Rompimento de barragem em Mariana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rompimento da barragem de Fundão
Vista da região do desastre
Danos Destruição de Bento Rodrigues;
aumento da turbidez das águas do rio Doce,[1] com impactos no abastecimento de água em cidades de Minas Gerais e Espírito Santo, danos culturais a monumentos históricos do período colonial, bem como à fauna e à flora na área da bacia hidrográfica, incluindo possível extinção de espécies endêmicas, e prejuízos à atividade pesqueira e turismo nas localidades atingidas
Vítimas 18 mortos [2]
1 desaparecido
Áreas afetadas Subdistrito de Bento Rodrigues, diversos municípios às margens do Rio Doce e Oceano Atlântico

O rompimento da barragem de Fundão, localizada no subdistrito de Bento Rodrigues, a 35 km do centro do município brasileiro de Mariana, Minas Gerais, ocorreu na tarde de 5 de novembro de 2015.[3] Rompeu-se uma barragem de rejeitos de mineração controlada pela Samarco Mineração S.A., um empreendimento conjunto das maiores empresas de mineração do mundo, a brasileira Vale S.A. e a anglo-australiana BHP Billiton.

Inicialmente a mineradora Samarco informara que duas barragens haviam se rompido - a de Fundão e a de Santarém. Porém, no dia 16 de novembro, a Samarco retificou a informação, afirmando que apenas a barragem de Fundão havia se rompido. O rompimento de Fundão provocou o vazamento dos rejeitos que passaram por cima de Santarém, que, entretanto, não se rompeu.[4] As barragens foram construídas para acomodar os rejeitos provenientes da extração do minério de ferro retirado de extensas minas na região.

O rompimento da barragem de Fundão é considerado o desastre industrial que causou o maior impacto ambiental da história brasileira e o maior do mundo envolvendo barragens de rejeitos, com um volume total despejado de 62 milhões de metros cúbicos.[5][6][7] A lama chegou ao rio Doce, cuja bacia hidrográfica abrange 230 municípios dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, muitos dos quais abastecem sua população com a água do rio.[8]

Ambientalistas consideraram que o efeito dos rejeitos no mar continuará por pelo menos mais cem anos, mas não houve uma avaliação detalhada de todos os danos causados pelo desastre. Segundo a prefeitura do município de Mariana, a reparação dos danos causados à infraestrutura local deverá custar cerca de cem milhões de reais.[9]

Panorama do desastre[editar | editar código-fonte]

Esquema do rompimento de barragem em Bento Rodrigues

Controladas pela Samarco Mineração S.A. (um empreendimento conjunto entre a Vale S.A. e a BHP Billiton),[10] as barragens de Fundão e Santarém fazem parte da Mina Germano, situada no distrito de Santa Rita Durão, município de Mariana, localizado na Microrregião de Ouro Preto da Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte. Foram construídas para acomodar os rejeitos provenientes da extração do minério de ferro retirado de extensas minas na região.[11]

A barragem de Fundão passava por um processo de alteamento, quando ocorre a elevação do aterro de contenção, pois o reservatório já chegava a seu ponto limite, não suportando mais o despejo dos dejetos da mineração.[12][13]

Aproximadamente às 15h30min da tarde do dia 5 de novembro de 2015, a contenção apresentou um vazamento. Neste momento, uma equipe de funcionários terceirizados foi enviada ao local e tentava amenizar o vazamento esvaziando parte do reservatório.[14] Por volta das 16h20min ocorreu o rompimento, que lançou um grande volume de lama sobre o vale do córrego Santarém.[15] O subdistrito de Bento Rodrigues, que se localiza cerca de 2,5 quilômetros vale abaixo, foi quase completamente inundado e destruído pela enxurrada de lama que se seguiu após o desastre na barragem. Outros vilarejos e distritos situados no vale do rio Gualaxo também foram atingidos pela enxurrada.[16]

Imagens de satélite antes e após o rompimento da barragem
Carro destruído em meio as ruínas do subdistrito
Imagem de satélite da foz do rio Doce invadida pela lama
Fotografia aérea da lama no mar
Reservatório da Usina Hidrelétrica Risoleta Neves (Candonga) atingido pelos rejeitos da mineradora Samarco, em Santa Cruz do Escalvado, Minas Gerais.

