Disco blu-ray

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Blu-Ray)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disco Blu-ray
Tipo de mídia
Disco óptico de alta densidade
Blu-ray Disc.svg

BluRayDiscBack.png
Uso em Áudio e vídeo,
Vídeo e áudio de alta definição,
Vídeo e áudio de alta definição com 3D estereoscópico
Armazenamento de dados,
Jogos de PlayStation 3, Wii U (BD-ROM), PlayStation 4, Xbox One
Codificação MPEG-2, MPEG-4 AVC (H.264), e VC-1
Capacidade 25 GB (camada simples)
50 GB (camada dupla) 100 GB, 200 GB e posteriores (BDXL)
Mecanismo de leitura Laser de 405 nm, 1x@36 Mbit/s
2x@72 Mbit/s
4x@144 Mbit/s
6x@216 Mbit/s[1]
Desenvolvido por Associação Disco Blu-ray
Dimensões 12 cm de diâmetro
DVD
Archival Disc

Disco Blu-ray, também conhecido como BD (de Blu-ray Disc) é um formato de disco óptico com 12 cm de diâmetro e 1,2 mm de espessura (igual ao CD e ao DVD) para vídeo e áudio de alta definição e armazenamento de dados de alta densidade. É uma alternativa ao DVD e é capaz de armazenar filmes até 1080p Full HD de até 4 horas em compressão com perda de dados. Requer uma TV Full HD de LCD, plasma ou LED para explorar todo seu potencial.

Sua capacidade varia de 25 GB (camada simples) a 50 GB (camada dupla) gigabytes. O disco Blu-Ray faz uso de um laser de cor azul-violeta, cujo comprimento de onda é 405 nanômetros, permitindo gravar mais informação num disco do mesmo tamanho usado por tecnologias anteriores (o DVD usa um laser de cor vermelha de 650 nanômetros).

Blu-ray obteve o seu nome a partir da cor azul do raio laser ("blue ray" em inglês significa "raio azul"). A letra "e" da palavra original "blue" foi eliminada porque em alguns países não se pode registrar uma palavra comum em forma de um nome comercial. Este raio azul mostra um comprimento de onda curta de 405 nm e conjuntamente com outras técnicas, permite armazenar substancialmente mais dados que um DVD ou um CD. A Blu-ray Disc Association (BDA) é responsável pelos padrões e o desenvolvimento do disco Blu-ray e foi criada pela Sony, Panasonic, Pioneer e Philips.

Em junho de 2011, o analista do The NPD Group, Russ Crupnick disse que "o mercado de vídeo em disco físico foi um pouco decepcionante."[2] Em 2014 a Time listou o Blu-ray em "5 produtos tecnológicos que serão mortos em 5 anos".[3] Em 2016 os DVDs e Blu-rays deixaram de ser o meio mais lucrativo para distribuição de vídeo nos Estados Unidos[4] e 2017 no Reino Unido, sendo sucedido pela mídia digital e streaming.[5]

História[editar | editar código-fonte]

2000-2002[editar | editar código-fonte]

A densidade de informação do DVD foi limitada pelo comprimento de onda dos diodos laser usados. Após o desenvolvimento prolongado, os diodos de laser azuis que operam a 405 nanômetros foram disponíveis em uma base de produção. A Sony iniciou dois projetos em colaboração com a Philips,[6] aplicando os novos diodos: UDO (Ultra Density Optical),[7] e DVR Blue (juntamente com a Pioneer), um formato de discos regraváveis ​​que acabaria por ser o Blu-ray Disc (mais especificamente, BD-RE). As principais tecnologias dos formatos são semelhantes. Os primeiros protótipos DVR Blue foram revelados na exposição CEATEC em outubro de 2000 pela Sony.[8] Uma marca registrada para o logotipo "Blue Disc" foi arquivada em 9 de fevereiro de 2001.[9] Em 19 de fevereiro de 2002, o projeto foi oficialmente anunciado como Blu-ray Disc,[10][11] e a associação Blu-ray Disc foi fundada por nove membros iniciais.

2003-2006[editar | editar código-fonte]

