Eritreia Italiana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Colonia Eritrea (em italiano)
Eritreia Italiana

Colônia da Itália

Flag of Muhammad Ali.svg
 
Emblem of Eritrea 1952-1962.svg
1890 – 1936  
Flag of Italy (1861-1946).svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Eritreia Italiana
Eritreia Italiana
Eritreia Italiana em roxo (mapa de 1908, indicando a localização da batalha de Adowa, o primeiro assentamento italiano em Assab, a nova capital de Menelik em Addis Abeba.)
Continente África
Região Chifre da África
Capital Massaua (1890-1897), Asmara (1897-1936)
Governo Não especificado
Governador
 • 1890 Baldassarre Orero
 • 1935-1936 Pietro Badoglio
Período histórico Partilha da África
 • 1890 Criação da Colônia da Eritreia
 • 1869 Ocupação de Assab
 • 1885 Ocupação de Massawa
 • 1936 Incorporação na África Oriental Italiana
 • 1941 Ocupação pelo Reino Unido
Área
 • 1936 121 000 km2
População
 • 1936 est. 1 000 000 
     Dens. pop. 8,3 hab./km²

A Eritreia italiana foi uma colônia do Reino da Itália no território da atual Eritreia. Embora fosse formalmente criada em 1890, as primeiras colônias italianas na região foram estabelecidas em 1882 em torno de Assab. A colônia durou oficialmente até 1947. [1]

História[editar | editar código-fonte]

A colônia da Eritreia foi fundada pela Itália em 1890, culminando em um processo de colonização que se iniciou em 1869, logo após a abertura do Canal de Suez. A Baía de Assab foi comprada dos sultões por Giuseppe Sapeto e pela empresa de navegação de Raffaele Rubattino[2] para construção de serviços portuários para sua frota comercial. Em 10 de março de 1882, o governo italiano comprou as terras de Assab da empresa italiana, assumindo formalmente a posse do território[3]. Aos poucos, as forças italianas foram conquistando toda a costa até ocupar a cidade portuária de Massawa em 5 de fevereiro de 1885.

Com a ocupação de Massawa, abandonada pelos anglo-egípcios em 1885, resultou na criação de facto da colônia. Mas, sua expansão sobre o Planalto da Etiópia pára com a derrota italiana em Adwa em 1896.

Ignorando os protestos diplomáticos e sustentando confrontos abertos com os povos nativos e das outras potências com interesses na área (os egípcios, os turcos e Yohannes IV da Abissínia), a Itália prosseguiu conquistando o território proclamado a colônia italiana da Eritreia em 1 de janeiro de 1890.

A Eritreia italiana tornou-se a primeira colônia do Reino da Itália na África e recebeu uma grande colônia de italianos, dando-lhe um enorme desenvolvimento. No censo de 1939 na Eritreia havia cerca de 100 mil italianos em uma população total de um milhão de habitantes, sendo a capital Asmara o centro de um desenvolvimento arquitetônico e industrial de primeira ordem na África.

Depois da ocupação da Etiópia por tropas italianas em 1936, a Eritreia tornou-se parte da África Oriental Italiana. Os italianos permaneceram até 1941, quando, durante a Segunda Guerra Mundial, todas as colônias italianas foram tomadas pelos Aliados, incluindo a Eritreia, que foi ocupada pela Grã-Bretanha. A Eritreia seria vinculada em uma federação com a Etiópia em 1952, após uma decisão das Nações Unidas.


Referências

  1. Essay on Italian Eritrea, 1953 (in Italian)
  2. Lazzarini (Vincenzo), «P. Giuseppe Sapeto e la ripresa cattolica in Abissinia», Quaderni di studi etiopici, Asmara, n° 2, 1981.
  3. Ciglio (Carlo), «Ethiopia - Mar Rosso (1857-1885)», in L’Italia in Africa, Roma, serie storica, volume primo (t. 1 : texte, t. 2 : documents), Istituto poligrafico della Stato, 1958-1959.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bandini, Franco. Gli italiani in Africa, storia delle guerre coloniali 1882-1943. Longanesi. Milano, 1971.
  • Bereketeab, R. Eritrea: The making of a Nation. Uppsala University. Uppsala, 2000.
  • Lowe, C.J. Italian Foreign Policy 1870-1940. Routledge. 2002.
  • Maravigna, Pietro. Come abbiamo perduto la guerra in Africa. Le nostre prime colonie in Africa. Il conflitto mondiale e le operazioni in Africa Orientale e in Libia. Testimonianze e ricordi. Tipografia L'Airone. Roma, 1949.
  • Negash, Tekeste. Italian colonialism in Eritrea 1882-1941 (Politics, Praxis and Impact). Uppsala University. Uppsala, 1987.
  • Rosselli, Alberto. Storie Segrete. Operazioni sconosciute o dimenticate della seconda guerra mondiale. Iuculano Editore. Pavia, 2007
  • Mauri, Arnaldo. Eritrea's early stages in monetary and banking development, International Review of Economics, Vol. LI, N°. 4, 2004.
  • Tuccimei, Ercole. La Banca d'Italia in Africa, Foreword by Arnaldo Mauri,Collana storica della Banca d'Italia, Laterza, Bari, 1999.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]