Por conta de sua localização e dos acessos precários, contando apenas com estradas vicinais não pavimentadas para fazer contato com os demais distritos e a sede do município, Bento Rodrigues ficou completamente inacessível por via terrestre, sendo possível o acesso apenas por helicóptero, o que dificultou em muito o acesso dos bombeiros para os trabalhos de resgate.[17] Havia uma escola na área onde ocorreu a inundação e os professores conseguiram remover os alunos antes da escola ser atingida.[18]

Um agravante da situação foi que o empreendimento e as comunidades vizinhas à barragem não possuíam um plano de contingência, nem rotas de fuga que permitissem aos moradores se deslocarem a tempo para regiões seguras.[19]

Danos aos ecossistemas do Rio Doce[editar | editar código-fonte]

Por volta de 18h30 do dia 5 de novembro, os rejeitos de minério de ferro chegaram ao Rio Doce.[20] A bacia do rio tem uma área de drenagem de cerca de 86.715 quilômetros quadrados, sendo 86% em Minas Gerais e o restante no Espírito Santo. No total, o rio abrange 230 municípios que utilizam o seu leito como subsistência.[8]

Ambientalistas acreditavam ser incerta a possibilidade de se recuperar o rio. Segundo o biólogo e ecólogo André Ruschi, que atua na Estação Biologia Marinha Augusto Ruschi, no distrito de Santa Cruz, município de Aracruz, no Espírito Santo, os rejeitos só começarão a ser eliminados do mar em cem anos, no mínimo.[8]

Os rejeitos atingiram também a Usina Hidrelétrica Risoleta Neves, que fica em Santa Cruz do Escalvado, a cerca de cem quilômetros de Mariana. Segundo a concessionária que administra a usina, o seu funcionamento não foi prejudicado.[21]

No dia 9 de novembro, a prefeitura de Governador Valadares interrompeu a captação de água por conta da lama que invadiu o rio Doce.[22] No dia seguinte, foi decretado Estado de Calamidade Pública, em função do desabastecimento de água na cidade.[23] No dia 13 de novembro, o Exército Brasileiro montou um ponto de distribuição gratuita de água fornecida pela Samarco, na praça dos Esportes, no centro da cidade.[24]

No dia 16 de novembro, a onda de lama e rejeitos de minério chegou ao município de Baixo Guandu, no noroeste do Espírito Santo. A prefeitura suspendeu o abastecimento pelo Rio Doce.[25]

O IBAMA informou que, das 80 espécies de peixes que ocorrem no rio Doce, 11 estão ameaçadas de extinção e 12 são endêmicas, só existem nesta bacia hidrográfica e podem ter sido extintas.[26] Estima-se que ocorriam mais de cem espécies de peixes na bacia do rio Doce, das quais seis estão oficialmente ameaçadas de extinção. A mortandade verificada logo após o desastre e o grande número de espécies crípticas da bacia reforçam as preocupações sobre a extinção de peixes endêmicos ainda desconhecidos e de espécies importantes para a sobrevivência das comunidades locais que exploram a atividade pesqueira. Os efeitos sobre as espécies que utilizam o estuário em alguma fase de seus ciclos de vida são desconhecidos, assim como os danos em longo prazo aos peixes marinhos.[27]

Danos aos ecossistemas marinhos[editar | editar código-fonte]

Espécies afetadas pelo desastre
Água-viva Kishinouyea corbini

No dia 22 de novembro, a lama chegou ao mar, no Norte do Espírito Santo. A prefeitura de Linhares interditou as praias de Regência e Povoação e emitiu um alerta para que as pessoas não entrem na água. Foram espalhadas placas ao longo das praias informando que a água está imprópria para o banho.[28][29]

Em dois dias a mancha de lama se alastrou por mais de 15 quilômetros ao norte da foz do Rio Doce e mais sete quilômetros rumo ao sul.[30] Uma das regiões afetadas foi a Reserva Biológica de Comboios, unidade de conservação costeira que protege o único ponto regular de desova de tartaruga-de-couro na costa brasileira.[31]

Após atingir o oceano, a lama provavelmente afetará milhares de espécies da fauna e flora marinhas. O pouco estudado cnidário Kishinouyea corbini é uma espécie emblemática desta situação, pois é extremamente rara e tem uma distribuição geográfica restrita e que se sobrepõe com a área afetada pelo desastre.[32]

Toxicidade dos rejeitos[editar | editar código-fonte]

Análises realizadas em Governador Valadares encontraram na massa de lama quantidades superiores aos valores aceitáveis de metais pesados como arsênio, chumbo e mercúrio. Esses metais, possivelmente utilizados em garimpos ilegais ao longo do rio Gualaxo do Norte, foram carregados pela torrente de lama.[33]

