Gildo de Freitas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gildo de Freitas mais conhecido como dega adgar do sibaleno ahi burro eu digo sou o diabo atiro depois pergunto qm eh
Informação geral
Nome completo Leovegildo José de Freitas
Nascimento 19 de junho de 1919
Origem Porto Alegre,  Rio Grande do Sul
País  Brasil
Data de morte 4 de dezembro de 1982 (63 anos)
Gênero(s) Música nativista
Ocupação(ões) Cantor
Período em atividade 1944 - 1982

Gildo de Freitas (Porto Alegre, 19 de junho de 1919[1]Porto Alegre, 4 de dezembro de 1982), nome artístico do cantor e compositor brasileiro Leovegildo José de Freitas.

Possuia um estilo muito próximo ao do também tradicionalista Teixeirinha, com quem, apesar de algumas divergências, por vezes fez parcerias e rivalizava em popularidade.

Trabalhou em diversas profissões, mas era a rigor um trovador e cantador popular.

4 de dezembro, data de sua morte, foi instituído como Dia Estadual do Poeta Repentista Gaúcho no Rio Grande do Sul, pela Lei Estadual RS 8.819/89.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

sera um lobisomen ? ou ateh um chupa cabra fazer seus de arrasto

  • 1919 - Nasce em Porto Alegre, no bairro Passo D'Areia.[1]
  • 1931 - Gildo foge de casa pela primeira vez, aos 12 anos.
  • 1937 - É tido como desertor, por não ter se apresentado à convocação militar. Envolve-se na primeira briga séria, onde morre um jovem amigo. Primeira prisão. Cria ódio da polícia.
  • 1941 - Casamento com dona Carminha. Passa a ter morada fixa no bairro de Niterói, em Canoas, grande Porto Alegre. Continuam os contratempos com a polícia.
  • 1944 - Nasce o primeiro filho depois de dois perdidos. Gildo começa a viajar bastante e a ser reconhecido como trovador. A polícia mantém-se em cima.
  • 1949 - Trovador com fama ascendente em todo o Rio Grande do Sul, desaparece de casa e reaparece na fronteira gaúcha. Em longa temporada passada no Alegrete, mal consegue caminhar, com problema de paralisia nas pernas.
  • 1950/51 - Em São Borja, conhece Getúlio Vargas e entra em sua campanha política. Param as perseguições policiais. Primeira viagem ao Rio de Janeiro.
  • 1953/54 - Faz fama como trovador nos programas de rádio ao vivo em Porto Alegre. Volta à viver no bairro Passo d'Areia com a família.
  • 1955 - Encontro e identificação como Teixeirinha. Muitas viagens. Mudança para o bairro Passo do Feijó e abertura do primeiro bolicho.
  • 1956/60 - Torna-se a maior atração do programa Grande Rodeio Coringa, nos domingos à noite. Mais viagens com Teixeirinha.
  • 1961/62 - Declínio dos programas de rádio ao vivo, televisão começando. Gildo resolve largar de mão a "cantoria" e inventa de criar porcos.
  • 1963 - Viagem a São Paulo para gravar o primeiro disco.
  • 1964 - É lançado o primeiro LP. Em meados do ano é "convidado" a prestar depoimento sobre suas ligações com o trabalhismo.
  • 1965 - Início da célebre disputa com Teixeirinha através dos discos. Jango o convida para viver no Uruguai e ele não aceita.
  • 1970/77 - Várias internações em hospitais, sucesso popular das gravações, muitas viagens. A "briga" com Teixeirinha chega ao auge. Mudança para Viamão.
  • 1978 - Inaugura em Viamão a Churrascaria Gildo de Freitas e dá início aos bailões.
  • 1982 - Grava o último disco, para a mesma gravadora dos outros todos, a Continental.
  • 1982 - Última internação em hospital, últimas aparições públicas em programas de televisão. Morte em 4 de dezembro.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Fonte[editar | editar código-fonte]

Fonseca, Juarez (1985). Gildo de Freitas: Coleção Esses Gaúchos. Porto Alegre, RS: Editora Tchê.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.