de ferro na Costa Rica a fim de obter receitas para a ferrovia.[7] Em 1899, foi fundada a United Fruit Company. A empresa resultou da fusão da Boston Fruit Company, detida pelo Comandante Baker e por Andrew Preston, com uma empresa ferroviária que tinha plantado bananas ao longo das suas ferrovias. Minor C. Keith e as suas empresas ferroviárias fundiram-se com a Boston Fruit Company para criar a United Fruit Company a 30 de março de 1899. A United Fruit Company emitiu o seu primeiro relatório anual de acionistas um ano mais tarde, em 1900, e foi cotada pela primeira vez na Bolsa de Nova Iorque em 1903. Em 1930, a frota da empresa (a famosa grande frota branca) já tinha crescido para 95 navios. Em 1973, a empresa introduziu os primeiros navios porta-contentores refrigerados para o transporte de bananas entre a América Latina e o Texas. A empresa mudou oficialmente o seu nome para Chiquita Brands International em 1990, para tirar partido do reconhecimento global da marca.

Proposta de fusão com a Fyffes[editar | editar código-fonte]

Em Março de 2014 a distribuidora de frutas Irlandesa Fyffes e a Chiquita anunciaram que iriam se fundir, a únião das duas companhias iria formar uma nova empresa com faturamento de 4.6 bilhões de dólares e uma produção de 16 bilhões de bananas por ano, se a fusão fosse concluída os acionistas da Chiquita iram deter 50,7% da nova companhia e os acionistas da Fyffes 49,3%.[8] Em agosto de 2014 os grupos empresariais Brasileiros Safra e Cutrale ofereceram 611 milhões de dólares para comprar a Chiquita, porém ela teria que desistir da fusão com a Fyffes, os acionistas de ambas as empresas recusaram a oferta dos brasileiros e continuaram com a fusão.[9]

Cutrale e Safra compram Chiquita[editar | editar código-fonte]

Em 24 de outubro de 2014 a Chiquita desistiu da fusão com a Fyffes e aceitou analisar a proposta dos grupos brasileiros para comprar toda a empresa[10] e em 27 de outubro a Chiquita foi vendida para as empresas brasileiras Safra e Cutrale por 1,3 bilhão de dólares.[11] Com a desistência da fusão, a Chiquita foi obrigada a indenizar a Fyffes no equivalente a 3,5% deu seu valor de mercado pelo fim da fusão.[12] A desistência da fusão foi porque os acionistas das duas empresas não aprovaram um acordo de transição e resolveram acabar com o contrato de junção das duas companhias.[13]

Consciência ambiental[editar | editar código-fonte]

Em 1992, a Chiquita tornou-se a primeira grande empresa na indústria da banana a estabelecer uma colaboração com a Rainforest Alliance. Em 1994, as duas primeiras quintas Chiquita foram certificadas.[14] Em 2000, a Chiquita adotou um novo código de conduta que incluía a norma laboral SA8000 da Responsabilidade Social Internacional. Ainda em 2000, a Chiquita obteve a certificação da Rainforest Alliance para práticas amigas do ambiente em 100% das suas quintas. Em 2001, o Wal-Mart nomeou a Chiquita como o "Fornecedor Ambiental do Ano".[7]


Referências