Conquilha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaConquilha
Donax trunculus
Uma concha de D. trunculus com as valvas separadas; coletada no mar Negro.
Uma concha de D. trunculus com as valvas separadas; coletada no mar Negro.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Bivalvia
Subclasse: Autobranchia
Ordem: Cardiida
Superfamília: Tellinoidea
Família: Donacidae[1]
Género: Donax
Linnaeus, 1758[1]
Espécie: D. trunculus
Nome binomial
Donax trunculus
Linnaeus, 1758[1]
Distribuição geográfica
D. trunculus tem como habitat as águas da Europa e mar Mediterrâneo (imagem)[2] até Israel[3] e mar Vermelho.[4]
D. trunculus tem como habitat as águas da Europa e mar Mediterrâneo (imagem)[2] até Israel[3] e mar Vermelho.[4]
Sinónimos
Donax brevis Requien, 1848
Donax julianae Middendorf, 1849
Donax inaequalis G. B. Sowerby II, 1866
Donax bellardii Tapparone Canefri, 1869
Serrula adriatica Monterosato, 1884
Donax trunculatus Locard, 1886
(WoRMS)[1]

Donax trunculus (nomeada, em inglês, truncate donax[2][4]; em português - PRT - conquilha, cadelinha[5][6], condelipa ou condelipa-da-praia[5]; em galego - GZ - coquina, cadelucha ou navalhinha (navalliña); em castelhano - ESP - coquina; em catalão, tellerina)[7] é uma espécie de molusco Bivalvia, marinha e litorânea[2][4], da família Donacidae e gênero Donax, classificada por Lineu, em 1758, na obra Systema Naturae.[1] Habita as costas do leste do Atlântico, na Europa, até a Ásia Mediterrânea, mar Negro e mar Vermelho, enterrando-se na areia da zona entremarés das praias e distribuída preferencialmente em profundidades de 0 a 2 metros.[2][4][7] Também é avistada em ambiente estuarino.[4]

Descrição da concha[editar | editar código-fonte]

Donax trunculus possui concha sólida, lisa e alongada, mais truncada em seu extremo posterior, com 4 centímetros de comprimento, quando bem desenvolvida. Suas valvas são quase simétricas, amarelo-acinzentadas ou castanhas, com manchas lineares, em faixas radiais concêntricas e que partem do umbo em direção à periferia. Interior das valvas branco tingido de violeta.[6][8]

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Esta espécie está distribuída pelo Marrocos[9] e oeste da Europa, incluindo Portugal[2][6], mar do Norte[9], mar Mediterrâneo, mar Negro[2] e oeste da Ásia, em Israel[3] e no mar Vermelho.[4]

Uso humano[editar | editar código-fonte]

Em Portugal (Algarve), Donax trunculus constitui um recurso pesqueiro muito importante, devido ao seu alto valor econômico para a alimentação. Por esse motivo, esta espécie tem sido submetida a intensa exploração envolvendo dois tipos diferentes de artes de pesca: dragas manuais, utilizadas apenas em águas rasas, e dragas acionadas por barco, ambas utilizadas pela frota local.[10]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e «Donax trunculus Linnaeus, 1758» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 21 de março de 2021 
  2. a b c d e f ABBOTT, R. Tucker; DANCE, S. Peter (1982). Compendium of Seashells. A color Guide to More than 4.200 of the World's Marine Shells (em inglês). New York: E. P. Dutton. p. 345. 412 páginas. ISBN 0-525-93269-0 
  3. a b Neuberger-Cywiak, L.; Achituv, Y.; Mizrahi, L. (1989). «The ecology of Donax trunculus Linnaeus and Donax semistriatus Poli from the Mediterranean coast of Israel» (em inglês). Journal of Experimental Marine Biology and Ecology. Volume 134, Issue 3. (Elsevier). pp. 203–220. Consultado em 21 de março de 2021 
  4. a b c d e f «Donax trunculus Linnaeus, 1758 truncate donax» (em inglês). SeaLifeBase. 1 páginas. Consultado em 21 de março de 2021 
  5. a b da Silva, José Manuel Pedroso; Callapez, Pedro Miguel; Pimentel, Ricardo Jorge (2022). «Contribuição para um vocabulário vernáculo de nomes comuns e populares de moluscos portugueses: suas relações culturais, históricas e heráldicas» (PDF). Boletín de la Sociedad Española de Historia Natural, 116. p. 79-80. Consultado em 11 de outubro de 2022 
  6. a b c França, António. «Donax trunculus Linnaeus, 1758 Cadelinha ou conquilha». Naturdata - Biodiversidade em Portugal. 1 páginas. Consultado em 21 de março de 2021 
  7. a b LINDNER, Gert (1983). Moluscos y Caracoles de los Mares del Mundo (em espanhol). Barcelona, Espanha: Omega. p. 234. 256 páginas. ISBN 84-282-0308-3 
  8. «WEDGE CLAM» (em inglês). Conxemar. 1 páginas. Consultado em 21 de março de 2021 
  9. a b «Donax trunculus Linnaeus, 1758 distribution» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 21 de março de 2021 
  10. Gaspar, Miguel B.; Chícharo, Luís M.; Vasconcelos, Paulo; Garcia, Alexandra; Santos, Ana R.; Monteiro, Carlos C. (2002). «Depth segregation phenomenon in Donax trunculus (Bivalvia: Donacidae) populations of the Algarve coast (southern Portugal)» (em inglês). Scientia Marina. 66 (2). (ResearchGate). 1 páginas. Consultado em 21 de março de 2021