Herevardo, o Vigilante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Herevardo, o Vigilante
Herevardo lutando com os normandos, ilustração de História da Inglaterra de Cassell (1865)
Nascimento c. 1035
Morte c. 1072 (37 anos)
Religião Catolicismo

Herevardo, o Vigilante ou o Despertado (em inglês antigo: Hereward; em latim: Herewardus, Herevardus, Hereuardus; c. 1035 – c.1072), também conhecido como Herevardo, o Foragido ou Herevardo, o Exilado, foi um nobre anglo-saxão e líder da resistência local à conquista normanda da Inglaterra no século XI. Sua base, quando liderava a rebelião contra os governantes normandos, ficava na ilha de Ely, e segundo a lenda vagou a Fens, cobrindo o norte de Condado de Cambrígia, o sul do Condado de Lincólnia e o oeste de Norfolque, liderando a oposição popular contra Guilherme, o Conquistador.

Hereward é um nome em inglês antigo, composto pelos elementos Here "exército" e weard "guarda" (cognato com o nome alto-alemão antigo Heriwart).[1] O epíteto de "o Despertar" foi gravado no final do século XIV, e pode significar "o Vigilante", ou derivam da família anglo-normanda Wake, que mais tarde afirmou ascendência dele.

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

Existem várias fontes primárias para a vida de Herevardo, embora a precisão de suas informações seja difícil de avaliar. São a versão da Crônica Anglo-Saxônica escrita na Abadia de Peterborough (o "manuscrito E" ou Crônica de Peterborough), o Domesday Book (DB), o Liber Eliensis (Livro de Ely) e, muito mais detalhado, os Feitos de Herevardo.

Para uma pequena extensão, eles são, por vezes, contraditórios entre si. Por exemplo, o Capítulo XXVIII dos Feitos coloca Herevardo atacando a Abadia de Peterborough após o cerco de Ely ao passo que a Crônica de Peterborough (1070) o tem imediatamente antes. Isto provavelmente indica, como o prefácio dos Feitos sugere, que as lendas orais conflitantes sobre Herevardo já eram comuns na Fenland no final do século XI e início do século XII. Além disso, pode haver algum viés partidário nos primeiros escritores: Seu aviso na Crônica de Peterborough, por exemplo, foi escrito em um mosteiro, que ele dizia ter saqueado, cerca de cinquenta anos após a data do ataque.[2] Por outro lado, a versão original dos Feitos foi escrito em louvor explícito a Herevardo;[3] grande parte de sua informação foi fornecida por homens que o conheceram pessoalmente, principalmente, se o prefácio a ser acreditado, um antigo colega de exercito e membro da antiga casa de seu pai, Leofrico, o Diácono.[4]

Feitos de Herevardo[editar | editar código-fonte]

Os Feitos de Herevardo (Gesta Herewardi) ou Feitos de Hervardo (Herwardi) é um texto em latim medieval, provavelmente escrito por volta de 1109 e 1131.[5] O texto em latim do século XII, pretende ser uma tradução de uma obra anterior (e agora perdido) em inglês antigo, com lacunas no original danificadas preenchidas com a história oral. A cópia sobrevivente mais antiga dos Feitos de Herevardo está em um manuscrito feito em meados do século XIII na Abadia de Peterborough, juntamente com outros materiais relacionados com a abadia. Este manuscrito do século XIII é conhecido como o "Registo de Roberto de Swaffham".

O que se sabe sobre a história anterior dos Feitos de Herevardo vem de seu prólogo, de acordo com o que o texto original foi escrito em inglês antigo por Leofrico, um sacerdote da casa de Herevardo, que se tornou um de seus companheiros de batalha durante sua resistência contra Guilherme, o Conquistador.[5] O trabalho de Leofrico pode ter sido precipitado pela morte de Herevardo. O prólogo também informa que a versão anterior em inglês antigo foi seriamente danificado, mas não destruído: o autor dos Feitos de Herevardo havia sido instruído por seu superior a buscar os restos da obra de Leofrico e traduzi-lo para o latim. Isso ele fez, mas, devido ao seu estado danificado, preencheu a lacuna resultante da história oral, por insistência de seu superior. Tem sido argumentado que o autor dos Feitos de Herevardo foi Ricardo de Ely, e que seu superior era o Bispo Herveu de Ely, que ocupou esse cargo de 1109 até 1131.[5][6]

A versão dos Feitos de Herevardo que existe hoje é uma transcrição deste trabalho, o qual foi incorporado um livro contendo cartas e outros materiais relacionados com a abadia de Peterborough conhecido como o "Registo de Roberto de Swaffham", embora descrições variantes, tais como "O Livro de Roberto de Swaffham" também são encontrados.[7] De acordo com Janet D. Martin, o livro foi criado em "cerca de 1250", e originalmente terminou com a Feitos de Herevardo (Gesta Herewardi), mas material ainda, sem relação com a história de Herevardo, foi acrescentado no século XIV.[8]

A edição do Feitos de Herevardo do século XIX foi publicado em série por W. D. Sweeting, a partir de 1895, como um complemento para Fenland Notes e Queries: esta foi uma revista trimestral, publicada em Peterborough, dos quais Sweeting foi editor na época. Sweeting utilizou uma transcrição do Feitos de Herevardo por S. H. Miller para produzir uma edição em que a transcrição e tradução aparece em colunas paralelas.[9]