O primeiro dispositivo de consumo chegou às lojas em 10 de abril de 2003: o Sony BDZ-S77, um gravador de BD-RE de US $ 3,800 (EUA) que estava disponível apenas no Japão.[12] Mas não havia nenhum padrão para o vídeo pré-gravado, e nenhum filme foi lançado para este formato. Os estúdios de Hollywood insistiam que players fossem equipados com gerenciamento de direitos digitais antes de lançar filmes para o novo formato, e eles queriam um novo sistema de DRM que seria mais seguro do que o Sistema de Scramble de Conteúdo (CSS) com falha em DVDs. Em 4 de outubro de 2004, o nome "Blu-ray Disc Founders" foi oficialmente alterado para a Blu-ray Disc Association (BDA), e a 20th Century Fox juntou-se ao Conselho de Administração do BDA.[13] As especificações físicas do disco Blu-ray foram concluídas em 2004.[14] Em janeiro de 2005, a TDK anunciou que eles desenvolveram um revestimento de polímero ultra-duro ainda muito fino ("Durabis") para os discos Blu-ray; Este foi um avanço técnico significativo porque uma proteção muito mais dura era desejada no mercado de consumo para proteger discos nus contra riscos e dano em comparação com o DVD, enquanto que o disco Blu-ray tecnicamente exigia uma grande quantidade para o laser azul mais denso e de maior freqüência.[15] Os cartuchos, originalmente utilizados para proteção contra arranhões, já não eram necessários e foram descartados. As especificações do BD-ROM foram finalizadas no início de 2006.[16]

AACS LA, um consórcio fundado em 2004,[17] desenvolveu a plataforma DRM que poderia ser usada para distribuir filmes de forma segura aos consumidores. No entanto, o padrão AACS final foi adiado,[18] e depois atrasou novamente quando um membro importante do grupo Blu-ray Disc expressou preocupações.[19] A pedido dos fabricantes iniciais de hardware, incluindo Toshiba, Pioneer e Samsung, foi publicado um padrão provisório que não incluía alguns recursos, como cópia gerenciada.[20]

Desenvolvimento do lançamento e vendas[editar | editar código-fonte]

Os primeiros players de BD-ROM (Samsung BD-P1000) foram enviados em meados de junho de 2006, com os reprodutores de HD DVD ainda no mercado por alguns meses.[21][22] Os primeiros títulos de Blu-ray Disc foram lançados em 20 de junho de 2006: 50 First Dates, The Fifth Element, Hitch, House of Flying Daggers, Underworld: Evolution, xXx (todos Sony), Twister (Warner Bros .), e o Terminator da MGM.[23] Os primeiros lançamentos usaram a compressão de vídeo MPEG-2, o mesmo método usado nos DVDs. Os primeiros lançamentos usando o VC-1 e AVC, os mais novos formatos, foram introduzidos em setembro de 2006.[24] Os primeiros filmes que utilizam discos de camada dupla de 50 GB foram introduzidos em outubro de 2006.[25] Os primeiros álbuns somente de áudio foram lançados em maio de 2008.[26][27] O primeiro disco gravável Blu-ray Disc de disco rígido para o PC foi o BWU-100A, lançado pela Sony em 18 de julho de 2006.[28] Ele gravou apenas BD-Rs de camada única e dupla também como BD-REs e teve um preço de varejo sugerido de US$ 699. Em junho de 2008, mais de 2.500 títulos de discos Blu-ray estavam disponíveis na Austrália e no Reino Unido, com 3.500 nos Estados Unidos e no Canadá.[29] No Japão, a partir de julho de 2010, mais de 3.300 títulos foram lançados.[30]

Escopo futuro e tendências do mercado[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Media Research, as vendas de software de alta definição nos EUA foram mais lentas nos primeiros dois anos do que as vendas de software de DVD.[31] 16,3 milhões de unidades de softwares de DVD foram vendidos nos dois primeiros anos (1997-98), em comparação com 8,3 milhões de unidades de software de alta definição (2006-07).[31][32] Uma das razões dadas para esta diferença foi o mercado menor (26,5 milhões de HDTVs em 2007 em comparação com 100 milhões de SDTVs em 1998).[32] O antigo adepto do HD DVD, a Microsoft, não fez uma unidade de disco Blu-ray para o Xbox 360.[33] O sucessor do Xbox, o Xbox One, possui uma unidade Blu-ray, assim como o PS4, com ambos com suporte de Blu-ray 3D, depois de mais tarde serem lançadas atualizações de firmware.[34][35] Logo após a "guerra do formato" ter terminado, as vendas de discos Blu-ray começaram a aumentar. Um estudo do The NPD Group revelou que o Blu-ray Disc atingiu 60% das famílias dos Estados Unidos. Os números de vendas da Nielsen VideoScan mostraram que, para alguns títulos, como o 20th Century Fox's Hitman, até 14% do total de vendas de discos eram do Blu-ray, embora as vendas médias de Blu-ray no primeiro semestre do ano eram apenas de 5 %. Em dezembro de 2008, a versão Blu-ray Disc do The Dark Knight foram de 600 mil cópias no primeiro dia de seu lançamento nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido.[36] Uma semana após o lançamento, The Dark Knight em BD vendeu mais de 1,7 milhões de cópias em todo o mundo, tornando-se o primeiro título de Blu-ray Disc a vender mais de um milhão de cópias na primeira semana de lançamento.[37]

Declínio nas vendas e criticismo[editar | editar código-fonte]

