Discussão:Eduardo Paes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Untitled[editar código-fonte]

seria bom as pessoas se basearem em fatos ao escrever o que vierem a escrever.

Tudo isso é baseado em fatos, é só ver as referências. Assim como ocorre em toda a Wikipédia. Leandro Rocha (discussão) 19h34min de 14 de Outubro de 2008 (UTC)

http://oglobo.globo.com/pais/eleicoes2008/mat/2008/10/18/a_infancia_de_gabeira_paes_mineiro_estudioso_carioca_esportista-586009875.asp

Errata[editar código-fonte]

Removi o seguinte texto:

O Movimento Pró-Democracia não é CONTRA Eduardo Paes. Na verdade esse movimento surgiu por conta das inúmeras irregularidas cometidas por MUITOS candidatos envolvidos nessa eleição. O que o movimento pede é transparência no julgamento dos possíveis crimes eleitorais cometidos, especialmente no segundo turno pelos candidatos.
 

O motivo é que esse texto me pareceu tendencioso uma vez que o usuário acima já colocou trechos parciais no artigo do Movimento Pró-Democracia e vai contra as fontes já colocadas no artigo do Eduardo.

Se há fontes que afirmam que o MPD surgiu como protesto a irregularidades na campanha do peemedebista, não há que se falar que foram contra MUITOS candidatos, a menos que haja fontes.

O que se sabe a respeito é que sim, houve protestos contra outros candidatos sim, mas a vitória de Eduardo Paes, após poluir a cidade com cartazes apócrifos atacando o opositor, foram a gota d'água que motivou a criação do movimento. Ainda que o MPD não seja contra o Eduardo Paes, o texto acima me parece uma ênfase exagerada em desdizer algo que nem foi dito. Leandro Rocha (discussão) 13h16min de 23 de Dezembro de 2008 (UTC)

Iniciando expansão[editar código-fonte]

Qualquer discordância, favor postar aqui.

obrigado

Malves12 (discussão) 23h41min de 22 de novembro de 2009 (UTC)


1 - Adicionei a informaçao contida no site do jornalista Sidney Rzende "Na época, trabalhou em prol da disciplina na ocupação do solo urbano." sobre a bandeira de Eduardo PAes no período de 1993-1996 http://www.sidneyrezende.com/noticia/16096+eduardo+paes+%28pmdb%29

2 - adionada informaçao de que PAes foi presidente de comissao de orçamento da câmara. Info referenciada igualmente no site de sidney rezende;

3 - adicionada informaçao sobre atuaçao como secretario de meio ambiente:

Como secretário, deu continuidade ao Programa Mutirão Reflorestamento, que plantou mais de 1 milhão de mudas de árvores em áreas degradadas da cidade (http://www.palaciodacidade.rio.rj.gov.br/site/conteudo/prefeito.asp)


4 - adicionados quantitativos de votos de Paes em cada mandato;

5 - Adicionados projetos de lei do candidato como deputado

6 - Adicionada informaçao sobre ataques mútuos durante a campanha e que podem ser constatados no link de referência ou consultando o google.

7 - Esclareciemnto sobre MPD, com base em link do Estadão, onde é possível ler que tal movimento apoiava o candidato derrotado. Aliás, a referência ao movimento nem deveria estar presente, já que nada tema ver com a biografia do politico em questão. Parece que tenta aparecer forçadamente.

8 - Removida por ausência de fonte a seguinte passagem:

"Com uma campanha financeiramente privilegiada em comparação com os demais candidatos, experimentou rápido crescimento nas pesquisas, passando rapidamente a primeira colocação nas pesquisas, pouco tempos depois de sua candidatura ser confirmada. Já consolidade na liderança das pesquisas, chegou a ser duramente atacado por alguns adversários, como Jandira Feghali, que ironizou em seu programa de TV o extenso número de partidos ao o peemedebista já foi filiado. Jandira também chegou a exibir trechos de Eduardo Paes atacando o presidente Lula, como forma de desmentir a tese de que sua candidatura representaria a união entre as três esferas de governo."