Vida e lenda[editar | editar código-fonte]

Em parte por causa do esboço da evidência de sua existência, sua vida tornou-se um imã para especuladores e estudiosos amadores. As primeiras referências a sua filiação, nos Feitos, fazem dele o filho de Edite, uma descendente de Oslaco de Iorque, e Leofrico de Bourne, sobrinho de Raul, o Porta-Estandarte. Alternativamente, também foi argumentado que Leofrico, Conde de Mércia e sua esposa Lady Godiva eram seus verdadeiros pais. Não há evidências para isso, e o Abade Brand, de Peterborough, que declarou ter sido seu tio, não parece ter relação com Leofrico ou Godiva. É improvável que, se Herevardo fosse um membro desta família proeminente, sua filiação não fosse uma questão de registro.[10] Algumas pesquisas modernas sugerem que ele tenha sido anglo-dinamarquês com um pai dinamarquês, Asquetil; uma vez que Brand também é um nome dinamarquês, faz sentido que o abade possa ter sido o irmão de Asquetil. A aparente habilidade em atrair o apoio dinamarquês também pode apoiar essa teoria.[11]

Seu nascimento é convencionalmente datado como 1035/36 porque os Feitos de Herevardo indica que ele foi exilado em 1054 aos 18 anos. No entanto, uma vez que o relato nos Feitos da primeira parte de seu exílio (na Escócia, Cornualha e Irlanda) contém elementos fantásticos, é difícil saber se é confiável.[12] Peter Rex, em sua biografia de 2005, ressalta que as campanhas em que ele teria lutado na região do Flandres parecem ter começado em torno de 1063 e sugerem que, se ele tivesse 18 anos no momento do seu exílio, nasceu em 1044/45.[13] Mas isso seria baseado no pressuposto de que a primeira parte da história é altamente fictícia.

Seu lugar de nascimento deve ser Bourne ou perto de Lincolnshire. O Domesday Book mostra que um homem chamado Herevardo manteve terras nas paróquias de Witham on the Hill e Barholm with Stow no sudoeste de Lincolnshire como arrendatário da abadia de Peterborough;[14] antes de seu exílio, também ocupava terras como arrendatário da Abadia de Croyland em Crowland, 13 km a leste de Market Deeping no fenland vizinho. Naquela época, era uma área pantanosa e alagadiça. Uma vez que as explorações de abadias poderiam ser amplamente dispersas em paróquias, a localização precisa de suas propriedades pessoais é incerta, mas certamente estava em algum lugar no sul do Lincolnshire.

Referências

  1. Room, Adrian (1992) Brewer's Names, Londres: Cassell, ISBN 0-304-34077-4
  2. Abadia de Peterborough, durante os cinco ou seis anos depois do incêndio da biblioteca de lá em 1116.
  3. Feitos Capítulo I
  4. Feitos, Capítulos I e XIX.
  5. a b c van Houts, Elisabeth, "Hereward and Flanders", no Anglo-Saxon England 28, 1999, pp. 202ff.
  6. Thomas (1998) p. 214
  7. Martin, Janet D., The Cartularies and Registers of Peterborough Abbey, Northamptonshire Record Society, 1978, pp. 7–12.
  8. Martin 1978. Nota-se que Estoire des Engleis de Godofredo Gaimar no início do século XII, escrito em franco anglo-normando, também inclui informações sobre os feitos de Herevardo, o Vigilante, como fazes o Liber Eliensis em latim, de meados do século XII, e um pouco mais tarde a história em latim da Abadia de Peterborough por Hugo Cândido: ver, por exemplo Short, Ian (ed. & trans.), Geffrei Gaimar Estoire Des Engleis History of the English, OUP, 2009; Liber Eliensis, Blake, E.O. (ed.), Camden Third Series, Royal Historical Society, 1962 (em latim) ou Fairweather, Janet, Liber Eliensis: A History of the Isle of Ely from the Seventh Century to the Twelfth, Boydell, 2005 (em inglês); e Mellows, W.T. (ed.), The Chronicle of Hugh Candidus a Monk of Peterborough, OUP, 1949 (em latim) ou The Peterborough Chronicle of Hugh Candidus (3ª edi.), Mellows, W.T. (ed. & trs.), Peterborough Museum Society, 1980 (em inglês). Cf. the Crônica Anglo-Saxônica, em, por exemplo Garmonsway, G.N., The Anglo-Saxon Chronicle, Dent, Dutton, 1972 & 1975, pp. 205–8.
  9. Note-se que o prefácio da edição de Miller e Sweeting atribui a autoria de Hugo Cândido, sem citar fontes para essa atribuição.
  10. Freeman, E. A. (1870–1876), The History of the Norman Conquest of England, vol.II, pp.679–83
  11. Rex, Chap. 2 & 3 also pp. 208–209 contain family trees for 'The House of Leofric Earl of Mercia' and 'The Family of Abbot Brand' respectively
  12. Rex, Peter (2005) Hereward: the last Englishman Chalford: Tempus, pp.54–55
  13. Rex, Peter, pp.58–9
  14. For maps, see eg Hereward the Wake at Open Domesday, and map of places associated with persons called Hereweard at PASE Domesday

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Herevardo, o Vigilante