Ainda em 2008, ano em que o Blu-ray saiu vitorioso na guerra dos formatos, foi projetada uma queda nas vendas de final de ano. Jason Kirby, do Macleans (Canadá) comentou que "quando o formato de vídeo VHS desquiciado oficialmente desistiu do fantasma há alguns anos atrás, ele havia sobrevivido à idade matutina de 30 (anos). Mas quase oito meses após a tecnologia Blu-ray da Sony surgi como o rei do vídeo de alta definição, os observadores já estão perguntando se seus dias estão contados. (...) Parte do problema é a guerra prolongada que ocorreu entre o Blu-ray e o formato rival HD DVD sobre o qual se tornaria o padrão da indústria. O HD DVD acenou a bandeira branca em fevereiro. Mas, enquanto as duas tecnologias lutaram, os preços dos DVD caíram e as novas tecnologias, como o vídeo sob demanda e a transmissão de vídeos na Internet, ganharam posição. (...) Como o Steve Jobs da Apple colocou em meados de outubro, o Blu-ray está agora em uma 'bolsa de dano'."[38]

Robin Harris, do Zdnet também comentou: "[O] Blu-ray está em uma espiral da morte (...) será um nicho videofílico, não um produto de mercado de massa. (...) Em poucas palavras: os consumidores dirigem ao mercado e eles não se importam com as vantagens teóricas da Blu-ray. (...) Lembram-se do Betamax? SACD? Minidisk? Disco laser? DVD-Audio? Há mais perdedores do que vencedores em formatos de armazenamento (...) Duas coisas mataram a estratégia original. Primeiro, a luta com o HD DVD paralisou a indústria por dois anos. (...) Em segundo lugar, o advento dos leitores de DVD de baixo custo com up-sampling reduz dramaticamente a vantagem de qualidade de vídeo dos Blu-rays para os DVDs. A Blu-ray Disc Association esperava uma enorme bonança em dinheiro, já que milhões de consumidores descobriram que os DVDs padrão pareciam terríveis na HDTV."[39]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Críticas ao blu-ray

Além das muitas críticas negativas em relação a tecnologia usada no disco, o Blu-ray também foi mencionado por consegui mostrar percepção de profundidade (semelhante ao Filme 3D, porém sem uso dos óculos) e mais detalhes do vídeo – o que é considerado por algumas pessoas como um ponto positivo e por outras não. Ricardo Calil em revisão do filme The Searchers para o site IG disse que "não parece um filme, parece uma holografia (com as figuras se destacando do cenário). É artificial. Ou hiperreal (...) para a maioria dos filmes antigos, o velho e bom DVD ainda funciona melhor."[40]

Danielsen do The Guardian do Reino Unido disse que uma animação como Wall-E tem um excelente despenho em Blu-ray. Mas criticou o filme Psycho por mostrar de forma incômoda os detalhes da maquiagem dos personagens. Ele também disse que o formato Blu-ray sofre de "excesso de clareza". Citando A Guerra dos Mundos (filme de 1953), ele disse que podem ser vistos fios segurando as naves marcianas em quase todas as cenas. Danielsen continuou a revisão dizendo: "Eu defendo a qualidade da imagem, mas não gosto de saber como o mágico faz o truque. Momentos como esse – em que a máscara cai e o mecanismo que move a ilusão é revelado – nos tiram do filme e nos levam para o mundo da técnica. Eles são inimigos da narrativa."[41]

Martin Scorsese analisando a tecnologia, citou como um ponto positivo os discos sendo capazes de destacarem a granulação dos filmes.[42] O uso do granulado em imagens e filmes causou muitas discussões, fazendo o site Blog do Jotacê lançar um questionário perguntando ao público se gosta deste tipo de artefato.[43]

Vídeo[editar | editar código-fonte]

Vídeo de alta definição podem ser armazenados em BD com resolução de até 1080i em até 59,94 quadros por segundo, se entrelaçado. Alternativamente, varredura progressiva pode ir até uma resolução de 1080p a 24 quadros por segundo, ou até 720p em até 59,94 quadros por segundo:

Resolução FPS Aspecto
1920×1080 29.97-i 16:9
1920×1080 25-i 16:9
1920×1080 24-p 16:9
1920×1080 23.976-p 16:9
1440×1080 29.97-i 16:9 (anamórfico)
1440×1080 25-i 16:9 (anamórfico)
1440×1080 24-p 16:9 (anamórfico)
1440×1080 23.976-p 16:9 (anamórfico)
1280×720 59.94-p 16:9
1280×720 50-p 16:9
1280×720 24-p 16:9
1280×720 23.976-p 16:9
720×480 29.97-i 4:3/16:9 (anamórfico)
720×576 25-i 4:3/16:9 (anamórfico)

Para vídeo, todos os players necessitam suportar os codecs MPEG-2, H.264/MPEG-4 AVC, e SMPTE VC-1. MPEG-2 é o padrão de compressão usado em DVDs, o que permite compatibilidade com versões anteriores. MPEG-4 AVC foi desenvolvido pelo MPEG, Sony, e VCEG. VC-1 é um padrão de compressão que foi principalmente desenvolvido pela Microsoft. BDs de vídeo devem armazenar o vídeo usando um dos três formatos obrigatórios; múltiplos formatos em um único título são permitidos.