"Porém, essa mesma Jandira hoje faz parte do governo de Paes, assumindo a Secretaria de Cultura, mostrando como são volúveis as relações política de hoje."comentário não assinado de Malves12 (discussão • contrib) (data/hora não informada)

Transcarioca no Bairro de Ramos[editar código-fonte]

Quis registrar algumas "entregas" do governo Eduardo Paes, todos em veiculos oficiais, e deletaram dizendo que eram parciais. O que posso fazer se isto tudo realmente aconteceu como resultado da gestão Paes e ainda não foi resolvido? Não cabe colocar? São fatos relevantes, não?

Passarelas e praças destruidas: http://videos.r7.com/moradores-reclamam-de-obras-inacabadas-em-passarelas-no-rio/idmedia/55f9bebc0cf207122e7379b3.html

Erros de projeto em Ramos: http://odia.ig.com.br/noticia/observatorio/2015-08-23/itdp-recomenda-correcoes-nos-caminhos-dos-novos-brts.html Documento fonte da reportagem: http://itdpbrasil.org.br/relatorio-ruas-completas-ao-longo-do-transcarioca-oficina-de-desenho-e-seguranca-viaria/

Obras inacabadas em via pública: http://oglobo.globo.com/eu-reporter/buraco-ao-lado-de-viaduto-do-brt-transcarioca-em-ramos-cercado-mas-nao-tem-dono-14244110

Destruição de áreas de esportes e praças. http://extra.globo.com/noticias/rio/moradores-de-ramos-na-zona-norte-do-rio-ficam-sem-area-de-lazer-apos-obras-do-brt-15961591.html

Destruição de áreas de esportes e praças. http://oglobo.globo.com/rio/bairros/com-pracas-inutilizadas-moradores-de-ramos-ficam-sem-opcoes-de-lazer-18084781

Destruição de áreas de esportes e praças. http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/01/imagens-mostram-criancas-brincando-no-meio-da-pista-do-brt-no-rio.html

Polêmica com músico no restaurante[editar código-fonte]

Por que motivo o conteúdo sobre a agressão contra o músico no restaurante foi retirado do artigo? Diga Sério Comendador (discussão) 18h37min de 22 de junho de 2013 (UTC)

Eu retornei com o texto e avisei ao responsável pela reversão. Esperemos que ele se manifeste. Vinicius Siqueira MSG 22h28min de 22 de junho de 2013 (UTC)
Depois de quase dois anos, vi esta seção. Na época, respondi em minha página de discussão. Adorei a falta de educação mensagem. Érico Wouters (msg) 18h47min de 5 de abril de 2015 (UTC)

Sobre as remoções[editar código-fonte]

O Rauzaruku removeu grande quantidade de texto[1] e justificou pra mim[2].

Minha opinião: o usuário está equivocado quando diz que as fontes são blogs. Não são:

O governo de Eduardo Paes como prefeito da cidade do Rio de Janeiro é muito criticado por trazer políticas que excluem a população de menor renda, tornando a cidade menos democrática e trazendo vantagens sim para empresários e as elites que podem pagar por uma cidade cada vez mais cara Esse trecho é referenciado por essas fontes Jornal O Casarão Agência Brasil www.proprietariosdobrasil.org.br

Pelo o menos a segunda fonte é de fiabilidade incontestável.

O programa Choque de Ordem é criticado por impedir a atuação de artistas de rua e vendedores autônomos ambulantes, executar o recolhimento obrigatório ilegal de moradores de rua.

UOL Cp2.g12 Aqui sim um blog, mesmo assim um blog de um prestigiado colégio, uma instituição idônea, portanto. Ainda que o texto possa estar parcial, é uma questão de contextualizar, atribuir a opinião a quem de fato a proferiu. No entanto, dizer que professores do CP2 criticaram o prefeito não é embasar a crítica na opinião de qualquer um.

A licitação de linhas de ônibus no Rio de Janeiro realizada em 2010 foi questionada pelo Tribunal de Contas do Município, com acusação de formação de cartel e investigada até 2013, levando também à abertura da CPI dos ônibus. O Globo Uol blogpontodeonibus.wordpress.com Ok, aqui sim um blog.

