Crísipo de Solis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Crísipo de Solis
Nome nativo Χρύσιππος ὁ Σολεύς
Nascimento 281 a.C.
Solos
Morte 208 a.C. (73 anos)
Atenas
Cidadania Solos
Ocupação filósofo, escritor
Movimento estético estoicismo

Crísipo de Solis ou Solos (Solis, c. 280 a.C.Atenas, ca. 208 a.C.) foi um filósofo grego.

Crísipo foi um dos maiores expoentes do estoicismo e discípulo de Cleanto de Assos. Teve fama de sutil e apurado dialético. Não foi apenas um filósofo estoico como também partidário do estoicismo, atacando ardorosamente os inimigos da doutrina do Pórtico (o alvo preferido eram os filósofos acadêmicos).

Assumiu a direção da Estoa em 232 a.C., com a morte de Cleanto. Sua atividade como escolarca logo o fez alcançar uma reputação comparável com a de Zenão de Cítio, fundador do estoicismo.

Crísipo foi o responsável pela sistematização e divulgação das doutrinas da escola. Alguns afirmam que escreveu mais de setecentos livros. Deste total, sobreviveram só alguns fragmentos. Seu sistema era uma espécie de panteísmo naturalizado: a liberdade desaparece em um mundo onde predomina a lei da fatalidade. Sua moral é pura e elevada e a razão deve governar a vida, colocando o sábio acima das paixões. A felicidade reside na independência do sábio.

Foi analisado por Émile Bréhier em Chrysippe et l'ancien stoicisme (Paris, 1951).[1]

Crísipo foi divulgador da técnica estoica do "premeditatio malorum". Premeditação da adversidade.Ele recomendava imaginar que perdemos as coisas que valorizamos, para assim continuar a valorizá-las[2].

Referências