Dráusio Marcondes de Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dráusio de Souza
Nome completo Dráusio Marcondes de Sousa
Nascimento 22 de setembro de 1917
São Paulo,São Paulo, Brasil
Morte 23 de maio de 1932 (14 anos)
São Paulo, São Paulo, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Ottilia Moreira da Costa Marcondes
Pai: Manuel Octaviano Marcondes de Souza
Ocupação Estudante

Dráusio Marcondes de Sousa (São Paulo, 22 de setembro de 1917São Paulo, 28 de maio de 1932) foi um estudante, auxiliar farmacêutico e mártir da Revolução Constitucionalista de 1932.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Dráusio Marcondes de Souza nasceu na rua Bresser, na cidade de São Paulo, no dia 22 de setembro de 1917, filho do farmacêutico Manuel Octaviano Marcondes de Souza e de Ottilia Moreira da Costa Marcondes. Tinha os irmãos: Yvonne, Carlos Joffre, Danilo e Darclé Marcondes de Souza. Na época, o jovem Dráusio auxiliava o seu pai na farmácia da família.[1]

Cartão-postal em homenagem ao MMDC

Com apenas 14 anos de idade, participou da manifestação ocorrida no dia 23 de maio de 1932 na frente da sede do Partido Popular Paulista, na rua Barão Itapetininga, Praça da República, na capital paulista. Naquela ocasião foi, junto com outros estudantes, alvejado a tiros pela fuzilaria de tropas federais comandadas por Getúlio Vargas, disparados de dentro daquele prédio. Foi socorrido a tempo e passou por cirurgia, porém, acabou falecendo no dia 28 de maio por conta de infecção em seus ferimentos.[1]

Em seu leito de morte, Dráusio teria pronunciado as seguintes palavras: "Eu estava destinado para este sacrifício. Se mil vidas tivesse, todas elas daria pela nobre causa da libertação da terra que me viu nascer." Seu corpo foi sepultado no jazigo da família, no Cemitério da Consolação onde permaneceu até 2 de julho de 1937, quando foi levado para o Cemitério São Paulo e, posteriormente, seus restos mortais foram trasladados para o Monumento e Mausoléu ao Soldado Constitucionalista de 1932.[1]

A morte de Dráusio, além de outros três estudantes alvejados naquela manifestação, motivou a criação de um movimento clandestino que passou a conspirar contra o governo provisório de Getúlio Vargas, denominado pela sigla M.M.D.C.: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, que se tornaram mártires e símbolo da Revolução Constitucionalista de 1932, deflagrada em 9 de julho. Essa organização teve papel fundamental na articulação e coordenação daquele evento histórico.[1]

Em 2004, foi acrescido ao MMDC a letra "A", em homenagem a Orlando de Oliveira Alvarenga que, também ferido naquele episódio, veio a falecer após mais de 2 meses internado.[2][3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Montenegro, Benedicto (1936). Cruzes paulistas. São Paulo: Civilização brasileira. pp. 189–189 
  2. Montenegro, Benedicto (1936). Cruzes paulistas. São Paulo: Civilização brasileira. pp. 191–191 
  3. «Os heróis da Revolução Constitucionalista de 1932». 7 de julho de 2006 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.