Embora a mineradora Samarco tenha afirmado repetidamente que a lama não é tóxica, especialistas divergem. Segundo eles, os sedimentos que estavam depositados na barragem provavelmente contêm compostos químicos, usados pela mineradora para a remoção seletiva de sílica durante a flotação de minérios - ou seja, para remover as impurezas do minério. Compostos conhecidos como aminas de éter são geralmente utilizados para separar sílica do minério de ferro. Pelo menos alguns desses compostos, segundo o fabricante, Air Products and Chemicals,Inc., não são prontamente biodegradáveis e têm elevada toxicidade para os organismos aquáticos.[34] São também capazes de elevar os níveis de pH da água e do solo, causando desequilíbrios nos ecossistemas.[35]

Além disso, a lama reduz os níveis de oxigênio na água, e, à medida que os sedimentos endurecem, podem alterar o curso das correntes e diminuir a fertilidade do solo. Segundo Klemens Laschesfki, professor de geociências da Universidade Federal de Minas Gerais, com o endurecimento da lama, a agricultura será dificultada, e a grande quantidade de lodo que irá se assentar no fundo do Rio Doce e afluentes poderá alterar curso da bacia hidrográfica.[36]

De acordo com os relatórios divulgados pela Agência Nacional de Águas (ANA) e pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) em 15 de dezembro de 2015, a grande mortandade de peixes teria sido causada não pela toxicidade dos rejeitos, mas pela concentração extremamente elevada de sedimentos (turbidez) na água, durante a passagem da lama, o que reduziu a concentração de oxigênio dissolvido na água e obstruiu as guelras dos peixes, fazendo com que morressem por asfixia,. [37] De acordo com as análises realizadas, a água do rio Doce não está contaminada por metais tóxicos. "As amostras de água coletadas ao longo do rio Doce não evidenciaram a presença de metais dissolvidos em quantidades que possam ser consideradas como contaminadas", conforme comunicado distribuído pelas duas entidades. Foram analisadas amostras de água e sedimentos de 25 pontos, desde o epicentro do desastre, em Mariana, até a foz do rio Doce, em Linhares (Espírito Santo). Os resultados dessas análises asseguram que, depois de adequadamente tratada, a água pode ser consumida sem riscos. Quanto à presença de metais pesados dissolvidos na água (arsênio, cádmio, mercúrio, chumbo, cobre, zinco e outros), os quantitativos são similares aos constatados em 2010 pela CPRM. Curiosamente, as concentrações mais altas de arsênio, manganês e ferro foram registradas no rio do Carmo, em áreas não afetadas pelos rejeitos da barragem.[38]

Águas lamacentas do Rio Doce em Galileia, Minas Gerais, no dia 28 de novembro de 2015.

Um grupo de cientistas independentes também coletou amostras de lama ao longo dos rios Doce, Gualaxo do Norte e Carmo. O grupo constatou a presença de metais pesados em diversos trechos desses cursos d'água, inclusive em pontos a montante do trecho atingido pela lama da barragem, indicando que tais elementos já estavam presentes no rio antes mesmo do rompimento das barragens. Segundo a toxicologista Vivian Santos, integrante do grupo, foi possível observar uma quantidade muito grande de material de mineração (provavelmente metal inerte) nos sedimentos. De todo modo, ela acredita que "o monitoramento da concentração de metais dissolvidos nesta bacia hidrográfica deve ser muito mais rigoroso de agora em diante". [39][40]

A Vale e a BHP (donas da Samarco) já haviam negado que a lama da barragem fosse tóxica. Em 26 de novembro, a BHP havia declarado em seu site que "os rejeitos que entraram no Rio Doce são compostos de materiais de argila e lodo, provindos da lavagem e processamento de terra contendo minério de ferro, que é naturalmente abundante na região. Com base em dados disponíveis, os rejeitos são considerados quimicamente estáveis. Eles não irão alterar a composição química na água e permanecerão no ambiente como solos normais na bacia hidrográfica."[41] [38]

De todo modo, mesmo antes da enxurrada de lama, o rio Doce se encontrava bastante degradado, em consequência de séculos de desmatamento, poluição, assoreamento, construção de barragens, pesca predatória e introdução de espécie exóticas, como o dourado e a tilápia, que geram renda para os pescadores, mas substituem a fauna nativa. Além disso, a estiagem extrema reduziu drasticamente o volume de água no rio e, consequentemente, sua capacidade de diluir a lama que escorreu da barragem. Pesquisadores e autoridades apontam para a necessidade de restauração em grande escala de toda a bacia hidrográfica do rio Doce - e não apenas de remoção da lama. "Temos de aproveitar isso como uma oportunidade para testar um grande processo de recuperação ambiental", diz João Pessoa Moreira Júnior, da Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas (DBFLO) do Ibama, enquanto acompanhava os esforços de resgate de fauna na região. Segundo o titular da DBFLO, Paulo Fontes, a recuperação do rio deve levar, no mínimo, dez anos mas é possível.[42]