A escolha dos formatos afeta os custos de licenciamento, bem como tempo de execução do título, devido às diferenças na eficiência de compressão. Discos codificados em vídeo MPEG-2 normalmente limitam os produtores de conteúdo para cerca de duas horas de conteúdo de alta definição em uma camada única (25 GB) BD-ROM. Os formatos mais avançados de vídeo (VC-1 e MPEG-4 AVC) tipicamente alcançam um tempo de execução de vídeo de duas vezes maior que MPEG-2, com qualidade comparável.

MPEG-2 foi utilizado por muitos estúdios (incluindo a Paramount Pictures, que inicialmente usou o formato VC-1 para as versões HD DVD) para a primeira série de discos Blu-ray, que foram lançados ao longo de 2006. Novos lançamentos são frequentemente codificados em MPEG-4 AVC ou VC-1, permitindo que estúdios de cinema a colocar todo o conteúdo em um disco, reduzindo custos e melhorando a facilidade de uso. Com estes formatos também libera muito de espaço para armazenamento de conteúdos bônus em HD (1080i / p), ao contrário do SD (480i / p) normalmente usada para a maioria dos títulos. Alguns estúdios, como Warner Bros, lançaram conteúdos bônus em discos codificados em um formato diferente do título principal. Por exemplo, o lançamento do disco Blu-ray de Superman Returns usa VC-1 para o filme e MPEG-2 para alguns de seus conteúdos bônus. Hoje, Warner e outros estúdios normalmente fornecem conteúdos bônus no formato de vídeo que combina o recurso.

Áudio[editar | editar código-fonte]

Taxa de Bits

Para o áudio os leitores devem suportar os codecs Dolby Digital (AC-3), DTS, e PCM linear. Os players podem, opcionalmente, utilizar Dolby Digital Plus e DTS-HD High Resolution Áudio, bem como formatos lossless Dolby TrueHD e DTS-HD Master Audio. Para títulos BD devem usar um dos sistemas obrigatórios para a trilha sonora principal. A trilha sonora secundária, se presente, pode usar qualquer um dos codecs obrigatórios ou opcionais.

Especificação dos codecs:
LPCM Dolby Digital Dolby Digital Plus Dolby TrueHD (Lossless) DTS Digital Surround DTS-HD Master Audio (Lossless)
Bitrate Max. 27.648 Mbit/s 640 kbit/s 4.736 Mbit/s 18.64 Mbit/s 1.524 Mbit/s 24.5 Mbit/s
Canais Max. 8 (48 kHz, 96 kHz), 6 (192 kHz) 5.1 7.1 8 (48 kHz, 96 kHz), 6 (192 kHz) 5.1 8 (48 kHz, 96 kHz), 6 (192 kHz)
Amos. de Bits 16, 20, 24 16, 24 16, 24 16, 24 16, 20, 24 16, 24
Amos. de Freq. 48 kHz, 96 kHz, 192 kHz 48 kHz 48 kHz 48 kHz, 96 kHz, 192 kHz 48 kHz 48 kHz, 96 kHz, 192 kHz

Para usuários a gravação de programação de televisão digital, a taxa de gravação Blu-ray Disc padrão de dados inicial de 36 Mbit / s é mais que adequado para gravar transmissões de alta definição a partir de qualquer fonte (IPTV, cabo / satélite ou terrestre). Filmes de vídeo BD tem uma taxa de transferência de dados máxima de 54 Mbit / s, uma taxa de bits máxima AV de 48 Mbit / s (para áudio e dados de vídeo), e uma taxa de bit de vídeo máxima de 40 Mbit / s. Isso se compara a filmes em HD DVD, que têm uma taxa de transferência de dados máxima de 36 Mbit / s, uma taxa de bits máxima de 30,24 AV Mbit / s, e um bitrate de vídeo máxima de 29,4 Mbit / s.

