Haroldo Lobo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Haroldo Lobo
Nascimento 22 de julho de 1910
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro1908.gif Distrito Federal
Morte 20 de julho de 1965 (54 anos)
Rio de Janeiro, Guanabara Guanabara
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Compositor

Haroldo Lobo (Rio de Janeiro, 22 de julho de 1910 — Rio de Janeiro, 20 de julho de 1965) foi um compositor brasileiro.

Nasceu em uma família de músicos. O pai tocava flauta e violão, e seu irmão era compositor e baterista. Fez seus primeiros estudos na escola da América Fabril, onde também estudou teoria e solfejo.

O primeiro trabalho como empregado aconteceu na fábrica de tecidos América Fabril e depois foi guarda da Polícia de Vigilância, onde chegou ao mais alto posto, Oficial de Vigilância. O autor de diversos sucessos carnavalescos era conhecido pelos amigos como clarineta pois cantava num tom que só a clarineta podia alcançar.

Sua primeira gravação foi com Aurora Miranda, em 1934, "Metralhadora" (parceria com Donga e Luís Meneses), música pertinente à revolução constitucionalista. Ainda em 1934 compôs o samba "De madrugada" (com Vicente Paiva), gravado também por Aurora Miranda, na Odeon. A badalada "Juro", conquistou o prêmio da Prefeitura do antigo Distrito Federal, no Carnaval de 1938. Preparava suas marchinhas com um ano de antecedência, aproveitando os fatos políticos e o cotidiano do povo como inspiração.

Seu último trabalho foi "Tristeza", feito com Niltinho Tristeza e lançado em 1965 por Ari Cordovil, a qual ele não chegou a ver executada. Haroldo Lobo morreu em 20 julho de 1965, aos 54 anos.

Alguns de seus trabalhos incluem:

  • "Tristeza" (com Niltinho)
  • "Índio quer apito" (com Milton de Oliveira)
  • "Alá-lá-ô" (com Nássara)
  • "Pistoleira" (com Milton de Oliveira)
  • "O passo da girafa" (com Milton de Oliveira)
  • "Pra seu governo" (com Milton de Oliveira)
  • "Retrato do velho" (com Marino Pinto)
  • "A história da maçã" (com Milton de Oliveira)
  • "Eu quero é rosetar" (com Milton de Oliveira)
  • "Odalisca" (com Geraldo Gomes)
  • "O bonde do horário já passou" (com Milton de Oliveira)
  • "Essa vida não é sopa" (com Wilson Batista)
  • "Emília" (com Wilson Batista)
Accordrelativo20060224.png Este artigo sobre um(a) músico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.