Danos à infraestrutura de Mariana[editar | editar código-fonte]

Rua de Bento Rodrigues após o desastre

Segundo a administração de Mariana, seriam necessários cem milhões de reais para reparar os danos causados à infraestrutura do município.[9] Esse valor corresponde a quatro vezes o valor que o município recebeu, em 2015, a título de royalties (Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais ou CFEM), pelo minério explorado: entre janeiro a outubro daquele ano, Mariana recebeu da Samarco 24,3 milhões de reais a título de compensação financeira pela exploração mineral.[9]

O total pago em 2015 pela Samarco, a título de CFEM (calculada à base de 2% sobre o valor líquido da venda do minério), foi de cerca de 37,4 milhões de reais. Desse valor, 65% (24,3 milhões de reais) foram para o município; o restante foi dividido entre o governo de Minas Gerais (23%) e a União (12%).[9] A Samarco lucrou 13,3 bilhões de reais entre 2010 e 2014. O lucro de 2014 foi de 2,8 bilhões de reais, segundo dados do site da empresa.[9]

A suspensão da licença ambiental da Samarco em dezembro de 2015 e subsequente embargo das atividades causou impacto negativo na economia de Mariana, com quedas de 60% no comércio e perdas de R$ 5 milhões em arrecadação. Moradores fizeram em março de 2016 protestos pedindo a volta das atividades da Samarco, que esperava ainda naquele ano reativar a mineração na região.[43][44]

Apuração das causas[editar | editar código-fonte]

O Ministério Público de Minas Gerais havia sido contrário à renovação da licença de funcionamento da barragem, tendo solicitado a realização de análise de ruptura e um plano de contingência para o caso de riscos ou acidentes. Segundo o promotor de Justiça do Meio Ambiente, Carlos Eduardo Ferreira Pinto, a tragédia "não foi um acidente, tampouco fatalidade" mas erro na operação e negligência no monitoramento da barragem.[45]

Uma equipe de Bombeiros Civis locais durante a avaliação dos danos

Após o desastre, soube-se também que a barragem de Fundão, além de receber os rejeitos da Samarco, recebia rejeitos de minérios provenientes da mina de Alegria, também pertencente à Vale. O volume desses rejeitos, lançados na barragem por meio de dutos, seria correspondente a menos de 5% do volume total represado. Todavia, posteriormente, foi noticiado que esse volume seria, na verdade, bem superior ao que fora declarado pois, segundo documentos do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), os rejeitos da mina de Alegria corresponderiam a 28% do total então contido no reservatório, ultrapassando dezoito milhões de metros cúbicos em 2014. A Vale, entretanto, reiterou sua afirmação anterior, explicando que "o cálculo de percentual indicado no documento do DNPM apresentado pela procuradoria de Minas Gerais leva em consideração o volume total de rejeitos produzidos na mina de Alegria. No entanto, aproximadamente 85% desses rejeitos eram destinados à barragem de Campo Grande, que é da própria Vale. O restante (cerca de 15%) era destinado à Samarco. Essa quantidade corresponde a aproximadamente a 5% do volume total depositado na barragem de Fundão nos últimos anos."[46]

Em fevereiro de 2016, o Ministério Público encaminhou o inquérito contra a Samarco, que pedia a prisão do presidente licenciado Ricardo Vescovi e mais seis pessoas, para a Justiça Federal, considerando que a extensão dos danos configurava "lesão a bem de interesse federal".[47]

Comissões parlamentares[editar | editar código-fonte]

Na primeira quinzena de novembro de 2015, foram criadas, na Câmara Federal e nas Assembleias Legislativas do Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, três Comissões Especiais para acompanhar o caso e as providências adotadas. Segundo divulgação pela imprensa, muitos dos parlamentares integrantes dessas três comissões receberam doações de empresas do grupo Vale para financiar suas campanhas eleitorais. Tais doações somaram R$ 2,6 milhões e são legais, informadas pelos candidatos à Justiça Eleitoral.[48][49]

Na comissão criada na Câmara[49]
Lelo Coimbra (no centro), com o presidente da Samarco e o vice-presidente Michel Temer em 2014. Lelo é deputado federal (ES), recebeu doações da Vale/Samarco para sua campanha[48] e integra a comissão da Câmara que apura o desastre.
Na assembleia mineira[49]
No Legislativo do Espírito Santo[49]

Multas[editar | editar código-fonte]