Guerra dos formatos[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Blu-ray é oficialmente o sucessor do DVD

Blu-ray e HD DVD concorreram pela sucessão do DVD. No entanto em 19 de Fevereiro de 2008, a Toshiba comunicou a decisão de não continuar com o desenvolvimento, fabricação e comercialização do HD DVD. Segundo Atsutoshi Nishida, presidente da Toshiba, a decisão da Warner Bros em usar exclusivamente o Blu-ray foi preponderante para a tomada dessa decisão.[44] Outro fator que influenciou a vitória foi o Video game PlayStation 3 que foi o Blu-ray player mais barato do mercado e vendia mais que todos os outros players de HD-DVD. A Microsoft também é apontada como responsável, pois por ser a única força financeira com condições de fazer frente ao consórcio Blu-ray não embutiu o HD-DVD como formato padrão no Xbox 360, priorizando a distribuição digital. O Blu-ray ganhou assim a guerra contra o HD DVD e é o novo sucessor do DVD. Em 2008, todos os grandes estúdios migraram para o Blu-Ray, incluindo os ex-exclusivos do HD-DVD como Universal e Paramount.

Houve um debate se o Blu-ray iria conter a distribuição digital como futuro do formato de entretenimento. O grande diferencial do disco é não precisar de banda larga e discos rígidos de alta capacidade de armazenamento, além dos consumidores estarem habituados a discos CD e DVD. E também já houve estudos para um formato sucessor como o HVD que permitiria ainda mais armazenamento possibilitando mais de 100 horas de alta definição ou até 6 Terabytes de capacidade por disco, mas a empresa faliu em 2010 devido a atrasos na entrega do disco.

A China propôs um formato, CH-DVD em março de 2008 para não pagar royalties à Sony, mas já é ignorada pela indústria de entretenimento por o país ser um grande polo mundial de pirataria.

Equipamento necessário[editar | editar código-fonte]

Para assistir ao Blu-ray é necessário ter um aparelho capaz de reproduzi-lo, ou seja, um player (tocador) ou um home theater de blu-ray. Para aproveitar o poder da alta resolução de som e imagem, necessário ter um aparelho de TV compatível com o sistema de alta definição (mínimo de 720p) e um home theater para a experiência do áudio DTS-HD Master 7.1/5.1.

Apoio software Java[editar | editar código-fonte]

Na feira JavaOne de 2005, foi anunciado que o software ambiente multiplataforma Java da Sun Microsystems seria incluído em todos os "tocadores" Blu-ray como uma parte obrigatória do padrão. Java é usada para aplicar menus interativos em discos Blu-ray, em oposição ao método usado em DVD de vídeo, que utiliza segmentos MPEG pré prestados e imagens de legenda selecionáveis, que é consideravelmente mais primitivo e menos perfeito. James Gosling, criador do Java, na conferência, sugeriu que a inclusão de uma máquina virtual Java bem como conectividade de rede em alguns dispositivos BD irá permitir atualizações para os discos Blu-ray através da Internet, acrescentando conteúdos, tais como idiomas de legenda adicionais e recursos promocionais que não estão incluídos no disco no momento (Atualmente os tocadores de BD de nova geração vem com esta funcionalidade, são chamados de aparelhos blu-ray 2.0, ou segunda geração, onde dados referentes aos filmes em execução são baixados por uma porta ethernet do player). Esta versão Java é chamada de BD-J e é um subconjunto do padrão Globally Executable MHP (GEM). GEM é a versão mundial do padrão Multimedia Home Platform.

Capacidade de armazenagem e velocidade[editar | editar código-fonte]

Um disco Blu-Ray de 200 Gigabytes.

Os discos BD vem em diferentes formatos:

  • BD-ROM: Um disco que é só de leitura;
  • BD-R: Disco gravável;
  • BD-RE: Disco regravável.

Um disco (kh) de camada única (Single Layer em inglês) Blu-Ray pode conter cerca de 25 GB de dados ou cerca de 6 horas de vídeo de alta definição mais áudio, e, no modo de dupla camada (Double Layer), este espaço é duplicado, podendo conter, aproximadamente, 50 GB. Suporta os formatos de compressão MPEG-2, MPEG-4 e VC-1. A velocidade de transferência de dados é de 36 Mbit/s (54 Mbps para BD-ROM), mas protótipos a 2x de velocidade com 72 Mbit por segundo de velocidade de transferência estão em desenvolvimento. O BD-RE (formato regravável) padrão já está disponível, assim como os formatos BD-R (gravável) e o BD-ROM, como parte da versão 2.0 das especificações do Blu-ray. Em 19 de Maio de 2005, TDK anunciou um protótipo de disco Blu-ray de quatro camadas (100 GB). Outros discos Blu-ray com capacidades de 200 GB (oito camadas) estão também em desenvolvimento.

