Epidendrum flexuosum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaEpidendrum flexuosum
Epidendrum imatophyllum.jpg
Classificação científica
Superdomínio: Biota
Reino: Plantae
Sub-reino: Viridiplantae
Infrarreino: Streptophyta
Superdivisão: Embryophyta
Divisão: Tracheophyta
Subdivisão: Euphyllophyta
Ordem: Asparagales
Família: Orchidaceae
Subfamília: Epidendroideae
Tribo: Epidendreae
Género: Epidendrum
Espécie: Epidendrum flexuosum

Epidendrum flexuosum, um Epidendrum com haste de junco comum em altitudes médias na América Central, é uma espécie de orquídea comumente chamada Epidendrumimatophyllum. Cresce exposto à luz solar intensa no dossel da floresta,[1] particularmente sobre espécies de goiaba. E. flexuosum tem flores de lavanda não resupinadas em um racemo congestionado no final de um longo pedúnculo.

Na natureza, Epidendrum flexuosum cresce naturalmente junto a ninhos de formigas,[2] e às vezes abelhas ou vespas,[3] que as protegem de predadores. É raro que ela cresça sem as formigas, um fenômeno também encontrado em outros gêneros, como Caularthron, Coryanthes e Sievekingia.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Epidendro flexuosum foi colocado no subgênero E. subg. Amphiglottium[4] e compartilha as características desse subgênero: apresenta hábito de crescimento simpodial com caules delgados, não inchados, cobertos por bainhas dísticas fechadas e foliáceas nas partes superiores do caule; a inflorescência é terminal e recoberta desde a base por bainhas dísticas; e o labelo é adnado à coluna até seu ápice. As folhas liguladas têm um pequeno entalhe na extremidade obtusa.[5] O caule, incluindo o pedúnculo, é achatado.[6] Como é típico do grupo Schistochila, a inflorescência é um racemo, e o labelo é lacerado. As flores lilás não são resupinadas. A sépala dorsal é lanceolada e recurvada, as sépalas laterais são falcadas e as pétalas são rômbicas[7] com margens levemente franjadas a irregulares. Como é típico da subseção E. subsect. Carinata, o labelo é trilobado e possui uma quilha, ou carina, descendo pelo centro. No caso de E. flexuosum o lábio é quase oval: Dodson & Bennett 1989 usam a frase "lábio obscuramente 3 lóbulos". A coluna é ligeiramente em forma de s.

O número cromossômico de um indivíduo coletado em Mamirauá, Brasil, foi determinado como 2n=28[8]

Sinonímia[editar | editar código-fonte]

Lista de sinônimos:[9]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A espécie é encontrada nos estados brasileiros de Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima e Tocantins.[11] A espécie é encontrada nos domínios fitogeográficos de Floresta Amazônica, Cerrado e Mata Atlântica, em regiões com vegetação de cerrado, mata ciliar, mata de igapó, floresta de terra firme, floresta de inundação, floresta estacional semidecidual e floresta ombrófila pluvial.[11]

Referências

  1. as Epidendrum imatophyllum in Laube, Stefan; Zotz, Gerhard (2006). «Neither Host-specific nor Random: Vascular Epiphytes on Three Tree Species in a Panamanian Lowland Forest». Annals of Botany. 97 (6): 1103–1114. PMC 2803392Acessível livremente. PMID 16574691. doi:10.1093/aob/mcl067 
  2. Alec M. Pridgeon, The Illustrated encyclopedia of orchids p. 121, Timber Press, 1992 – as Epidendrum imatophyllum Lindley
  3. The super-nettles. A dermatologist's guide to ants-in-the-plants in BoDD – Botanical Dermatology Database – as Epidendrum imatophyllum Lindley
  4. as E. imatophyllum with the notation "? Epidendrum flexuosum Meyer Fl. Essequeb. p. 260. LO. n. 34." H. G. Reichenbach "Orchides" nr. 277, C. Müller, Ed. Walpers. Annales Botanices Systematicae 6(1861) p. 391. Berlin.
  5. J. Lindley, "Epidendrum imatophyllum", pp. 106–107, No. 52. The Genera and Species of Orchidaceous Plants. Ridgeway, London. (1830–1840)
  6. C. Dodson & D. Bennett, "Epidendrum imatophyllum Lindl.", plate 0063 of Icones Plantarum Tropicarum, Series II: Orchids of Peru. Missouri Botanical Garden, St. Louis. 1989
  7. J. Lindley, "Epidendrum ? fexuosum", p. 103, No. 34. The Genera and Species of Orchidaceous Plants. Ridgeway, London. (1830–1840)
  8. Fábio Pinheiro, Samantha Koehler, Andréa Macêdo Corrêa, Maria Luiza Faria Salatino, Antonio Salatino & Fábio de Barros. "Phylogenetic relationships and infrageneric classification of Epidendrum subgenus Amphiglottium (Laeliinae, Orchidaceae)", Plant Systematics and Evolution published online 25 September 2009. Springer Wien. https://doi.org/10.1007%2Fs00606-009-0224-2
  9. «Epidendrum flexuosum G.Mey., Prim. Fl. Esseq.: 260 (1818): Synonyms». World Checklist of Selected Plant Families. Royal Botanic Gardens, Kew. Consultado em 21 de maio de 2019 
  10. J. Lindley, "Epidendrum imatophyllum", pp. 106–107, No. 52. The Genera and Species of Orchidaceous Plants. Ridgeway, London. (1830–1840) available online at http://www.botanicus.org/title/b12026323
  11. a b «Epidendrum flexuosum G.Mey.». floradobrasil2020.jbrj.gov.br. Consultado em 18 de abril de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.