Germana Tânger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 23 de janeiro de 2018.)
Twemoji 1f464.svg
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Germana Tânger
Nome completo Maria Germana Dias da Silva Moreira
Nascimento 16 de janeiro de 1920
Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portuguesa
Morte 22 de janeiro de 2018 (98 anos)
Lisboa, Portugal
Ocupação Atriz, encenadora, declamadora e divulgadora de poesia
Outros prémios
Distinção Mulheres Criadoras de Cultura (2013)

Maria Germana Dias da Silva Moreira, pelo casamento Tânger Corrêa, mais conhecida como Germana Tânger GOIH (Lisboa, 16 de janeiro de 1920[1] – Lisboa, 22 de janeiro de 2018), foi uma atriz, encenadora, declamadora e divulgadora de poesia portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduou-se na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa onde, nos anos 1940, integrou o Grupo de Teatro, então dirigido por Manuel Tânger Correia, filho natural de ... Correia e de Zélia Tânger, parente de Manuel de Medeiros Tânger e descendente de Manuel Mendes de Tânger, com o qual veio a casar em 1948 e do qual tem um filho, o Embaixador António Manuel Moreira Tânger Correia. Na mesma altura, começou também a declamar poesia, tendo sido privada de vários dos maiores poetas do seu tempo, como Almada Negreiros, Sophia de Mello Breyner Andresen, José Régio e Jorge de Sena, entre outros.[2]

Mudou-se para Paris, onde tirou o curso de dicção de George Le Roy, tornando-se, por convite de Medeiros Gouveia, Lente de Luís Vaz de Camões na Sorbonne.[3]

Como divulgadora de poesia ao longos de vários anos, percorreu todo o Portugal, com a Pró-Arte, e para além dele, no estrangeiro, incluindo América, África e Ásia, acompanhada por vezes pelo pianista Adriano Jordão.[4]

Foi professora de dicção, ou "Arte de Dizer", no Conservatório Nacional durante 25 anos, e teve vários programas na Radiodifusão Portuguesa e Radiotelevisão Portuguesa (RDP/RTP).[5]

Dirigiu, encenou e adaptou vários espetáculos, entre outros, no Festival de Sintra, na Torre de Belém, no Teatro São Luiz e no Festival de Teatro de Almada, no qual foi homenageada em 1998, e terminou a sua carreira artística com um espetáculo no Teatro da Trindade, em novembro de 1999,[6] após o que, a 11 de março de 2000, foi feita Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.[7]

A 14 de maio de 2010, foi agraciada pela Câmara Municipal de Lisboa com a Medalha Municipal de Mérito Grau Ouro.[8]

Em abril de 2016, para celebrar os seus 96 anos, lançou o livro Vidas numa Vida[9] através da editora Manufactura[10].

Vivia em Lisboa quando morreu, a 22 de janeiro de 2018, aos 98 anos de idade.[11]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre teatro (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.