Recentemente[quando?] a TDK anunciou ter criado um disco Blu-ray experimental capaz de armazenar até 200 GB de informação em um único lado (6 camadas de 33 GB). Para isso, foi necessário aumentar a capacidade de cada camada de 25 GB para 33 GB. Isso foi possível graças ao Peróxido de bismuto como meio de gravação.[45]

Blu-ray 4K UHD[editar | editar código-fonte]

Em 5 de setembro de 2014, a Associação Blu-ray Disc revelou que o futuro formato 4K Blu-ray que irá apoiar resolução 4K UHD (3840x2160) de vídeo com uma cadência de até 60 quadros por segundo. O padrão irá codificar vídeos, incluindo o padrão High Efficiency Vídeo Coding (HEVC).[46]

Os discos Blu-ray 4K irão apoiar High dynamic range (HDR), aumentando o contraste e a profundidade de cor de 8 para 10 bits por cor, também com sampleamento de imagem em 4:2:0[47] e uma maior gama de cores usando o Rec. 2020, com espaço de cor utilizando o HEVC. A especificação do Blu-ray 4K permite três tamanhos de discos, cada um com a sua própria taxa de dados: 50 GB com 82 Mbit / s, 66 GB com 108 Mbit / s, e 100 GB com 128 Mbit / s .[46]

O Blu-ray 4K foi licenciado em meados de 2015 e os leitores dos discos tem uma data de lançamento prevista para o Natal de 2015.[46] Em 12 de maio de 2015, a Associação Blu-ray Disc revelou que as especificações foram concluídas e o logotipo oficial Ultra HD Blu-ray.[48]

Não confundir Blu-ray 4K com Blu-rays masterizados em 4K que a Sony lançou em 2014. Eles apresentam a resolução 1080p, mas foram criados a partir de uma master 4K, sem apresentar a resolução 4K nativa.[49][50]

Dimensões e capacidade de armazenagem[editar | editar código-fonte]

Dimensões Capacidade de uma camada Capacidade com camada dupla
12 cm, lado único 25GB (23.3GiB) 50GB (46.6GiB)
12 cm, dois lados 50GB (46.6GiB) 100GB (93.2GiB)
8 cm, lado único 7.8GB (7.3GiB) 15.6GB (14.5GiB)
8 cm, dois lados 15.6GB (14.5GiB) 30.12GB (29GiB)

Velocidade de gravação[editar | editar código-fonte]

Velocidade do drive Taxa de transferência de dados Tempo de gravação para disco blu-ray (minutos)
Mbit/s MB/s Uma Camada Duas Camadas
36 4.5 90 180
72 9 45 90
144 18 23 45
216 27 15 30
288 36 12 23
12× 432 54 8 15

Diferenças entre o blu-ray, HD DVD e o DVD[editar | editar código-fonte]

Blu-ray HD DVD DVD
Capacidade (armazenamento) 23.3 / 25 / 27 GB (Camada Única)
46.6 / 50 / 54 GB (Camada Dupla)
15 GB (Camada Única)
30 GB (camada dupla)
4.7 GB (Camada Única)
8,5GB (Camada Dupla)
Comprimento de onda do raio laser 405 nm 400 nm 650 nm
Taxa de transferência 54,0 MB/s 36,55 MB/s 11,1 MB/s
Formatos suportados MPEG-2, MPEG-4 AVC, VC-1 MPEG-2, VC-1 (Baseado no WMV), H.264/MPEG-4 AVC MPEG-2

Divisão das regiões[editar | editar código-fonte]

Mapa da divisão das regiões do Blu-ray.

As regiões do Blu-ray são diferentes das regiões do DVD

Código da Região Área
A ou 1 América do Norte, América Central, América do Sul (Exceto a Guiana Francesa), Leste da Ásia (exceto República Popular da China e Mongólia)
B ou 2 Europa, Oriente Médio, África, Oceania e Guiana Francesa
C ou 3 República Popular da China, Mongólia, Rússia, Bielorrússia, Ucrânia, Ásia Central, Subcontinente Indiano.

Jogos em Blu-Ray[editar | editar código-fonte]

O Playstation 3 (modelo prata que nunca foi lançado) suporta a tecnologia Blu-ray.
Playstation 3 na sua versão preta.

Todos os jogos do PlayStation 3 são em formato Blu-ray. Alguns chegam a quase 50 GB de tamanho (devido aos gráficos complexos e imagens em 3D), como por exemplo, Uncharted 3: Drake's Deception, God of War III, Killzone 3 e Resistance 3. Assim como os filmes os jogos também utilizam códigos de regiões que se diferenciam por região 1, 2, 3 e livre, porém não valem como bloqueio e sim para identificação.

Também esse formato é usado nos consoles da oitava geração como: Wii U (originalmente como BD-ROM), Playstation 4 (sucessor do PS3) e o Xbox One (sucessor do Xbox 360 cujo, este não usava esta tecnologia mas sim a do HD DVD).

Blu-ray no Brasil[editar | editar código-fonte]

Disco Blu-ray da Sony.

