Roberto, Conde de Mortain

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Roberto, Conde de Mortain
Nascimento 1031
Normandia
Morte 8 de dezembro de 1090 (59 anos)
Normandia
Progenitores Mãe:Herleva de Falaise
Pai:Herluino de Conteville
Irmão(s) Guilherme I de Inglaterra, Odo de Bayeux
Ocupação militar, nobre
Título conde
Roberto ("Rotbert"), Conde de Mortain (à direita) senta-se à esquerda de seu meio-irmão, Guilherme duque da Normandia. Seu irmão Odo ("Odo Ep(iscopu)s", "O Bispo") senta-se à direita do duque, implicando sua posição de mais velho. Esta cena na tapeçaria de Bayeux ocorre perto de Hastings, imediatamente antes de Guilherme ordenar a construção de um castelo naquele lugar, algum tempo antes da batalha de Hastings.

Roberto, Conde de Mortain, 2.° Conde de Cornualha (c. 1031–1090) foi um nobre normando e o meio-irmão de Guilherme, o Conquistador. Foi um dos participantes conhecidos na Batalha de Hastings e na época de Domesday Book foi um dos maiores proprietários de terras na Inglaterra.

Vida[editar | editar código-fonte]

Roberto era filho de Herluino de Conteville com Arlete de Falaise, e irmão de Odo de Bayeux.[1] Nasceu por volta de 1031 na Normandia, como meio-irmão de Guilherme, o Conquistador,[2] e era, provavelmente, não mais do que cerca de um ano mais novo que seu irmão Odo, nascido por volta de 1030.[1][3] Por volta de 1035, Herluino, como Vicomte de Conteville, juntamente com sua esposa Arlete de Falaise e Roberto fundaram a Abadia de Grestain.[4]

Em cerca de 1049, seu irmão duque Guilherme o fez Conde de Mortain,[5] no lugar de Guilherme Werlenc, que havia sido banido pelo duque; de acordo com Orderico Vital, em uma única palavra.[6] Guilherme Werlenc era neto do duque Ricardo I[7] e, portanto, um primo, uma vez afastado de Guilherme, duque da Normandia.[7] Proteger a fronteira sul da Normandia era fundamental para o duque Guilherme e Roberto confirmassem este condado chave que guardava as fronteiras de Bretanha e Bellême.[8]

No início de 1066, estava presente em ambos o primeiro conselho, do círculo interno de Guilherme, e um segundo conselho maior, realizado para discutir a conquista planejada pelo duque na Inglaterra. Roberto concordou em fornecer 120 navios para a frota de invasão,[9] o que representava mais do que qualquer outro dos magnatas de Guilherme.[10] O conde era um dos poucos homens conhecidos por estar presente na Batalha de Hastings em 1066.[11] É retratado em um jantar em Pevensey na tapeçaria de Bayeux, sentado com seus irmãos Guilherme e Odo no dia do desembarque na Inglaterra.[10] Ao conceder o mosteiro do Monte de São Miguel do mosteiro normando sobre o Monte Saint-Michel, Roberto registrou que tinha lutado na Batalha de Hastings sob a bandeira de São Miguel (habens in bello Sancti Michaelis vexillum).[12][13]

A contribuição de Roberto para o sucesso da invasão foi claramente considerada como altamente significativa pelo Conquistador, que lhe concedeu uma grande parte dos despojos; um total de 797 feudos na época do Domesday.[14] No entanto, a maior concentração de suas honras estava na Cornualha, onde ocupou praticamente todo esse condado e foi considerado por alguns o Conde de Cornualha.[nota 1][14] Enquanto Roberto mantinha terras em vinte condados, a maioria de suas participações em determinadas terras eram tão poucas quanto cinco feudos. O valor total de suas propriedades era de 2 100 libras.[15] Administrou a maioria de suas participações no sudoeste de Launceston, Cornualha, e Montacute em Somerset.[15] A detenção de única grande importância, no entanto, foi a violação de Pevensey (Sussex Oriental) que protegia uma das partes mais vulneráveis da costa sul da Inglaterra.[15]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Em 1069, juntamente com Roberto d'Eu, liderou um exército contra uma força dos dinamarqueses em Lindsay e afetaram grande massacre contra eles.[14] Depois disso, há pouca menção de Roberto, que parece ter sido um proprietário de terras ausente gastando a maior parte de seu tempo na Normandia.[16] Junto com seu irmão Odo ele participou de uma revolta em 1088 contra Guilherme II, mas depois foi perdoado.[14] Em 8 de dezembro de 1090 Robert morreu e escolheu ser enterrado na Abadia de Grestain,[14] perto de seu pai e ao lado de sua primeira esposa Matilda.[16]

Caraterísticas[editar | editar código-fonte]

Foi descrito por Guilherme de Malmesbury em seu Gesta Regum como um homem de uma enfadonha disposição estúpida (crassi et hebetis ingenii).[17] Mas Guilherme, o Conquistador, o considerava um dos seus maiores aliados e confiava nele com o importante condado de Mortain. Esta era uma confiança que ele dificilmente colocaria em alguém que seria de qualquer forma incompetente.[17] Mais pistas sobre seu caráter são encontradas na Vita de Vital de Savigny, um monge muito sábio que Roberto procurava como seu capelão.[17] Um incidente fala de Roberto batendo em sua esposa e o monge, intervindo, ameaçando terminar o casamento se ele não se arrependesse.[18] Ainda em outro registo Vital fala em deixar o serviço de Roberto abruptamente e depois de ser escoltado de volta por ele, o nobre implorou por perdão por suas ações.[18] No geral, foi proficiente em todos os deveres atribuídos por seu irmão, era um homem religioso ainda que tivesse um mal-temperamento o suficiente para bater em sua esposa, mas não se conhecido como um homem de grande sabedoria.[18]

