Retrato do Velho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Retrato do Velho"
Single de Francisco Alves
Lançamento 1950
Gravação 1950
Gênero(s) Marchinha de carnaval
Composição Haroldo Lobo, Marino Pinto

Retrato do Velho foi um jingle em prol da vitória de Getúlio Vargas na eleição presidencial de 1950, que o traria de volta ao cargo de Presidente da República depois de seis anos do fim do Estado Novo. A letra da marchinha, composta por Haroldo Lobo e Marino Pinto, fazia referência ao fato de Getúlio ter determinado que as repartições públicas tivessem o retrato do Presidente na parede, que então voltariam a ter seu retrato caso houvesse sucesso dele no pleito, como de fato aconteceu. Foi interpretada por Francisco Alves.[1][2] Conta-se que Vargas não gostou de ser chamado de velho.

Letra[editar | editar código-fonte]

Bota o retrato do velho outra vez

Bota no mesmo lugar

Bota o retrato do velho outra vez

Bota no mesmo lugar


O sorriso do velhinho faz a gente trabalhar

O sorriso do velhinho faz a gente trabalhar


Eu já botei o meu

E tu, não vais botar?

Já enfeitei o meu

E tu, vais enfeitar?


O sorriso do velhinho faz a gente se animar

O sorriso do velhinho faz a gente se animar

Referências

  1. «"Retrato do Velho"». historiavivaaessul.com 
  2. «'Bota o retrato do velho outra vez'; chega nova biografia de Getúlio». Folha online. 16 de maio de 2012. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma canção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.