Outra questão polêmica do governo são as remoções forçadas.apublica.org

Desde o início do governo Paes 19 mil famílias foram removidas de suas moradias segundo os dados da prefeitura. A anistia internacional registrou diversos problemas nesse processo de remoções, tais como falta de acesso à informação e diálogo com as comunidades, prazo de notificação insuficiente, reassentamento em área distante e/ou local inadequado e indenizações financeiras muito baixas, além de pessoas que não receberam nada, demolições à noite. Anistia.org.br

As duas últimas fontes são as únicas questionáveis, mesmo assim a fonte da apublica.org é um trabalho acadêmico, ou seja, me parece válida, e a Anistia.org é outra instituição com credibilidade. Peço ao Rauzaruku que recoloque o texto estável e aguarde o debate para aí sim modificar. Yuiopa (discussão) 18h34min de 21 de outubro de 2013 (UTC)

Blog não serve como fonte fiável, porque qualquer doente extremista pode criar um blog e expressar sua raiva do mundo, ali. A Wikipédia não aceita blog como fonte, leia as regras. A Anistia Internacional está mentindo ao reclamar de remoções forçadas, como já expliquei na sua página de discussão: na página do facebook deles tem 50 posts sobre "remoções forçadas no Recreio" quando ali o prefeito removeu gente que construiu em terreno PÚBLICO (ou seja, sem direito à usucapião/posse por quem quer que seja). Se você quer inserir "críticas", as insira num contexto IMPARCIAL, sem ESPECULAÇÕES, e sem tentar atacar o biografado através da Wikipédia. As críticas aqui devem ser colocadas no sentido de relatar FATOS COMPROVADOS (não especulações, achâncias ou mentiras) e não de DIRECIONAR o leitor a odiar alguém. O ideal nem é criar uma seção "críticas" e, sim, colocar o que aconteceu na vida do biografado em ordem temporal. Rauzaruku (discussão) 18h38min de 21 de outubro de 2013 (UTC)
Esse texto aqui: "O governo de Eduardo Paes como prefeito da cidade do Rio de Janeiro é muito criticado por trazer políticas que excluem a população de menor renda, tornando a cidade menos democrática e trazendo vantagens sim para empresários e as elites que podem pagar por uma cidade cada vez mais cara" é totalmente parcial e puro achismo. Não tem como esse texto ser aceito aqui. A pessoa está expressando um pensamento extremista radical dela, e não os fatos. Blog serve pra você ir lá e despejar o que você "acha" do mundo, aqui não se aceita opinião pessoal, só fatos, conforme as regras. Eu não sou contra você colocar fatos "negativos" no artigo, você é que tem que entender que não é assim que se faz. Rauzaruku (discussão) 18h46min de 21 de outubro de 2013 (UTC)
Segundo este princípio, os artigos da Wikipédia devem ser imparciais, ou seja, devem ser escritos em uma forma com a qual ambos (ou todos) os lados envolvidos possam concordar com ele. Por exemplo, ao lidar com temas religiosos, o artigo deve estar escrito de forma a que seguidores da religião em questão, seguidores de outras religiões, ateus e agnósticos possam aceitá-lo.
Ou seja, a opinião dos críticos do prefeito deve ser considerada e qualificada ("de acordo com a Anistia Internacional..."). Se for mentira, você pode dizer "porém, de acordo com X o fato foi desmentido". A não ser que seja a opinião de alguém absolutamente irrelevante, o que não é o caso da Anistia Internacional. E mais, se você considera que ela está mentindo, deve apontar uma fonte que afirme categoricamente isso, e até agora quem disse que "o prefeito removeu gente que construiu em terreno PÚBLICO (ou seja, sem direito à usucapião/posse por quem quer que seja)" é você (sem citar uma fonte que comprove esta afirmação).
Quanto a blogs, não há regra que proíba, o que são proibidas são fontes publicadas pelo próprio e fontes duvidosas. Não se fala em blog. Blogs de zés ninguéns são proibidos, mas blogs de autoridades políticas são relevantes para artigos políticos, blogs de autoridades científicas são válidos para artigos de ciências, e blogs de autoridades na área do entretenimento são desejáveis em artigos sobre entretenimento.