Senador Randolfe Rodrigues mostra comparativo fotográfico das áreas atingidas no plenário do Senado Federal

Em relação às multas, a legislação brasileira prevê um teto de R$ 50 milhões e uma eventual alteração desse valor depende de aprovação do Congresso Nacional.[50] O Ibama aplicou 5 multas neste valor máximo, totalizando 250 milhões de reais. A presidente do Ibama, Marilene Ramos, disse que "o valor de R$ 50 milhões está estabelecido há muitos anos, sem reajuste. Esse é um mal de se estabelecer valores em lei quando esses valores ao longo do tempo vão se perdendo".[50]

Em acordo como o Ministério Público Federal, a Samarco se comprometeu a realizar um pagamento de uma caução socioambiental de R$ 1 bilhão, num documento assinado em Belo Horizonte na sede do Núcleo de Resolução de Conflitos Ambientais do Ministério Público (Nucam).[51] Para efeitos comparativos, a explosão da plataforma Deepwater Horizon no ano de 2010 no Golfo do México, que matou doze pessoas e poluiu parte das águas do golfo, prejudicando o habitat de centenas de espécies de aves, mas que não afetou o abastecimento de água de localidade alguma, resultou na criação de um fundo que, juntamente a outros gastos correlatos, custou à empresa responsável, a britânica BP, um montante de U$42.2 bilhões de dólares para reparação de danos,[52] e a empresa foi condenada no ano de 2015 a pagar uma multa $18.7 bilhões de dólares.[53] Novo acordo em 2016 aumentou a quantia a ser desembolsada pela Samarco para R$4,4 bilhões até 2018,[54] com a presidente Dilma Rousseff acrescentando que após 2018 haveria um aporte anual de R$1,8 bilhão.[55]

Reações[editar | editar código-fonte]

Samarco-logo-large.png Samarco: Kleber Luiz de Mendonça Terra, diretor de operações e infraestrutura da Samarco, pronunciou-se durante uma entrevista coletiva dizendo que "a Samarco também está envolvida e estamos muito solidários e muito sofridos com tudo que aconteceu. Não acho que seja o caso de desculpa, acho que é o caso de verificar claramente o que aconteceu".[56] Alguns dias depois o diretor presidente da empresa, Ricardo Vescovi de Aragão, disse em entrevista exclusiva ao programa Fantástico que "Nós perdemos vidas, e isso é inadmissível. Nós não sabemos as causas, mas sabemos das consequências e temos que nos desculpar com as famílias, com as pessoas que perderam os lares, com os ribeirinhos, que tem o rio Doce como sustento... Nos desculpar com a população de Minas Gerais, com o povo do Espírito Santo e com os nossos funcionários."[57]

Nacionais[editar | editar código-fonte]

  • Mariana Município de Mariana: A prefeitura iniciou imediatamente uma campanha de arrecadação de donativos para os desabrigados, frisando a necessidade urgente de doações de escovas de dente, toalhas de banho, copos, talheres, pratos descartáveis e especialmente água potável. Também foi aberta uma conta bancária para receber doações em dinheiro.[58] Também foram cancelados todos os eventos municipais desde o dia do acidente até o dia 16 de novembro. A nota da prefeitura afirmava que "neste momento, a Prefeitura de Mariana está focada no trabalhos de resgate e suporte aos atingidos".[59]
  • Brasil Governo Federal: Por meio do Ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, colocou as forças federais à disposição do Estado de Minas Gerais. O ministro entrou em contato com o governador de Minas, Fernando Pimentel, para colocar as forças federais à disposição. Jaques Wagner comunicou a presidente Dilma Rousseff sobre o acidente antes do embarque dela de volta de uma viagem a Alagoas para Brasília.[60][61]
  • Igreja Católica Igreja Católica: A Arquidiocese de Mariana se manifestou: "Manifestamos nossa mais sentida solidariedade às famílias que tiveram suas casas e seus bens destruídos e às que choram a morte de seus entes queridos, vítimas dessa catástrofe de proporções incalculáveis. O momento é de unir esforços para minimizar a aflição e o sofrimento de todos os que foram atingidos por essa tragédia. Exortamos nossas comunidades a prestarem sua solidariedade às vítimas. [...]. Rogamos a Deus fortalecer e consolar, com seu amor generoso, todos os que foram atingidos por esse acidente."[62] Além da Arquidiocese de Mariana, as Dioceses de Itabira e de Três Lagoas e o Regional Leste II da CNBB, que compreende os territórios dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, também divulgaram notas de solidariedade aos afetados pela tragédia[63]
  • Cruzeiro Cruzeiro Esporte Clube: Na partida de futebol entre Cruzeiro e São Paulo de 8 de novembro, no Mineirão, houve arrecadação de feijão, óleo, macarrão e água mineral.[64]
  • Baixo Guandu Município de Baixo Guandu: O prefeito, Neto Barros, referiu-se ao acontecido como "um crime ambiental sem precedentes" e ordenou o bloqueio da Estrada de Ferro Vitória a Minas como forma de protesto.[65][66]
  • Dois shows beneficentes intitulados Sou Minas Gerais foram realizados em Dezembro de 2015, contando com a participação de Criolo, Caetano Veloso, Jota Quest e outros artistas. R$493 mil foram arrecadados e doados ao Greenpeace, que usará as verbas para pesquisar os impactos causados pela tragédia.[67]
  • A comediante mineira Gorete Milagres passou janeiro de 2016 visitando cidades afetadas ao longo do rio Doce, e registrou sua jornada em um documentário, Rio Doce – 60 dias depois.[68]
  • As paulistas Helena Wolfenson, filha do fotógrafo Bob Wolfenson, e Aline Lata, acompanharam a devastação em Minas ao longo de dez dias em novembro, e registraram no documentário Rastro de Lama, financiado coletivamente.[69][70]

