Home video

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Home video é um termo genérico utilizado para se referir a mídias pré-gravadas que são ou vendidas ou alugadas para entretenimento caseiro. O termo surgiu na era do VHS e Betamax, e continuou sendo utilizado após o surgimento de formatos digitais como o DVD e Blu-Ray. A primeira empresa a duplicar e distribuir home videos foi a Magnetic Video, fundada em 1968.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada do home vídeo doméstico, a maioria dos filmes eram essencialmente inacessíveis ao público após seus suas exibições nos cinemas. Alguns filmes muito populares eram relançados no cinema, alguns podiam ser vistos em exibições cinemas que exibiam filmes antigos e e as salas de exibição de um de arquivos e ou museus e a partir década de 1950, esperar que fossem exibidos na televisão, mesmo que houvesse interrupções por anúncios publicitários e, muito provavelmente um momento difícil ou impossível de ouvir.

Aqueles que poderiam dar a esses luxos poderia comprar um projetor de filme 16 mm ou 8 mm e alugar ou comprar cópias de uso doméstico de alguns desenhos animados, curta-metragens de comédias trechos editados de longas-metragens. No caso do formato de 16 mm, a maioria deles estavam disponíveis com uma trilha sonora óptica, e até mesmo alguns filmes inteiros em 16 mm poderá ser alugado ou comprado, por um preço exorbitante. películas de 8 mm quase não tinham mais de dez minutos, e apenas alguns estavam disponíveis tiveram uma trilha sonora magnética. O formato de filme Super 8, lançado em 1965, foi comercializado para fazer filmes caseiros, mas também impulsionou a popularidade de exibições particulares de filmes. Eventualmente, versões mais longas foram lançadas, cada vez mais com uma trilha sonora magnética e coloridos, mas eles eram muito caros e servia apenas um pequeno nicho de mercado de cinéfilos muito dedicados.

Os formatos de videocassete Betamax e VHS não foram introduzidas até 1975 e 1976, respectivamente, e que levou vários anos, e queda de preços substanciais, antes de começarem a tornar-se popular. No início, Os estúdios de cinema e distribuidores de vídeo achavam que os consumidores não iriam querer comprar fitas de vídeo pré-gravadas, apenas alugá-las, e que praticamente todas as vendas seriam para locadoras de vídeo. Os preços foram, portanto, muito elevados. Eventualmente, percebeu-se que muitas pessoas queriam construir suas próprias videoteca, logo, os preço começaram a diminuir

A primeira empresa a copiar e distribuir home vídeo foi a Video Magnetic, estabelecido como um serviço de cópias de áudio e vídeo para empresas profissionais de áudio e televisão em Farmington Hills, Michigan, EUA, em 1968, apesar de que em 1972, sistema Cartrivision de Avco tenha precedido a Video Magnetic em alguns anos

Atualmente, o Netflix está entre as maiores empresas de alguém de vídeo.

Notas e referências

  1. J. Lardener - Fast Forward: Hollywood, The Japanese, and the VCR Wars (1987)
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.