Quanto ao trecho "O governo de Eduardo Paes como prefeito da cidade do Rio de Janeiro é muito criticado por trazer políticas que excluem a população de menor renda, tornando a cidade menos democrática e trazendo vantagens sim para empresários e as elites que podem pagar por uma cidade cada vez mais cara" concordo em parte. Como disse, ele falha por não atribuir a quem disse tais afirmações. O correto seria "O Comitê Popular da Copa e Olimpíadas e o Movimento Nacional pela Moradia Popular criticam a gestão de Eduardo Paes na cidade do Rio de Janeiro por supostamente trazer políticas que excluem a população de menor renda, tornando a cidade menos democrática e trazendo vantagens para empresários e as elites que podem pagar por uma cidade cada vez mais cara ser um dos prefeitos que mais removeram favelas na história do Rio de Janeiro. Ainda de acordo com estes grupos, de 2009 a agosto de 2013, muitas famílias tiveram suas casas desapropriadas em troca de indenizações irrisórias ou com mudança de endereço para regiões a dezenas de quilômetros de distância do antigo local de moradia." Yuiopa (discussão) 19h13min de 21 de outubro de 2013 (UTC)
Blog não é aceito, e pior ainda usar o blog da Anistia Internacional pra justificar a própria TEORIA deles (TEORIA, não FATO), de que é permitido a qualquer pobre fazer o que quiser, inclusive construir em terreno público (beira de avenida, dentro do Maracanã, na praia, no meio da rua, na calçada na frente da tua casa) e se alguém tentar remover é "remoção forçada". Você tente colocar isso, que eu vou retirar, e eu não preciso colocar a fonte disso, porque a fonte é a Lei Brasileira, que você desconhece. Se eles defendem isso, a credibilidade deles é zero. Ah, outra coisa: recusa em entender a questão dá direito a eu pedir seu bloqueio (é outra regra daqui). Rauzaruku (discussão) 19h17min de 21 de outubro de 2013 (UTC)
Como já foi dito acima, não existe regra que proíbe blogs, se você conhece alguma, cabe a você o ônus de provar. O Anistia.org.br link da Anistia não é blog, é a opinião de uma organização internacional que critica o prefeito, e deve ser considerada, tal como se fosse a Cruz Vermelha, ONU ou OTAN. Você é que está tentando impor o seu ponto de vista quando diz "de que é permitido a qualquer pobre fazer o que quiser, inclusive construir em terreno público (beira de avenida, dentro do Maracanã, na praia, no meio da rua, na calçada na frente da tua casa) e se alguém tentar remover é "remoção forçada"." Nós editores não temos o direito de julgar se as remoções numa situação X podem ser equiparadas a outras numa situação Y. Isso quem deve dizer são as fontes, e se as fontes divergem, deve-se mostrar os lados envolvidos. Inclusive a opinião de partidos políticos de oposição ao político, contra-argumentada pela opinião de partidários dele próprio, pode ser desenvolvida no artigo.
Você também deve ter em mente que quando um artigo está sob disputa, cabe a quem quer alterar deixar a versão estável até que se encontre o consenso, e é considerado estável qualquer texto que ficou entre duas semanas e um mês, pelo o menos, de acordo com WP:Status quo. Yuiopa (discussão) 19h27min de 21 de outubro de 2013 (UTC)
Bem dito: é a "opinião" de um monte de radicais extremistas que desconsidera a Lei Brasileira, para criar e propagar teorias loucas (todas as remoções são forçadas, se tentar remover alguém de terreno público é remoção forçada, buá buá, tudo é remoção forçada, meu Facebook tem todos os posts forçando a barra sobre remoção forçada, eu nem estou tentando conseguir arregimentar gente fazendo essa propaganda tão forçada), portanto, uma fonte completamente não-fiável. A versão estável é a anterior à edição dos IPs (que provavelmente são suas). E eu não sei se você entendeu, mas não, aqui não é permitido colocar nem desenvolver OPINIÕES muito menos TEORIAS. Rauzaruku (discussão) 19h31min de 21 de outubro de 2013 (UTC)
É a sua opinião que as opiniões contrárias são de radicais extremistas, e o seu facebook, esse sim, não é fonte fiável. Entre o site de uma instituição respeitável como a Anistia Internacional, e o seu facebook, qual acha que prevalece? Ah, não sou o IP que acrescentou. Percebi agora que a versão estável é a sua, o que é suficiente para que eu não o reverta mais por enquanto. Porém, não se pode abusar do status quo eternamente nem impedir que críticas sejam inseridas, quando amparadas por fontes fiáveis. Assim, proponho um texto neutro.