Internacional[editar | editar código-fonte]

  •  França: O país apresentou suas condolências. "Nós nos inteiramos com emoção do rompimento das barragens mineradoras no estado de Minas Gerais", declarou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Romain Nadal.[71]
  •  Estados Unidos: A banda norte-americana Pearl Jam se apresentou em Belo Horizonte na semana seguinte ao rompimento da barragem. Durante o show no Mineirão, o vocalista Eddie Vedder pediu punição para os responsáveis, e prometeu doar o cachê da banda, de US$100 mil, para as comunidades impactadas. Em março de 2016, o Instituto Bioatlântica recebeu a quantia de US$33 mil.[67]

Fundação Renova[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Fundação Renova

Após a assinatura de um Termo de Transação de Ajustamento de Conduta (TTAC) entre a Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Billiton, com os governos federal e dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, foi criada a Fundação Renova, instituição responsável por conduzir os programas de reparação, restauração e recuperação socioeconômica e socioambiental nas áreas impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão.[72]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Agência federal diz que água do rio Doce não está contaminada. Estadão, 16 de dezembro de 2015.
  2. «Corpo é achado dentro de caminhão em área do desastre em Mariana». G1. 9 de março de 2016. Consultado em 9 de março de 2016 
  3. UOL Notícias: O que se sabe sobre o rompimento das barragens em Mariana
  4. Rompimento de barragem em Mariana: perguntas e respostas. G1, 13 de novembro de 2015.
  5. «Acidente em Mariana é o maior da História com barragens de rejeitos». O Globo. Consultado em 24 de novembro de 2015 
  6. «"Mariana é o maior desastre ambiental do Brasil"» 
  7. Mariana Schreiber (11 de novembro de 2015). «Desastre em Mariana foi acidente ou crime? 'É precipitado avaliar', diz ministro». BBC Brasil. Consultado em 15 de novembro de 2015 
  8. a b c BAETA, Juliana. «Contaminação do rio Doce ameaça vida marinha no Espírito Santo». O Tempo. Consultado em 10 de novembro de 2015 
  9. a b c d e UOL Notícias: Prejuízo em Mariana é quatro vezes maior que royalties pagos pela Samarco
  10. «Nota sobre acidente na Samarco». www.vale.com. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  11. «Barragem se rompe e enxurrada de lama destrói distrito de Mariana». G1 Minas Gerais. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  12. «Barragem se rompe e sindicato fala em 10 mortos e 30 desaparecidos». O Tempo. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  13. «Barragem que se rompeu passava por obras, afirma Samarco». Estado de Minas. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  14. «Barragem de rejeitos se rompe em mineradora de Mariana; acompanhe ao vivo». Estado de Minas. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  15. «Barragem de rejeitos se rompe em MG e deixa desaparecidos». Terra. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  16. Lama sepulta oásis de vida e devasta rios em Minas
  17. «Barragem se rompe e enxurrada de lama destrói distrito de Mariana». Minas Gerais. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  18. «Professores salvaram alunos de escola em Bento Rodrigues; veja o depoimento». Estado de Minas. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  19. «Samarco contratou plano de emergência contra desastres, mas nunca pôs em prática». 24 de novembro de 2015. Consultado em 31 de julho de 2016 
  20. CONSTANTI, Márcia (6 de novembro de 2015). «Minério de barragens que desabaram atinge o Rio Doce a 100 km de Mariana (MG)». R7. Consultado em 10 de novembro de 2015 
  21. «Rejeitos das barragens de Mariana chegam a usina em Santa Cruz do Escalvado». Consultado em 10 de novembro de 2015 