Os discos de blu-ray, assim como tradicionalmente fazem os DVD, permitem que se escolha legendas (e ocasionalmente dublagem) para diversas línguas. Para se ter uma variedade maior pode-se importar. Alguns títulos comercializados no exterior podem trazer legendas e/ou dublagem em português brasileiro. Os países da região A onde se comercializam a maioria dos títulos que incluem suporte ao português brasileiro são os EUA e Japão.

Títulos disponíveis no Brasil[editar | editar código-fonte]

A Paramount, desde dezembro de 2008 dispõe de seus principais filmes em Blu-ray no Brasil.[51]

A Disney é a empresa da área que menos comercializa Blu-ray no Brasil. Tem pouquíssimos títulos da mídia, e quando raramente algum é lançado, como High School Musical 3 e Monstros S.A, vem em uma versão simples, sem bônus, diferentemente dos Blu-rays triplos lançados nos Estados Unidos, os filmes lançados no país são produzidos no Japão, tendo finalização na Zona Franca de Manaus.[52]

A principal desenvolvedora do formato Blu-ray, Sony, possui diversos títulos no formato lançados no país, e outros lançados durante o ano de 2009.[53]

Problemas[editar | editar código-fonte]

Na época de seu lançamento, em 2008 e 2009, os títulos em blu-ray no país foram considerados os mais caros do mundo.[54] Em julho de 2009, o site Blog do Jotacê foi o primeiro do Brasil a inciar uma campanha contra a Warner citando "Uma dúzia de razões para boicotar a Warner Brasil", devido a má qualidade dos títulos no país, tanto.[55] Em janeiro de 2010, o boicote ocorreu novamente, mas desta vez contra a Fox, chamando-a de "a pior produtora do Brasil".[56] Ambos os protestos tiveram êxito, fazendo as empresas reavaliarem suas decisões.[57] Ainda no mesmo ano, passaram a ser vendidos discos Blu-ray piratas no mercado brasileiro.[58]

Dentre outros problemas encontrados nos discos nacionais, estão a baixa qualidade da réplica do conteúdo, a falta de "luvas",[59] de extras, de áudio em alta-definição[60] e discos a menos em relação as edições internacionais.[61] Em agosto de 2015 foi iniciado uma campanha contra a Disney do Brasil,[57] ganhando ampla repercussão nas redes sociais da empresa e dos responsáveis.[62] O site Portallos, em apoio a campanha disse que é "sempre animador quando o BJC [Blog do Jotacê] compra alguma briga com uma multinacional que se acha dona do mundo e por isso faz seus produtos nas coxas para nosso mercado BR."[63]

Produção de blu-ray no Brasil[editar | editar código-fonte]

Wilson Cabral, diretor-geral da Sony Pictures do Brasil, declarou ao AdNews que estava otimista com o crescimento de vendas e do consumo de Blu-Ray em 2009, acreditando que os primeiros discos no formato começariam a ser produzidos no Brasil no 2° semestre de 2009.[64]

A empresa brasileira MultiLaser já disponibiliza sua própria mídia blu-ray virgem, com capacidade de 25GB.[65]

O primeiro blu-ray a ser gravado, produzido, autorado e fabricado no Brasil é a produção independente, "Outra Vez - Ao Vivo no Estúdio", lançado em julho de 2009 pelo cantor e compositor, Ritchie.[carece de fontes?] A Microservice foi a primeira empresa a replicar discos blu-ray no Brasil, produzindo a primeira mídia pré gravada em Novembro de 2009.[carece de fontes?]

