Ferrari F40

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ferrari F40
Ferrari F40 at Auto Salon Singen Germany 432393386.jpg
Visão Geral
Produção 1987-1992
Fabricante Ferrari
Modelo
Classe Supercarro
Carroceria Berlineta 2 portas
Coupé 2 portas
Designer Leonardo Fioravanti, da Pininfarina
Ficha técnica
Motor 2,9L V8 Bi-Turbo
Transmissão Manual, 5 velocidades
Modelos relacionados
Lamborghini Countach
Porsche 959
Dimensões
Comprimento 4.430
Entre-eixos 2.450
Largura 1.980
Altura 1.130
Peso 1.110
Tanque 120
Cronologia
Último
Ferrari 288 GTO
Ferrari F50
Próximo

A Ferrari F40 é um carro esportivo coupé duas portas, de tração traseira e motor central-traseiro, projetado com conceitos aerodinâmicos utilizados em carros de competição. Porém, seu foco de vendas era estritamente comercial, não sendo planejado para corridas. Foi a sucessora do modelo 288 GTO e é considerada a avó do modelo Ferrari Enzo (modelo que foi batizado com o nome do fundador da empresa), e o último carro feito com a supervisão pessoal de Enzo Ferrari, falecido no ano de 1988 . Foi apresentada em 21 de julho de 1987, fabricada para comemorar o quadragésimo aniversário da marca italiana Ferrari. Naquele tempo, foi o carro mais rápido do mundo a ser produzido em série, chegando à 324 km/h, uma marca impressionante para a época.

Seu design foi desenvolvido pelo estúdio Pininfarina, e tinha a ideia de dar ao carro maior velocidade, sem perder estabilidade. Suas curvas criam menos resistência com o ar e o spoiler dianteiro, assim como o aerofólio traseiro, contribuem para que o carro fique firme no chão. O aerofólio traseiro ainda possui a função de proteger a tampa traseira, feita de Perspex (um material plástico transparente mais resistente que o vidro que foi utilizado em todas as janelas do carro) da força da pressão.

Sua produção efetiva se iniciou em 1988, terminando de ser fabricada em 1991, sendo produzidas 1.311 unidades no total.

"Se Deus fosse uma máquina, certamente seria uma F40" - Enzo Ferrari

Origem[editar | editar código-fonte]

Ferrari F40, vista de traseira.

No início em 1984, a fábrica de Maranello tinha começado a desenvolver um modelo superior à 288 GTO para competir contra o Porsche 959 no Grupo B da FIA. No entanto, quando a FIA colocou um ponto final na categoria Grupo B para a temporada de 1986, após a morte do piloto Henri Toivonen[1] e do navegador Sergio Cresto, Enzo Ferrari ficou com cinco unidades da chamada 288 GTO Evoluzione, e nenhuma série de corridas para inscrevê-las. O desejo de Enzo de deixar um supercarro como seu legado final, permitiu que o programa Evoluzione desenvolvesse e produzisse um carro para uso exclusivo em estradas. Um dos membros do departamento de marketing Ferrari é citado pela frase: "Nós queríamos que fosse muito rápido, esportivo ao extremo e espartano", "os clientes estavam dizendo que nossos carros estavam se tornando muito luxuoso e confortáveis. " "A F40 é para os mais entusiastas dos nossos proprietários que não querem nada, além de puro desempenho. Não é um laboratório para o futuro, como o 959. Não é Star Wars. E não foi criado porque a Porsche construiu o 959 . teria acontecido de qualquer maneira. "

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Interior da Ferrari F40.

O motor da F40 é uma versão aumentada do motor IHI V8 da 288 GTO, equipado com bi-turbo, chegando a 478 cavalos a 7000 rpm. A F40 permaneceu sem conversor catalítico até 1990, quando as leis de emissão dos Estados Unidos foram alteradas para controlar emissões de poluentes. Tendo a F40 três tubos de escape, os tubos laterais liberam a exaustão das bancadas de cilindros, enquanto a saída central libera a exaustão dos gases da wastegates dos turbocompressores.

A configuração de suspensão é semelhante á da 288 GTO, com sistema Double Wishbone, embora muitas partes foram alteradas e atualizadas. Por ser um carro com pouca distância do solo, também foi instalado um sistema que aumenta a altura da suspensão em relação ao solo, caso necessário.

A carroceria recebeu um desenho completamente novo, feito por Leonardo Fioravanti do estúdio Pininfarina[2] . Possui painéis da carroceria feitos de fibra de carbono, alumínio e kevlar, dando baixo peso e alta resistência. O peso do carro também foi reduzido com a substituição das janelas de vidro por Perspex, uma liga acrílica leve e resistente contra impactos. As primeiras unidades possuíam vidros fixos, mas posteriormente foi adicionada uma portinhola deslizável nas janelas laterais[3] . O carro possuía ar condicionado, mas não possuía sistema de som, maçanetas internas, porta-luvas, acabamentos em couro ou carpetes, o que deixava o carro ainda mais leve, e contribuía com sua fama de carro espartano. O peso total era de 1100kg.