Notas

  1. Sua posição de autoridade do sul ao oeste, portanto, levou muitos a considerá-lo como o Conde de Cornualha, embora pareça incerto se ele foi formalmente criado como tal. The Complete Peerage, III, 428 afirma, enquanto ele pode ter sido considerado o conde, só foi conhecido oficialmente como Comes Moritoniensis. De acordo com Charles Henderson "o Conde Roberto não chamou a si mesmo de Conde de Cornualha, [mas] seu poder pertenceu com os condes nos século seguinte, e depois deles com os duques". Veja: Henderson, C. G. (1933) "Cornwall and her patron saint", In: his Essays in Cornish History. Oxford: Clarendon Press; pp. 197-201.

Referências

  1. a b Detlev Schwennicke, Europäische Stammtafeln: Stammtafeln zur Geschichte der Europäischen Staaten, Neue Folge, Band III Teilband 4 (Marburg, Alemanha: Verlag von J. A. Stargardt, 1989), Tafel 694B
  2. George Edward Cokayne, The Complete Peerage of England Scotland Ireland Great Britain and the United Kingdom, Extant Extinct or Dormant, Vol. III, Ed. Vicary Gibbs (Londres: The St. Catherine Press, Ltd., 1913), p. 427
  3. George Edward Cokayne, The complete peerage; or, A history of the House of lords and all its members from the earliest times., Vol. VII, Ed. H. A. Doubleday, Howard de Walden (Londres: The St. Catherine Press, Ltd, 1929), p. 124
  4. David C. Douglas, William the Conqueror (Berkeley e Los Angeles: The University of California Press, 1964)p. 112
  5. K.S.B. Keats-Rohan, Domesday People, A Prosopography of Persons Occurring in English Documents 1066-1166, Volume I, Domesday Book (Woodbridge: The Boydell Press, Woodbridge, 1999)p. 371
  6. Ordericus Vitalis, The Ecclesiastical History of England and Normandy, Trans. Thomas Forester, Vol. II (Londres: Henry G. Bohn, 1854), p. 79
  7. a b Detlev Schwennicke, Europäische Stammtafeln: Stammtafeln zur Geschichte der Europäischen Staaten, Neue Folge, Band II (Marburg, Germany: Verlag von J. A. Stargardt, 1984), Tafel 79
  8. Brian Golding, 'Robert of Mortain', Anglo-Norman Studies XIII; Proceedings of the Battle Conference 1990, Ed. Marjorie Chibnall (Woodbridge: The Boydell Press, 1991), p. 120
  9. Elisabeth M.C, van Houts, 'The Ship List of William the Conqueror', Anglo-Norman Studies X: Proceedings of the Battle Conference 1987, Ed. R. Allen Brown (Woodbridge: The Boydell Press, 1988), p. 161
  10. a b Brian Golding, 'Robert of Mortain', Anglo-Norman Studies XIII; Proceedings of the Battle Conference 1990, Ed. Marjorie Chibnall (Woodbridge: The Boydell Press, 1991), p. 121
  11. K.S.B. Keats-Rohan, Domesday People, A Prosopography of Persons Occurring in English Documents 1066-1166, Volume I, Domesday Book (Woodbridge: The Boydell Press, Woodbridge, 1999)p. 372
  12. The Cartulary of St. Michael's Mount, ed. P.L. Hull, Devon and Cornwall Record Society, New Series, Vol. V (1962), p. 1
  13. Henderson, C. G. (1933) "Cornwall and her patron saint", In: his Essays in Cornish History. Oxford: Clarendon Press; pp. 197-201
  14. a b c d e George Edward Cokayne, The Complete Peerage of England Scotland Ireland Great Britain and the United Kingdom, Extant Extinct or Dormant, Vol. III, Ed. Vicary Gibbs (Londres: The St. Catherine Press, Ltd., 1913), p. 428
  15. a b c Brian Golding, 'Robert of Mortain', Anglo-Norman Studies XIII; Proceedings of the Battle Conference 1990, Ed. Marjorie Chibnall (Woodbridge: The Boydell Press, 1991), p. 124
  16. a b Brian Golding, 'Robert of Mortain', Anglo-Norman Studies XIII; Proceedings of the Battle Conference 1990, Ed. Marjorie Chibnall (Woodbridge: The Boydell Press, 1991), p. 144
  17. a b c Brian Golding, 'Robert of Mortain', Anglo-Norman Studies XIII; Proceedings of the Battle Conference 1990, Ed. Marjorie Chibnall (Woodbridge: The Boydell Press, 1991), p. 122
  18. a b c Brian Golding, 'Robert of Mortain', Anglo-Norman Studies XIII; Proceedings of the Battle Conference 1990, Ed. Marjorie Chibnall (Woodbridge: The Boydell Press, 1991), p. 123
Precedido por
Guilherme Warlenc
Conde de Mortain
1049–1095
Sucedido por
Guilherme
Precedido por
Brian de Bretanha
Conde de Cornualha
1072–1095
Sucedido por
Guilherme