  22. «Governador Valadares interrompe captação de água por conta da lama no Rio Doce». 9 de novembro de 2015. Consultado em 10 de novembro de 2015 
  23. «Governador Valadares decreta Estado de Calamidade Pública». O Tempo 
  24. FERREIRA, Bárbara (13 de novembro de 2015). «Exército distribui água para população em Governador Valadares». O Tempo 
  25. BORGES, Juliana (16 de novembro de 2015). «Lama de barragem da Samarco chega a Baixo Guandu, ES». G1. Globo.com 
  26. «Um mês após tragédia em Mariana, causas e impactos ainda são investigados». Agência Brasil. Consultado em 5 de dezembro de 2015 
  27. Fernandes, Geraldo Wilson; Goulart, Fernando F.; Ranieri, Bernardo D.; Coelho, Marcel S.; Dales, Kirsten; Boesche, Nina; Bustamante, Mercedes; Carvalho, Felipe A.; Carvalho, Daniel C.; Dirzo, Rodolfo; Fernandes, Stephannie; Galetti, Pedro M.; Millan, Virginia E. Garcia; Mielke, Christian; Ramirez, Jorge L.; Neves, Ana; Rogass, Christian; Ribeiro, Sérvio P.; Scariot, Aldicir; Soares-Filho, Britaldo (2016). «Deep into the mud: ecological and socio-economic impacts of the dam breach in Mariana, Brazil». Natureza & Conservação (em inglês). 14 (2): 35–45. ISSN 1679-0073. doi:10.1016/j.ncon.2016.10.003 
  28. BORGES, Juliana (23 de novembro de 2015). «Lama de barragem da Samarco chega ao mar no ES». G1. Globo.com 
  29. AQUINO, Yara (23 de novembro de 2015). «Lama de barragem chega ao mar no Espírito Santo e prefeitura interdita praias». Agência Brasil 
  30. BONELA, Mário (24 de novembro de 2015). «Lama da Samarco se alastra pelo litoral do Espírito Santo». G1. Globo.com 
  31. ALMEIDA, Luciana (26 de novembro de 2015). «Leia Mais:Lama atinge reserva de desova de tartarugas-gigantes no ES». Estadão 
  32. Miranda, Lucília Souza; Antonio Carlos (2016). «Hidden impacts of the Samarco mining waste dam collapse to Brazilian marine fauna - an example from the staurozoans (Cnidaria)». Biota Neotropica. 16 (2). ISSN 1676-0603. doi:10.1590/1676-0611-BN-2016-0169 
  33. «Análise aponta presença de arsênio, chumbo, cobre e mercúrio em lama da barragem». Folha Vitória. 12 de novembro de 2015. Consultado em 12 de novembro de 2015 
  34. Ver Safety Data Sheets (SDS) para os produtos da linha de surfactantes Tomamine DA, tais como Tomamine DA-14 e Tomamine DA-17
  35. Ver Stapelfeldt, F.; Carvalho, C. F.; e Reis, O. B. Quantificação, decomposição e reciclagem de aminas nos resíduos de flotação reversa de minério de ferro:
    "O minério de ferro de baixo teor, como o itabirito brasileiro, tem de ser concentrado usando separação magnética e gravimétrica ou flotação. A flotação inversa é o método de concentração largamente utilizado no beneficiamento de minérios de ferro de baixos teores. As aminas são os coletores catiônicos mais importantes e os únicos usados industrialmente. (...) Provavelmente, a maior parte deste reagente fica contida na polpa do rejeito. No melhor caso, após um longo tempo de residência, uma parte da água sem amina será reutilizada como água de processo. Esta polpa é descartada para as barragens de rejeito e, consequentemente, é uma fonte de contaminação de águas."
  36. Rompimento de barragem de mina em Mariana pode devastar meio ambiente por anos. Lama expelida pelas barragens foi carregada por 500 km e devastou o rio Doce. R7, 15 de novembro de 2015.
  37. CPRM – Serviço Geológico do Brasil. Monitoramento Especial da Bacia do Rio Doce.
    Relatório 01: Acompanhamento da onda de cheia. Primeira Campanha de Campo.
    Relatório 02: Geoquímica. Segunda Campanha de Campo. 12 a 23 de novembro de 2015.
    Belo Horizonte, dezembro de 2015.
  38. a b Lama que atingiu o Rio Doce não é tóxica, diz relatório. Estadão, 15 de dezembro de 2015.
  39. Cientistas apontam contaminação do rio Doce por metais pesados. R7, 15 de dezembro de 2015.
