Crazy in Alabama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Crazy in Alabama
Loucos em Alabama[1] (PRT)
Loucos do Alabama[2] (BRA)
 Estados Unidos
1999 •  cor •  111 min 
Direção Antonio Banderas
Produção Debra Hill
Roteiro Mark Childress
Elenco Melanie Griffith
David Morse
Cathy Moriarty
Lucas Black
Meat Loaf Aday
John Beasley
Richard Schiff
Sandra Seacat
Rod Steiger
Gênero comédia dramática
Música Mark Snow
Cinematografia Julio Macat
Edição Robert C. Jones
Distribuição Columbia Pictures
Lançamento Itália 9 de setembro de 1999 (Festival Internacional de Cinema de Veneza)[3]
Estados Unidos 22 de outubro de 1999
Brasil 26 de novembro de 1999[4]
Idioma inglês
Orçamento US$ 15 milhões
Receita US$ 2,005,840

Crazy in Alabama (br: Loucos do Alabama / pt: Loucos em Alabama) é um filme de estrada estadunidense de comédia dramática de 1999 dirigido por Antonio Banderas em sua estreia como diretor, escrito por Mark Childress (baseado no seu próprio romance de 1993 com o mesmo nome), e estrelado por Melanie Griffith, David Morse, Lucas Black, Cathy Moriarty, Meat Loaf, John Beasley e Rod Steiger. Foi também a estreia como atriz de Dakota Johnson, filha de Melanie Griffith e Don Johnson e enteada de Antonio Banderas, ela e sua irmã Stella Banderas fazem as filhas da personagem de Griffith. O enredo segue uma dona de casa vítima de violência doméstica em 1965 no Alabama, que vai para a Califórnia para se tornar uma estrela de cinema e ganha um papel no seriado Bewitched, enquanto seu sobrinho tem que lidar com um assassinato racialmente motivado envolvendo um xerife corrupto.

Foi filmado principalmente em torno de Houma, Louisiana, com locais em Schriever, Chackbay e Nova Orleans, Louisiana, bem como Las Vegas, São Francisco e Los Angeles.[5]

O filme recebeu críticas mistas, apesar de pobres, dos críticos, obtendo 30% de aprovação no Rotten Tomatoes com base em 56 resenhas,[6] bem como uma pontuação de 46 de 100 no Metacritic com base em 27 resenhas.[7] Paula Nechak do Seattle Post-Intelligencer chamou o filme de "engraçado, excêntrico e comovente, combinando uma interpretação única da época com um senso de humor excêntrico".[8] Foi uma decepção financeira já que arrecadou apenas US$2 milhões em bilheteria enquanto seu orçamento era de US$15 milhões de dólares.[4]

Melanie Griffith recebeu uma indicação ao Framboesa de Ouro de Pior Atriz por sua atuação no filme, mas perdeu para Heather Donahue pelo The Blair Witch Project.[9] No entanto, sua performance neste filme e Another Day in Paradise lhe renderam o Prêmio Sant Jordi de Melhor Atriz Estrangeira. Lucas Black foi nomeado para o Young Artist Award de Melhor Performance em Longa-Metragem - Melhor Ator Jovem e YoungStar Award de Melhor Jovem Ator/Performance em um drama cinematográfico e foi nomeado para um Leão de Ouro.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Alabama, verão de 1965. Lucille (Melanie Griffith) é uma mulher que foi maltratada, humilhada e traída pelo marido. Ela sonha em ir para Los Angeles para tentar ser estrela da televisão, mas o marido a impede. Assim, toma uma medida drástica, o matando com veneno de rato e cortando-lhe a cabeça. Logo depois Peejoe (Lucas Black), seu jovem sobrinho, se envolve na luta dos direitos civis quando os negros são proibidos de usar uma piscina pública. Isto gerou um protesto, que resultou na morte de um garoto. Fugindo da polícia Lucille vai até Las Vegas, onde ganha 32 mil dólares usando outro nome e vai tentar em Hollywood transformar seu sonho em realidade.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Loucos em Alabama - SapoMag (Portugal)
  2. Loucos do Alabama (em português) no AdoroCinema (Brasil)
  3. "Loucos do Alabama" é ode à liberdade Folha de Londrina
  4. a b "Loucos do Alabama" põe Banderas na direção Folha de S.Paulo
  5. Primeira vez resulta em road movie irregular Folha de S.Paulo
  6. «Crazy in Alabama (1999)». Rotten Tomatoes. Consultado em 1 de dezembro de 2012 
  7. «Crazy in Alabama». Metacritic. Consultado em 1 de dezembro de 2012 
  8. Nechak, Paula. «Banderas' fresh take on Old South». Seattle Post-Intelligencer. Seattle, Washington: Eugene Register-Guard – via Google News 
  9. «1999 Razzie Nominees and "Winners"». Razzies.com. Consultado em 1 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 6 de dezembro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]