==Críticas==

O Comitê Popular da Copa e Olimpíadas e o Movimento Nacional pela Moradia Popular criticam a gestão de Eduardo Paes na cidade do Rio de Janeiro por este supostamente ser, de acordo com estes grupos, um dos prefeitos que mais removeram favelas na história do Rio de Janeiro. Ainda de acordo com estes críticos, de 2009 a agosto de 2013, muitas famílias tiveram suas casas desapropriadas em troca de indenizações irrisórias ou com mudança de endereço para regiões a dezenas de quilômetros de distância do antigo local de moradia."<ref>[http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-08-18/termina-vigilia-em-frente-residencia-do-prefeito-eduardo-paes] Termina vigília em frente à residência do prefeito Eduardo Paes</ref> Ainda por causa das remoções, o [[Ministério Público]] chegou a pedir a cassação do prefeito.<ref name="uol">[http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2013/04/11/mp-pede-cassacao-do-prefeito-eduardo-paes-por-remocoes-compulsorias.htm]MP pede cassação do prefeito Eduardo Paes por remoções compulsórias</ref><ref>[http://www.apublica.org/wp-content/uploads/2012/01/DossieViolacoesCopa.pdf] Megaeventos e Violações de Direitos Humanos no Brasil</ref>

O programa Choque de Ordem é criticado por supostamente impedir a atuação de artistas de rua e vendedores autônomos ambulantes, além de executar o recolhimento de moradores de rua, considerado por seus críticos como ilegal<ref name="uol">[http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2013/04/11/mp-pede-cassacao-do-prefeito-eduardo-paes-por-remocoes-compulsorias.htm]MP pede cassação do prefeito Eduardo Paes por remoções compulsórias</ref>

A [[licitação de linhas de ônibus no Rio de Janeiro]] realizada em 2010 foi questionada pelo [[Tribunal de Contas do Município]], com acusação de formação de cartel e investigada até 2013, levando também à abertura da CPI dos Ônibus. <ref>[http://oglobo.globo.com/rio/tcm-questiona-licitacao-dos-onibus-do-rio-5463290] TCM questiona a licitação dos ônibus do Rio </ref><ref>[http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/07/19/tribunal-de-contas-do-municipio-investigara-empresas-de-onibus-no-rio.htm]</ref>

De acordo com a [[Anistia Internacional]], desde o início do governo Paes 19 mil famílias foram removidas de suas moradias. A entidade acusa a prefeitura de faltar com o acesso à informação e não estabelecer diálogo com as comunidades, além da existência de um prazo de notificação insuficiente, reassentamento em áreas distantes e/ou locais inadequado, ou indenizações financeiras muito baixas, ou mesmo ausência de indenizações. Há ainda a crítica a supostas demolições noturnas. <ref>[http://anistia.org.br/direitos-humanos/blog/basta-de-remo%C3%A7%C3%B5es-for%C3%A7adas-2013-09-18] Basta de Remoções Forçadas!</ref> Yuiopa (discussão) 19h46min de 21 de outubro de 2013 (UTC)

