Fluorita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Fluorita
Classificação Strunz III/A.08-10
Cor muito variavel (incolor, amarelo, róseo, verde)
Fórmula química CaF2
Ocorrência comum e amplamente distribuído
Propriedades cristalográficas
Sistema cristalino Isométrico
Hábito cristalino cúbico, octaédrico
Grupo espacial F m3m
Propriedades físicas
Densidade +- 3,18
Dureza 4
Clivagem octaédrica, perfeita
Brilho Vítreo
Opacidade Transparente a translúcida
Risca Branco

A fluorita (português brasileiro) ou fluorite (português europeu) é um mineral comum, cujo nome provém do latim fluere devido a sua fácil fusão; é composto basicamente de fluoreto de cálcio (CaF2) usualmente encontrada em cristais cúbicos (sendo frequente também o hábito octaédrico), transparentes a translúcidos, de cor muito variável, com clivagem perfeita. Apresenta brilho vítreo, densidade relativa 3.18. É o quarto termo da Escala de Mohs de dureza. São frequentes maclas de interpenetração.

Este mineral não reage com HCl,ou seja, não ocorre efervescência.

Tipos de ocorrência[editar | editar código-fonte]

Cristais cúbicos de fluorita da China.

Pode ocorrer em veios hidrotermais juntamente com minerais metálicos, como a esfalerita, galena, barita, quartzo e calcita. Pode estar presente em granitos e calcários.

As jazidas mais importantes situam-se na Alemanha, Suíça, Inglaterra, Noruega, México, Canadá e Estados Unidos.

Usos e aplicações[editar | editar código-fonte]

Utilizada em siderurgia como fundente, na obtenção do ácido fluorídrico de onde se tira flúor e ítrio, bem como na indústria de vidros, esmalte, instrumentos ópticos e cerâmica. A fluorita é relativamente pouco tóxica, quando comparada a outros compostos fluoretados sendo, inclusive, usada em ornamentos como colares, cristais captadores de energia dentre outros. Entretanto, como qualquer outro composto, sua ingestão é extremamente prejudicial nas doses acima do tolerável para fluoretação da água (p.p.:1,5 mg/litro (PARA FLUORETO)[1].Segundo a CETESB:Prejudicial se ingerido. Não é irritante para a pele e para os olhos [2]. É comum encontrá-la a venda em lojas de artigos místicos.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

A fluorita vem sendo produzida no Brasil para o uso principalmente na industria siderúrgica, para a fabricação de ferro-ligas. Encontra-se nos estados do Rio de Janeiro, Bahia, Paraná e Santa Catarina.

No Mundo[editar | editar código-fonte]

A fluorita ocorre, em quantidade, na Inglaterra. Encontra-se, comumente, nas minas da Alemanha, Suíça, do Tirol, da República Tcheca e da Noruega. Os grandes produtores de fluorita comercial (espatoflúor) são China, Mongólia, México e África do Sul, além de Canadá e Alemanha.

Fluorescência[editar | editar código-fonte]

A fluorita dá o nome ao fenómeno de fluorescência, uma vez que muitas amostras fluorescem fortemente sob luz ultravioleta. A fluorescência pode dever-se a impurezas como o ítrio ou matéria orgânica contidas na estrutura cristalina. Exibe ainda termoluminescência.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Branco, Pércio de Moraes, 2008, Dicionário de Mineralogia e Gemologia, São Paulo, Oficina de Textos, 608 p. il.