EROS (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido (desde julho de 2013). Ajude e colabore com a tradução.
Modelo do satélite Ofeq-3, que serviu de base para o EROS A.

Earth Resources Observation Satellite (EROS), é a denominação de uma série de satélites comerciais israelenses de observação da Terra, projetados e fabricados pela Israel Aerospace Industries (IAI) e sistemas óticos fornecidos pela empresa El-Op. Os satélites são possuídos e operados pela empresa ImageSat International com cerca de 35 empregados em tempo integral. Esses satélites tinham como base, a mesma plataforma dos satélites de reconhecimento da série Ofeq.

Características[editar | editar código-fonte]

Os satélites da família EROS, são leves e operam em órbita terrestre baixa (LEO) com um único sistema de câmera optoeletrônica para adquirir dados de imagens pantográficas de alta resolução. Eles operaram de forma flexível e adaptável às necessidades dos clientes devido a sua grande capacidade de manobra, podem ser posicionados de forma muito rápida para uma determinada região no nadir ou em ângulos oblíquos de até 45 graus, o que permite observar qualquer ponto em terra duas ou três vezes por semana. O seu período orbital para uma revolução ao redor da Terra é de 94 a 96 minutos, completando 15 revoluções a cada 24 horas.[1]

Satélites[editar | editar código-fonte]

EROS-A[editar | editar código-fonte]

O EROS-A foi lançado em 5 de Dezembro de 2000, por um foguete soviético Start-1 (míssil RT-2PM Topol modificado), a partir do Cosmódromo de Svobodny na Sibéria em uma órbita LEO de 480 km de altitude, e cruza o equador às 10h. Sua resolução ótica é de 1,9 m, estabilizado nos três eixos, a massa total é de 260 kg (178 kg da plataforma, 42 kg de carga útil e 30 kg de combustível hidrazina). Ele é derivado do satélite de reconhecimento Ofeq 3. Os painéis solares fornecem 450 Watts que alimentam uma bateria de NiCd de 14 Ah. A precisão de escopo é de menos de 0,1°. A transferência de dados em banda X é de cerca de 70 Mb/s. A parte ótica compreende um telescópio de 30 cm de diâmetro com distância focal de 3,45 m. A captura de imagens por CCD emprega duas linhas de 7.490 pixels. A vida útil projetada para o satélite é de quatro anos e a duração do projeto é estimada em dez anos. Em 2013, o satélite continua operacional.[2]

EROS-B[editar | editar código-fonte]

A previsão inicial da ImageSat era de lançar um satélite semelhante a cada seis meses, no entanto, o EROS-B só foi lançado em 25 de Abril de 2006, da mesma forma, por um foguete soviético Start-1, a partir do Cosmódromo de Svobodny na Sibéria. O EROS-B, dispõe de uma resolução ótica de 0,7 m. Ele está numa órbita heliossíncrona de 500 km de altitude e cruza o equador às 14h. Também estabilizado nos três eixos, tem uma massa total de 350 kg (sendo 60 kg de hidrazina para propulsão). A transmissão de dados em banda X é feita a cerca de 280 Mb/s. A parte ótica compreende um telescópio de 50 cm de diâmetro com distância focal de 5 m.[3]

EROS-C[editar | editar código-fonte]

O operador anunciou em Janeiro de 2011, a previsão de lançar a curto prazo um satélite denominado EROS-C.[4] A intenção da ImageSat, é lançar mais um conjunto de três satélites a fim de dispor de uma cobertura completa da superfície do globo.

Referências

  1. «EROS Imagery Products Guide - EROS Satellites» (PDF). ImageSat International. Consultado em 15 de julho de 2013 
  2. «EROS-A». EO Portal. Consultado em 15 de julho de 2013 
  3. «EROS-B». EO Portal. Consultado em 15 de julho de 2013 
  4. Opall, Barbara (28 de janeiro de 2011). «Israel's ImageSat Sheds Some Legal Baggage». Space News. Consultado em 15 de julho de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre satélites é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.