Veja se você entende o absurdo do seu pedido: não existe como criticar um prefeito por ele cumprir a lei do Brasil, isso é coisa de maluco. Vendedor ambulante, por exemplo, não tem direito a vender na rua porque não paga impostos, e não se pode ocupar via pública, fora que a mercadoria é contrabando, pirataria ou falsificação, na maioria das vezes. Se alguém realiza críticas bizarras como essa, é porque é agitador político querendo atenção e voto, e não um crítico sério. Rauzaruku (discussão) 19h53min de 21 de outubro de 2013 (UTC)
Opinião sua, baseada em uma visão de mundo ideologicamente direitista. Segundo a esquerda, vendedores ambulantes tem direito a vender na rua, e por isso eles tem sim o direito de criticar. Ainda que você não concorde com isso, não pode impedir a Wikipédia (que é imparcial, logo, não tem posição política) de afirmar que a Anistia Internacional critica por esse motivo. Você está partindo de um viés ideológico seu para qualificar as críticas contrárias como absurdas a ponto de nem mesmo poderem ser qualificadas, e isso está errado, viola o princípio da imparcialidade. Além do mais você foi bem infantil agora ao pedir meu bloqueio por eu ter desfeito apenas uma vez, e com modificações, uma edição que você não justificou direito no sumário. Estive todo o tempo aberto a debater aqui com você. Yuiopa (discussão) 20h01min de 21 de outubro de 2013 (UTC)
Bom, cara, agora você provou que você não tem condição de editar aqui, porque está achando que a Lei pode ser relativizada se você é de esquerda ou direita. A Lei não vale "mais" ou "menos". Isso não é papo de gente normal. Pra poder inserir críticas em uma biografia de político, precisa ter um conhecimento consideravelmente amplo e, o mais importante, discernimento da realidade, coisa que você já provou que não tem. Tem outra regra aqui, que diz que a Wikipédia não é palco pra você exercer experiências políticas inovadoras.... como esse tipo de Direito Anárquico exposto acima...Rauzaruku (discussão) 20h04min de 21 de outubro de 2013 (UTC)
Sou o usuário que inseriu a seção críticas. A minha intenção era adicionar perspectiva ao artigo, no qual só pareciam constar as realizações positivas de um político, à exceção de uma polêmica trivial. Todos os pontos discutidos são, de fato, algumas das principais críticas em pauta no questionamento político à gestão de Paes na prefeitura do Rio e eu busquei extensivamente referenciá-las. Uma ou outra referência pode, sem dúvida, ser melhorada. E eu havia cometido o erro de deixar um parágrafo inteiro sem referências, assumindo serem no momento atual, imediatamente após os eventos relatados, de senso comum. Mas retifiquei essa deficiência já. Não aceito que a credibilidade das alterações como um todo seja questionada, pois fiz esforço legítimo e sincero em escrever um texto acurado e bem embasado. Proponho a busca de revisão de referências específicas, principalmente no primeiro parágrafo. Sobre o questionamento da Anistia Internacional, uma das mais renomadas instituições atuando na garantia de direitos humanos no mundo, como fonte e a afirmação de que a) a venda informal de quaisquer produtos é ilegal e deve ser objeto de ação repressiva e de que b) a remoção de uma construção em propriedade qualquer pode ser executada sem a devida reintegração de posse e garantia de direitos básicos aos residentes, considero opiniões de extremismo ideológico que não devem ser levadas em consideração para pautar o conteúdo de um artigo enciclopédico. Assim sendo, aguardo que a discussão seja levada com serenidade de modo a permitir a reinclusão do conteúdo removido, condicionada às modificações que forem sugeridas, desde que fundamentadas em argumentos razoáveis e imparciais. --Japaa (discussão) 03h28min de 22 de outubro de 2013 (UTC)
Sinto te informar que uma autoridade legalmente constituída não realiza atos X ou Y porque é de esquerda ou direita, mas realiza porque está em consonância com a Lei. Se eles tentam fazer o que dá na telha sem seguir a lei, logo o ato é revertido. E a Lei é criada por mais de 500 deputados de tudo que é "tendência ideológica", conversando e discutindo, visando a chegar a um ponto NEUTRO onde TODOS possam concordar, já que EXTREMISMO IDEOLÓGICO numa LEI obviamente não funciona. E sem contar a contribuição do Judiciário, que é composto majoritariamente pela nata intelectual da sociedade, que obviamente não é extremista - se fosse, não seria a nata intelectual. Por isso é que existe, por exemplo, a figura jurírica do Direito Coletivo, que sobrepuja o Direito Individual - o que permite as tais "remoções forçadas" mesmo se o sujeito tem moradia legalizada (imagine, então, quem constrói em terreno público, que não é passível de posse), já que, quanto o poder Público faz uma obra que vai beneficiar milhões de pessoas, o direito de UMA pessoa que se recusa a ser desapropriada (quase sempre com ajuda dos extremistas ideológicos por trás) vale MENOS que o de milhões de pessoas. Se você tiver cérebro, vai entender que o extremista ideológico é aquele que se recusa a seguir a Lei decidida pela maioria ordeira e pacífica, e quer impor uma opinião/relidade que não é aceita pela maioria. Logo, qualquer pessoa que tenta inserir na Wikipédia, críticas que não tem sequer BASE LEGAL, está meramente querendo impor, propagandear ou divulgar uma OPINIÃO NÃO-ACEITA (quase sempre algum CRIME definido por lei), TOTALMENTE MINORITÁRIA, À FORÇA, o que não é permitido por aqui. Aqui não é blog pra você tentar ensinar anarquismo, extremismo ou qualquer ideologia de maluco, como as de partidos como PSTU, PCO, PSOL ou mesmo a Anistia Internacional, todos cheios de pessoas que só sabem reclamar de forma extremista e debilóide, sem sequer conseguir apontar as bases legais das reclamações deles (e eu tenho pena de países onde extremistas doentes conseguem tomar conta, porque esses países perdem a noção da realidade e qualquer moral ou razão perante o mundo que tenta evoluir e ser pacífico...). É muito fácil ser um boçal que reclama de tudo de qualquer jeito, difícil é ser honesto, tentar aprender porque as coisas acontecem e o jeito certo de resolver os problemas. Passe bem. Rauzaruku (discussão) 01h14min de 23 de outubro de 2013 (UTC)
Se vamos por argumentos legalistas, eu poderia dizer que a Constituição garante o direito à moradia, e a constituição vale mais do que a lei. O governante pode, assim, ceder terras públicas para que pessoas morem nela, e pode até vendê-las, transferindo-lhes a propriedade. No entanto, não há nenhuma fonte que indique que as remoções ocorreram porque as terras fossem públicas, muito pelo contrário, a grande maioria eram terras particulares, portanto, passíveis de usucapião. É claro que o governante pode não seguir uma política social, e desalojar pessoas, mas também pode ser criticado por esse motivo. O simples fato de você dizer Citação: Rauzaruku escreveu: «ideologia de maluco, como as de partidos como PSTU, PCO, PSOL ou mesmo a Anistia Internacional» já me tira qualquer vontade de levar adiante essa tentativa de consenso, visto ser impossível consenso com quem não sabe aceitar o pensamento de quem pensa diferente e acha que a Wikipédia é lugar para pensamento único. Yuiopa (discussão) 03h13min de 24 de outubro de 2013 (UTC)

