Don't Starve

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Don't Starve
Desenvolvedora(s) Klei Entertainment
Publicadora(s) Klei Entertainment
Compositor(es) Vince de Vera
Jason Garner
Plataforma(s) Microsoft Windows
OS X
Linux
PlayStation 3
PlayStation 4
Xbox One
Wii U
PlayStation Vita
iOS
Android
Data(s) de lançamento 23 de abril de 2013
Gênero(s) Ação-aventura
Sobrevivência
Modos de jogo Um jogador
Multijogador

Don't Starve é um jogo eletrônico de ação-aventura com elementos de sobrevivência e roguelike desenvolvido e publicado pela Klei Entertainment. O jogo foi inicialmente lançado através do software Steam da Valve Corporation para Microsoft Windows, Linux e OS X no dia 23 de abril de 2013.[1] No ano seguinte, o jogo foi portado para o PlayStation 4 com o nome de Don't Starve: Giant Edition. Posteriormente, essa versão seria ainda adaptada para o PlayStation Vita e PlayStation 3, em setembro de 2014 e junho de 2015, respectivamente; além de uma versão para Wii U em março e para Xbox One em agosto do mesmo ano. Já a versão para iOS, renomeada Don't Starve: Pocket Edition, foi lançada em 9 de julho de 2015. Por fim, um conteúdo adicional para download, intitulado Reign of Giants, foi lançado em abril de 2014 e a expansão multijogador, chamada Don't Starve Together, foi lançada gratuitamente para todos os jogadores em 3 de junho de 2015.[2]

O jogo conta a história de um cientista chamado Wilson, que se vê num mundo escuro e sombrio e precisa sobreviver o máximo que conseguir. Para isso, o jogador deve manter Wilson saudável, bem alimentado e mentalmente estável, evitando os inimigos sobrenaturais e surreais que tentam atacá-lo e devorá-lo. O modo "Aventura" acrescenta uma certa profundidade ao enredo, antagonizando Wilson contra um vilão chamado Maxwell.

Don't Starve foi o primeiro jogo da Klei do gênero sobrevivência. Concebido durante o ápice da moda na industria de jogos que deixavam os jogadores num mundo aberto sem instruções, o jogo foi influenciado por Minecraft, que iniciou a popularização desse conceito, e também pelo cineasta Tim Burton. A crítica especializada recebeu bem o jogo, elogiando seu estilo de arte original, sua música e sua variabilidade de mortes do jogador, sendo que os principais defeitos apontados resumiram-se na dificuldade do jogo e a implementação de morte permanente.

Recepção[editar | editar código-fonte]

De acordo com o website agregador de críticias Metacritic, o jogo recebeu avaliações "geralmente favoráveis", obtendo a nota média 79/100 (para a versão de PC) e 78/100 (para PS4).[3] O jogo vendeu um milhão de cópias até o fim de 2013.[4]

O pesquisador brasileiro Anderson Nowogrodzki avaliou o jogo no contexto do movimento ambientalista e sua analise ecológica, elogiando o jogo por sua capacidade de incorporar "a harmonização como princípio para a sobrevivência, sendo a boa relação com a natureza a melhor saída para a manutenção da vida." [5]

Referências

  1. «Don't Starve on Steam». store.steampowered.com (em inglês). Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  2. Phil Savage (4 de junho de 2015). «Don't Starve Together now free for existing Don't Starve owners». PC Gamer. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  3. «Don't Starve Critic Reviews for PC». Metacritic. Consultado em 4 de junho de 2013 
  4. Alex Wawro (21 de janeiro de 2014). «Klei sold more than a million copies of Don't Starve in 2013». Gamasutra. Consultado em 22 de janeiro de 2014 
  5. da Silva, Anderson Nowogrodzki (2016). «A visão ecológica de mundo aplicada ao jogo eletrônico Don't starve together» (PDF). UNB. ECO-REBEL - Revista brasileira de ecologia e linguagem. 2 (2): 92-102. ISSN 2447-7052. Consultado em 15 de dezembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]