Ciência sem Fronteiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ciência sem Fronteiras é um programa de pesquisa criado em 26 de julho de 2011[1] pelo governo federal brasileiro para incentivar a formação acadêmica no exterior, oferecendo bolsas de iniciação científica e incentivando projetos científicos em universidades de excelência em outros países.[2][3][4][5] A meta é que sejam distribuídas pelo programa 101.000 bolsas de estudo até 2015.[6]

Objetivos[editar | editar código-fonte]

O programa tem como objetivos: investimento na formação de pessoal qualificado nas competências e habilidades necessárias para o avanço da ciência na sociedade do conhecimento; aumento da presença de pesquisadores (e estudantes) de vários níveis em instituições de destaque no exterior; promover a inserção das instituições brasileiras internacionalmente com abertura de oportunidades semelhantes para cientistas e estudantes estrangeiros; ampliar o espírito inovador de pessoal das indústrias tecnológicas; atrair talentos científicos e investigadores altamente qualificados para trabalhar no Brasil. Para poder concorrer a uma bolsa, é é necessário ter atingido pelo menos 600 pontos no Enem.[7]

Modalidades e metas[editar | editar código-fonte]

Modalidade Nº de Bolsas
Doutorado sanduíche 15.000
Doutorado pleno 4.500
Pós-doutorado 6.440
Graduação sanduíche 64.000
Desenvolvimento Tecnológico e Inovação no Exterior 7.060
Atração de Jovens Talentos (no Brasil) 2.000
Pesquisador Visitante Especial (no Brasil) 2.000
Total 101.000

Áreas prioritárias[editar | editar código-fonte]

As áreas contempladas são:[8]

  • Engenharias e demais áreas tecnológicas;
  • Ciências Exatas e da Terra;
  • Biologia, Ciências Biomédicas e da Saúde;
  • Computação e Tecnologias da Informação;
  • Tecnologia Aeroespacial;
  • Fármacos;
  • Produção Agrícola Sustentável;
  • Petróleo, Gás e Carvão Mineral;
  • Energias Renováveis;
  • Tecnologia Mineral;
  • Biotecnologia;
  • Nanotecnologia e Novos Materiais;
  • Tecnologias de Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais;
  • Biodiversidade e Bioprospecção;
  • Ciências do Mar;
  • Indústria Criativa (voltada a produtos e processos para desenvolvimento tecnológico e inovação);
  • Novas Tecnologias de Engenharia Construtiva;
  • Formação de Tecnólogos.

Cotas[editar | editar código-fonte]

Com a decisão do Supremo Tribunal Federal de que as cotas raciais para ingresso no ensino superior são constitucionais, a ONG Educafro decidiu reforçar a cobrança por cotas no programa Ciência sem Fronteiras.[9][10][11] A Educafro propôs que 35% das bolsas sejam concedidas para negros, índios e brancos pobres.[12][13][14]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]