Parcial[editar código-fonte]

A manifestação do dia 15 de outubro culminou com a remoção da ocupação política Ocupa Câmara Rio e a prisão arbitrária de 64 manifestantes maiores de idade e 20 menores65 66 , incluindo um professor e pesquisador da FioCruz e dois alunos do Curso de Comunicação e um do Curso de Pedagogia da UFRJ, cujas instituições prontamente emitiram notas de repúdio às prisões, consideradas arbitrárias por estas também. 67 68 69

Esse trecho é só um exemplo de que as últimas alterações foram totalmente parciais. O autor escolheu fontes que são contrárias ao prefeito para qualificar prisões de arbitrárias e dizer que o ele não negociou. O que eu até concordo, mas existem muitas fontes que dizem o contrário. A Wikipédia não pode tomar partido. Yuiopa (discussão) 23h11min de 8 de novembro de 2013 (UTC)

No dia 31 de dezembro, a seção inteira de críticas do artigo foi removida. Não houve nem menção na página de discussões nem no histórico de edições disso. Como a quantidade de conteúdo da página aumentou, a remoção era fácil de passar despercebida. Esse tipo de remoção é arbitrária, parcial, idiossincrática. A seção acaba de ser recolocada. --Japaa (discussão) 13h27min de 16 de fevereiro de 2014 (UTC)

Oficina de checagem[editar código-fonte]

Olá pessoal, estamos realizando uma oficina de checagem em parceria entre o grupo Wiki Eduação Brasil e a Agencia Lupa no Festival piauí GloboNews de Jornalismo em São Paulo. O trabalho está sendo publicado aqui e pode ser acompanhado através do post da Agencia Lupa sobre as checagens de informações sobre Haddad e Eduardo Paes - Atualizações em tempo real no post até 09/10 as 18:00. Rodrigo Padula (discussão) 19h44min de 8 de outubro de 2016 (UTC)