Cleópatra Selene II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura por alguma outra mulher conhecida como Cleópatra Selene, veja Cleópatra Selene.


Cleópatra Selene II
Rainha consorte da Numídia
Rainha consorte da Mauritânia
Moeda do antigo Reino da Mauritânia. Juba II da Numídia no verso e Cleópatra Selene II no reverso.
Governo
Consorte Juba II
Dinastia Dinastia ptolemaica
Vida
Nascimento 25 de dezembro de 40 a.C.
Alexandria, Egito
Morte 6 (45 anos)
Cherchell, Mauritânia
Sepultamento Mausoléu Real da Mauritânia, Argélia
Filho(s) Ptolomeu da Mauritânia, Drusila da Mauritânia
Pai Marco António
Mãe Cleópatra VII

Cleópatra Selene II (em grego antigo: η Κλεοπάτρα Σελήνη; Alexandria, 25 de dezembro de 40 a.C.Cherchell, 6) foi filha da rainha Cleópatra VII do Egipto e do general Marco António.

Antepassados[editar | editar código-fonte]

Marco António e Cleópatra VII tiveram três filhos, Cleópatra Selene II, Alexandre Hélios e Ptolomeu Filadelfo.[1]

Marco Antônio era filho de Marco Antônio Crético e Júlia, sobrinha de Júlio César.[2]

Cleópatra VII era filha de Ptolemeu Auleta.[3] O nome de sua mãe é desconhecido, alguns historiadores supõem que Cleópatra Trifena, que governou o Egito junto com Berenice IV na ausência de Ptolemeu Auleta, e que é dada por Porfírio como filha de Auleta,[3] fosse, na realidade, a esposa de Auleta, o que é corroborado por inscrições no Egito.[4] Seguindo esta linha de raciocínio, Cleópatra VII seria filha de Cleópatra Trifena, e esta seria a filha de Ptolemeu Alexandre I e Cleópatra Berenice.[5]

Além dos irmãos, Cleópatra Selene teve vários meios-irmãos. Dentre os vários filhos de Marco Antônio, se destacam Antônia Maior, avó de Nero, e Antónia Menor, cunhada de Tibério, mãe de Cláudio, avó de Calígula e bisavó de Nero. Cleópatra VII teve um filho com Júlio César, Cesarião.

Curiosamente, tanto seu pai,[Nota 1] quando seu avô materno,[Nota 2] quanto seu marido,[Nota 3] eram descendentes de Héracles.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos 7 anos de idade foi nomeada rainha de Cirene por seu pai, durante as Doações de Alexandria. Foi educada em Roma por Octávia, após o suicídio dos seus pais. Foi casada com o rei e erudito Juba II de Mauritânia, também órfão da guerra. Reinaram em Cherchell na Argélia.

Após os suicídios de Cleópatra VII e de Marco António,[1][6] no 4o ano da 187a olimpíada,[6][Nota 4] a princesa Cleópatra Selene II e seus irmãos, Alexandre Hélios e Ptolomeu Filadelfo foram capturados por Otávio,[1][6][Nota 5] quando fugiam para Tebas.[6] Ele foram levados para Roma e expostos no cortejo triunfal.[1] Otávio designou a irmã dele próprio como tutora dos jovens órfãos e fez com que recebessem uma educação romana. Entre 26 e 20 a.C., Otávio preparou o casamento de Cleópatra Selene II com o rei africano Juba II, que também havia crescido em Roma.[7] Como presente a Cleópatra Selene II, Otávio ofereceu-lhe um grande dote e designou-a como a rainha de Numídia. Cleópatra Selene II tornou-se assim uma grande aliada de Roma.

Cleópatra Selene II e Juba II reinaram pouco tempo na Numídia, cujo povo rebelou-se contra os modos e costumes romanos impostos por Juba II. Retiraram-se para a Mauritânia, onde batizaram a capital de Cesareia (atual Cherchell, Argélia) em homenagem ao imperador Augusto. Cleópatra Selene teve grande influência na política do marido e juntos contribuíram para trazer prestígio para o reino através do comércio no Mediterrâneo.

Filhos e descendentes[editar | editar código-fonte]

Cleópatra e Juba tiveram um filho, Ptolomeu da Mauritânia [8] (nasceu em 19 a.C. e faleceu em 40 d.C. em Roma),[carece de fontes?] que foi assassinado a mando do imperador Calígula, seu primo [9]) e foi o último rei de Mauritânia, reinando de 23 a 40.

Eles também tiveram uma filha, de nome desconhecido;[10] alguns historiadores a chamam de Drusila, ou seu nome poderia ser Cleópatra.[11]

Árvore genealógica[editar | editar código-fonte]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Os Antonii, gens de Marco Antônio, são chamados de Heráclidas, pois seu ancestral, segundo a tradição da família, era Anton, filho de Hércules, conforme Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Marco Antônio, 4.1
  2. Porque Ptolemeu I Sóter poderia ser filho bastardo de Filipe II da Macedónia, e este era descendente de Héracles.
  3. Segundo Plutarco, para agradar Juba II, foi construída uma genealogia em que os reis da Numídia eram descendentes de Sufax, filho de Héracles e Tinjis.
  4. A 187a olimpíada ocorreu no ano 32 a.C., por esta conta, o quatro ano da olimpíada corresponderia a 29 a.C.
  5. Júlio Africano menciona apenas dois filhos, Hélio e Selene.

Referências

  1. a b c d Dião Cássio, História de Roma, Livro LI, 21.8
  2. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Marco Antônio, 15.3
  3. a b Eusébio de Cesareia, Crônica, 60, Sobre os que governaram o Egito e a cidade de Alexandria após Alexandre da Macedônia. Dos escritos de Porfírio
  4. E. R. Bevan, The House of Ptolemy, Chapter XII, Berenice III, Ptolemy X Alexander II, Ptolemy XI Auletes [em linha]
  5. Chris Bennett, Cleopatra V [em linha]
  6. a b c d Júlio Africano, Cronografia, Livro III, XVII, Sobre a fortuna de Hircano e Antígono, e sobre Herodes, Augusto, Antônio e Cleópatra, em resumo, 4 [em linha]
  7. Dião Cássio, História de Roma, Livro LI, 15.6
  8. Suetônio, A Vida dos Doze Césares, Vida de Calígula, 26.1
  9. Dião Cássio, História de Roma, Livro LIX, 25.1
  10. IG II2 3439 [em linha]
  11. Chris Bennett, Cleopatra Selene queen of Mauretania [em linha]
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.