A Ferrari F40 foi desenhada e projetada com a aerodinâmica em mente, tendo um coeficiente aerodinâmico de 0,34, boa parte graças à asa traseira[4] . Para alcançar sua velocidade máxima, o carro contava mais com sua baixa resistência ao ar do que com sua potência. A área frontal foi reduzida em relação à 288 GTO Evoluzione, o que suavizou consideravelmente o fluxo de ar. A estabilidade era prioridade antes da velocidade final, assim como o arrefecimento do motor, já que este gerava uma grande quantidade de calor.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Quando a F40 foi lançada, em 1987, o público não se impressionou. Os consumidores a consideraram um tentativa cínica de ganhar dinheiro às custas da boa aceitação da 288 GTO e a alta demanda do Porsche 959. Os especuladores estavam aguardando a morte de um já doente Enzo Ferrari (que já se sabia sofrer de doença renal crônica)[5] , para aumentar os preços de venda dos carros da marca, principalmente a F40.

Em 1988 a Ferrari convidou jornalistas para testar a F40 no Circuito de Fiorano, e trazer um Porsche 959 ao longo de comparação. A revista Automobile Magazine e a revista Car Magazine fizeram um veredicto global, ambas apontando o Porsche 959 como o melhor carro.

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

Ferrari F40 com o cofre do motor aberto.
  • Motor: V8 Biturbo 2.9L
  • Potencia: 478 cv a 7000 rpm
  • Torque: 58,8 kgfm a 4000 rpm
  • Cilindrada: 2936 cc
  • Freios: discos de 330mm, ventilados nas 4 rodas
  • Pneus: dianteiros 245/40 ZR17; traseiros 335/35 ZR17

Desempenho[editar | editar código-fonte]

  • 0–100 km/h: 3.8 segundos
  • 0–400 m: 11.9 segundos
  • 0–1000 m: 20.9 segundos
  • Velocidade máxima: 324 km/h.

Corridas[editar | editar código-fonte]

Ferrari F40 LM[editar | editar código-fonte]

Ferrari F40 LM

Em 1989, a empresa Michelotto (responsável pela construção da 288 GTO Evoluzione) foi contratada novamente, desta vez para transformar a F40 em um carro de corrida. A Ferrari F40 LM (LM, de Le Mans) recebeu poucas modificações estéticas, como um splitter de fibra de carbono na dianteira, difusores na traseira, aerofólio ajustável, novas entradas de ar e a remoção dos faróis escamoteáveis, que deram lugar a um conjunto convencional atrás de uma cobertura de Perspex.[6]

O painel teve ainda mais componentes retirados, e recebeu uma interface digital como nos demais carros de corrida. Já na performance, as modificações foram mais abrangentes: o motor, apesar de ser o mesmo V8 bi-turbo de 2.9 litros, recebeu um novo módulo de controle e um aumento de pressão nos turbos que elevaram a potência para até 720 cv. A suspensão foi revisada, os freios foram substituídos por peças maiores e o chassi tubular foi reforçado. O peso total do carro chegava agora a 1050kg e a velocidade máxima era de 367 km/h, inde de 0-100 km/h em 3.1 segundos.

Apesar do vasto trabalho da Ferrari e da Michelotto, a F40 LM não foi usada pela equipe da Ferrari em corridas. Os 19 exemplares da F40 convertidos para F40 LM entre os anos de 1989 e 1994, foram comprados por corredores privados, sendo sua maioria pilotos da Le Mans.[6]

Ferrari F40 LM/GTE[editar | editar código-fonte]

F40 LM/GTE

Além das 19 Ferrari F40 LM feitas pela Ferrari e pela Michelotto, outras 27 F40 de rua foram convertidas por particulares para uso em corridas, seguindo as especificações das F40 LM originais. O colecionador e historiador automotivo Michael Sheehan[7] as chama de F40 LM/GTE.

As modificações visuais também podem ser mais abrangentes, como aerofólios maiores, pára-choques diferenciados e alterações no interior.

Outros[editar | editar código-fonte]

Acrobacias em Ferrari F40[editar | editar código-fonte]

O grupo de internautas 'Tax The Rich' é conhecido pela utilização de supercarros fora do seu 'habitat'. Em 2016 a Ferrari F40 não escapou e o grupo realizou um vídeo que rapidamente se tornou viral na Internet com o título 'Farmkhana', similar ao 'Gymkhana' do piloto americano Ken Block, repleto de acrobacias. O grupo utilizou o carro com o chassis 74007, um carro convertido para competição pelos especialistas da Michelotto. [8]

Ferrari F40 de Lego[editar | editar código-fonte]

A Lego disponibiliza no seu catálogo de produtos Creator um kit para construir o Ferrari F40. Com um custo de aproximadamente 90 euros em Portugal, este kit tem 1158 pequenas peças de plástico.[9]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Automobilismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre automóveis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. "Henri Toivonen" (em pt). Wikipédia, a enciclopédia livre.
  2. «Site da Carrozzeria Pininfarina». 
  3. «Exotic Cars.». 
  4. «Top Speed. Retrieved 2013-05-07.». 
  5. «Obtuário de Enzo Ferrari, no jornal The New York Times.». 
  6. a b «Flatout! - Artigo sobre Ferrari F40 LM/GTE». 
  7. «Site oficial de Michael Sheehan, historiador, colecionador e especialista em Ferrari.». 
  8. «Ferrari F40 usado e abusado numa quinta pelos 'Tax The Rich' - Maismotores.net». Maismotores.net. Consultado em 2016-01-27. 
  9. «Ferrari F40 de Lego fará as delícias de míudos e graúdos - Maismotores.net». Maismotores.net. Consultado em 2016-01-27.