Escala de Bortle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Escala de Bortle é uma escala numérica de nove níveis que mede o brilho do céu noturno de uma localidade em particular. Ela quantifica a observabilidade astronômica de um corpo celeste e a interferência causada pela poluição luminosa. John E. Bortle criou a escala e publicou seu estudo na edição de fevereiro de 2001 da revista Sky & Telescope para ajudar astrônomos amadores a avaliar e comparar a escuridão de um local de observação. A faixa da escala vai da Classe 1, os céus mais escuros disponíveis na Terra, até a Classe 9, céus de grandes cidades. A escala fornece diversos critérios para cada nível, chamada em inglês Naked-Eye Limiting Magnitude (NELM) ou seja a mais fraca magnitude aparente observável a olho nu.[1] A precisão e utilidade da escala foram questionados em uma pesquisa recente.[2]

A tabela abaixo sumariza as descrições das classes de Bortle.

Classe Título NELM M²s aprox.
mag/ arcsec2[3]
Descrição
1 Local com excelente céu escuro 7.6–8.0 21.7-22.0
2 Local com típica escuridão verdadeira 7.1–7.5 21.5-21.7
  • a luz zodiacal é distintamente amarela e brilhante o suficiente para projetar sombras ao entardecer e amanhecer
  • o airglow pode ser visto fracamente próximo ao horizonte
  • nuvens são vistas apenas como buracos negros contra o céu
  • os arredores são visíveis escassamente como silhuetas contra o céu
  • No verão, a Via Láctea é altamente estruturada
  • muitos objetos Messier e aglomerados globulares são visíveis a olho nu
  • o objeto M33 é facilmente visto a olho nu
  • a magnitude limitante com um telescópio refletor de 12.5" é 16.5
3 Céu rural 6.6–7.0 21.3-21.5
  • a luz zodiacal é marcante na primavera e outono, e a cor ainda é visível
  • alguma poluição luminosa evidente no horizonte
  • as nuvens são iluminadas próximo ao horizonte, mas ainda escuras
  • os arredores próximos são vagamente visíveis
  • no verão a Via Láctea ainda aparece complexa
  • os objetos M15, M4, M5 e M22 são visíveis a olho nu
  • o objeto M33 é facilmente visível usando a visão periférica
  • a magnitude limitante com um telescópio refletor de 12.5" é 16
4 Transição rural/suburbana 6.1–6.5 20.4-21.3
  • a luz zodiacal é ainda visível mas não se estende até o zênite ao entardecer e ao amanhecer
  • o domo da poluição luminosa é visível em diversas direções
  • as nuvens são iluminadas na direção das fontes de luz, mas ainda escuras
  • os arredores são claramente visíveis, mesmo à distância
  • a Via Láctea bem acima do horizonte ainda é impressionante mas faltam detalhes
  • o objeto M33 é dificilmente visto com visão periférica, apenas visível quando está alto no céu
  • a magnitude limitante com um telescópio refletor de 12.5" é 15.5
5 Céu suburbano 5.6–6.0 19.1-20.4
  • apenas sinais da luz zodiacal são vistas nas melhores noites no outono e primavera
  • a poluição luminosa é visível, se não em todas, quase em todas as direções
  • as nuvens são visivelmente mais brilhantes do que o céu
  • a Via Láctea é bem fraca ou invisível próximo ao horizonte e de aparência desbotada
  • a magnitude limitante com um telescópio refletor de 12.5" é 15
6 Céu suburbano brilhante 5.1-5.5 18.0-19.1
  • a luz zodiacal é visível
  • a poluição luminosa faz com que o céu dentro de 35° do horizonte brilhe branco acinzentado
  • as nuvens em qualquer lugar no céu parecem bastante brilhantes
  • os arredores são facilmente visíveis
  • a Via Láctea é somente visível próximo ao zênite
  • o objeto M33 não é visível, e o M31 e modestamente aparente
  • a magnitude limitante com um telescópio refletor de 12.5" é 14.5
7 Transição suburbana/urbana 4.6–5.0
  • a poluição luminosa faz com que todo o céu seja cinza claro
  • fontes de luz são evidentes em todas as direções
  • as nuvens são iluminadas
  • a Via Láctea é visível
  • os objetos M31 e M44 podem ser vislumbrados, mas sem detalhes
  • através de um telescópio, os objetos Messier mais brilhantes são pálidos espectros de suas verdadeiras aparências
  • a magnitude limitante com um telescópio refletor de 12.5" é 14
8 Céu de cidade 4.1–4.5 <18.0
  • o céu é cinza claro ou laranja
  • estrelas formando padrões de constelações familiar são fracamente visíveis ou invisíveis
  • objetos M31 e M44 são fracamente vislumbrados por um observador experiente em boas noites
  • mesmo com um telescópio, apenas objetos Messier mais brilhantes podem ser detectados
  • a magnitude limitante com um telescópio refletor de 12.5" é 13
9 Céu de centro da cidade 4.0
  • o céu é brilhantemente iluminado
  • muitas estrelas formando constelações são invisíveis e muitas constelações mais fracas são invisíveis
  • além de Plêiades (Messier 45), nenhum outro objeto Messier é visível a olho nu
  • os únicos objetos observáveis são a Lua, alguns planetas e poucos aglomerados estelares mais brilhantes

Galeria[editar | editar código-fonte]

Nesta fotografia com velocidade do obturador de 10 segundos de exposição, em direção ao sul na constelação de Sagittarius, a poluição luminosa obscurece as estrelas e a Via Láctea é fracamente visível no céu noturno na área urbana do Sul da Califórnia.

Referências

  1. Bortle, John E. (fevereiro de 2001). «The Bortle Dark-Sky Scale». Sky & Telescope. Sky Publishing Corporation. Consultado em 20 de fevereiro de 2013 
  2. Crumey, Andrew (2014). «Human Contrast Threshold and Astronomical Visibility». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 442 (3): 2600–2619. Bibcode:2014MNRAS.442.2600C. arXiv:1405.4209Acessível livremente. doi:10.1093/mnras/stu992. Consultado em 21 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 5 de março de 2016 
  3. «Dark Skies Awareness» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]