Hixam I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hisham I)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Hixam.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Hisham I
Emir de Córdoba
Reinado 788-796
Antecessor(a) Abderramão I
Sucessor(a) Aláqueme I
Dinastia Omíadas
Nascimento 756
  Córdoba
Morte 796
  Córdoba
Pai Abderramão I
Mãe Halul

Hixam ibne Abdal Ramane Aldaquil (em árabe: هشام بن عبد الرحمن الداخل; transl.: Hisham ibn Abd al-Ramun Alddakhil; 756 - 796), melhor conhecido como Hixam I,[1] Hixeme I[2] ou Híxem I,[3] foi o segundo emir Omíada de Córdoba, governando de 788 até 796.

Vida e obras[editar | editar código-fonte]

Nascido em Córdoba, foi o primeiro filho e sucessor de Abderramão I e da sua esposa Halul. A sua elevação a emir provocou a sublevação dos seus irmãos Sulimão, governador de Toledo, e Abdalá, a quem derrotou, com a ajuda do convertido Muça ibne Fortune. Construiu muitas mesquitas e completou a Mesquita de Córdoba. Em 792, ele clamou por uma jiade contra os cristãos, atraindo muitos muçulmanos estrangeiros. A campanha acabou se realizando em 793 contra o Reino das Astúrias e o Condado de Tolosa, onde ele acabou derrotado em Orange por Guilherme de Gellone, o conde franco de Tolosa e o primo em primeiro grau de Carlos Magno.

Hixam morreu em 796 após reinar por oito anos, com apenas quarenta anos de idade. Ele se inspirava no califa Omar II (r. 717–720) e lutou para consolidar o modo de vida islâmico, vivendo uma vida simples, sem regalias ou ostentações. Ele foi considerado um homem temente a Alá e era conhecido por ser justo e imparcial.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Abderramão I
Emir de Córdoba
788796
Sucedido por
Aláqueme I

Referências

  1. Franca 1994, p. 105.
  2. Domingues 1997, p. 170.
  3. Alves 2014, p. 564.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alves, Adalberto (2014). Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa. Lisboa: Leya. ISBN 9722721798 
  • Domingues, José D. García (1997). Portugal e o Al-Andalus. Lisboa: Hugin. ISBN 9728310471 
  • Franca, Rubem (1994). Arabismos: uma mini-enciclopédia do mundo árabe. Pernambuco: Fundação de Cultura Cidade do Recife