  40. Cientistas acham metais pesados na água com lama do Rio Doce. Entrevista com a toxicologista Vivian da Silva Santos, da Universidade de Brasília e do Grupo Independente de Análise de Impacto Ambiental (Giaia). Por Herton Escobar. 15 Dezembro 2015
  41. Atualização sobre a composição dos rejeitos da barragem de Fundão. 26 de novembro de 2015
  42. Lama expõe histórico de degradação ambiental no Rio Doce. Estadão, 22 de novembro de 2015.
  43. Protesto pede volta das atividades da Samarco em Mariana
  44. Samarco quer voltar a operar ainda em 2016, diz presidente
  45. a b 'Houve negligência', diz MP sobre rompimento de barragens em MG. G1, 10 de novembro de 2015.
  46. Vale jogou mais lama em barragem do que havia declarado, aponta laudo. Folha de S. Paulo, 4 de dezembro de 2015
  47. MP pede que inquérito de MG sobre Mariana seja enviado à Justiça Federal
  48. a b Vale doou à metade dos deputados da Comissão do Rio Doce. Empresa doou R$388,7 mil para os deputados estaduais da Comissão. G1, 9 de novembro de 2015
  49. a b c d UOL Notícias: Deputados que vão apurar tragédia em Mariana receberam R$ 2 milhões da Vale
  50. a b EM: Presidente do Ibama diz que multas por desastre ambiental são baixas
  51. G1: http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2015/11/mp-e-mpf-firma-acordo-com-samarco-para-pagamento-de-r-1-bilhao.html
  52. Fontevecchia, Agustino (5 de fevereiro de 2013). «BP Fighting A Two Front War As Macondo Continues To Bite And Production Drops – Forbes». Forbes 
  53. «BP reaches $18.7 billion settlement over deadly 2010 spill». Reuters. 2 de julho de 2015 
  54. Acordo da Samarco com AGU e estados para reparo de estragos é acertado
  55. Dilma usa acordo com Samarco para cobrar consenso em solução para crise
  56. El País: Samarco cita risco de rompimento e diz que não é hora de pedir desculpas
  57. «Diretor-presidente da Samarco pede desculpas por tragédia em Mariana». www.otempo.com.br. Consultado em 4 de dezembro de 2015 
  58. Prefeitura organiza recebimento de donativos para vítimas. Prefeitura de Mariana. Acesso em 6 nov. 2015.
  59. Prefeitura de Mariana cancela eventos deste final de semana. Prefeitura de Mariana. Acesso em 6 nov. 2015.
  60. Governo garante apoio à cidade mineira de Mariana, inundada por lama após rompimento de barragens. Governo Federal. Acesso em 6 nov. 2015
  61. Governo oferece ajuda a Minas no socorro a vítimas de rompimento de barragem
  62. Nota da Arquidiocese de Mariana sobre a tragédia em Bento Rodrigues. Arquidiocese de Mariana. Acesso em 6 nov. 2015.
  63. Notas de solidariedade sobre a tragédia em Bento Rodrigues. Arquidiocese de Mariana. Acesso em 6 nov. 2015.
  64. Cruzeiro arrecadará doações para vítimas de tragédia em Mariana. O Tempo. Acesso: 6 nov. 2015.
  65. «Prefeito de Baixo Guandu ameaça bloquear estrada de ferro da Vale». G1. 12 de novembro de 2015. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  66. «Ferrovia da Vale é bloqueada em ato da prefeitura de Baixo Guandu». G1. 12 de novembro de 2015. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  67. a b Estadão Conteúdo (17 de março de 2016). «Prefeito de Mariana cobra doações de Eddie Vedder e artistas mineiros». Pearl Jam doa R$ 120 mil para vítimas da tragédia em Mariana. Estado de Minas. Consultado em 15 de setembro de 2016 
  68. Brant, Ana Clara (6 de fevereiro de 2016). «'Filomena' percorre trajeto da lama e grava documentário sobre efeitos da tragédia em Mariana». Estado de Minas. Consultado em 13 de fevereiro de 2016 
  69. Memórias Achadas na Lama
  70. Duas Diretoras e um Rastro de Lama
  71. França envia condolências ao Brasil por tragédia em Minas Gerais. Diário de Pernambuco. Acesso: 6 nov. 2015.
  72. «Roberto Waack presidirá fundação para reparar danos em Mariana (MG)». Valor Econômico 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]