Referências

  1. «LG 6x Blu-Ray Burner Available in Korea». CDRinfo.com 
  2. David Lieberman (8 de junho de 2011). «Report: Blu-ray Sales Falling Short Of Expectations Even As Prices Decline». DeadLine (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2017 
  3. «5 Tech Products That Will Be Dead in 5 Years». Time (em inglês). 2 de janeiro de 2014. Consultado em 24 de janeiro de 2018 
  4. Felix Richter (12 de janeiro de 2018). «Streaming Dominates U.S. Home Entertainment Spending». Statista. Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  5. Mark Sweney (4 de janeiro de 2017). «Film and TV streaming and downloads overtake DVD sales for first time». The Guardian (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2017 
  6. «Panasonic, Sony, Philips And TDK Awarded Emmy For Blu-Ray Contribution». IN Latest (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  7. «Sony Develops Next Generation Optical Disk Storage System For the Data Server Market». Sony (em inglês). 1 de novembro de 2000. Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  8. Williams, Martyn (5 de outubro de 2000). «New High-Capacity DVD to Hold 22.5GB». PC World (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  9. «Sony Shows 'DVR-Blue' Prototype». Trademarkia (em inglês). 11 de outubro de 2000. Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  10. Barry Fox (19 de fevereiro de 2002). «Replacement for DVD unveiled». Newscientist (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  11. «Disclosure of Specifications for Large Capacity Optical Disc Recording Format Utilizing Blue-Violet Laser "Blu- ray Disc" Begins"». Sony (em inglês). 20 de maio de 2002. Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  12. Maxim Liadov. «Sony BDZ-S77 Recorder Review». Princenfess (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  13. «Fox trots towards Blu-ray». It World (em inglês). 4 de outubro de 2002. Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  14. Martyn Williams (5 de agosto de 2004). «New Blu-ray Details Emerge». PC World (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  15. 9 de janeiro de 2005. «Exclusive TDK Durabis Coating Technology Makes Cartridge-Free, Ultra-Durable Blu-ray Discs a Reality». Phys.org (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  16. Tony Smith (6 de janeiro de 2006). «Blu-ray Disc developers complete specification». The Register (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  17. Katie Dean (15 de julho de 2004). «Can Odd Alliance Beat Pirates?». Wired (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  18. Martyn Williams (14 de dezembro de 2005). «Toshiba Hints at HD DVD Delay». PC World (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  19. Craig Morris (14 de fevereiro de 2006). «AACS copy protection for Blu-ray Disc and HD DVD delayed again». Heise (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  20. Perenson, Melissa J. (21 de março de 2006). «Burning Questions: No Copying From First High-Def Players». PC World (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2018 
  21. «Toshiba Starts Selling HD DVD Players in Japan». Fox News (em inglês). 31 de março de 2006. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  22. Dan Costa (15 de junho de 2006). «Samsung Ships the First Blu-ray Player». PC Mag (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  23. «Sony Rearranges Blu-ray Release Schedule». High-Def Digest (em inglês). 15 de junho de 2006. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  24. «Full Specs in for Warner's September 26 Lineup; Studio to Go VC-1 for Blu-ray?, BLU-RAY NEWS». High-Def Digest (em inglês). 30 de agosto de 2006. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  25. Peter M. Bracke (10 de outubro de 2006). «Click: Blu-ray Disc review». High-Def Digest (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  26. «Trondheimsolistene – in folk style, 2L the Nordic sound website May 2008». 2L (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  27. «HTForumweb review, Ghosts I-IV Deluxe Edition Package (HALO Twenty Six DE)». NIN (em inglês). 1 de maio de 2008. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  28. «Sony Unveils First Blu-Ray Disc Drive Burner». Sony (em inglês). 18 de julho de 2006. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  29. «Now Available». Blu-ray.com (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  30. «Blu-ray/HD DVD releases in Japan». AV Watch (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  31. a b «Blu-ray discs reach 1.5 million sold, HDM still trails DVD's first two years». Engadget. AOC (em inglês). 16 de fevereiro de 2008. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  32. a b Brian Gallagher (20 de fevereiro de 2008). «High-Definition Sales Far Behind Standard DVD's First Two Years». MovieWeb. Watchr Media (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  33. Mike Ricciuti (18 de março de 2008). «Report: Microsoft says no Blu-ray for Xbox 360 CNET». CNET (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  34. Richard Lawler (23 de julho de 2014). «PS4 will add Blu-ray 3D support next week». Engadget (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  35. Richard Lawler (23 de julho de 2014). «Xbox One's next update makes it easier to keep up with friends, and play Blu-ray 3D». Engadget (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  36. «Disc Sales: 'Dark Knight' Tops 600K On Release Day». High-Def Digest (em inglês). 11 de dezembro de 2008. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  37. «Disc Sales: 'Dark Knight' Blu-ray Breaks 1M First-Week Barrier». High-Def Digest (em inglês). 17 de dezembro de 2008. Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  38. Jason Kirby (6 de novembro de 2008). «New Blu-ray format 'in a death spiral'». Macleans (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  39. Robin Harris (28 de outubro de 2008). «Blu-ray is dead - heckuva job, Sony!». Zdnet (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2018 
  40. Ricardo Calil (14 de setembro de 2010). «O Blu-Ray é perfeito demais?». ricardocalil.ig.com.br. Consultado em 6 de julho de 2016 
  41. «The devil is in Blu-ray's detail». The Guardian (Reino Unido) (em inglês). www.theguardian.com. 31 de agosto de 2010. Consultado em 6 de julho de 2016 
  42. Mike Attebery (9 de novembro de 2009). «Blu-ray Brings a Smile to Martin Scorsese's Face!» (em inglês). www.highdefdigest.com. Consultado em 6 de julho de 2016 
  43. Jotacê (12 de setembro de 2010). «BJC pergunta: você gosta de granulação?». bjc.uol.com.br. Consultado em 6 de julho de 2016 
  44. «Sony vence Toshiba na "guerra dos formatos" de DVD». 2008. Consultado em 19 de fevereiro de 2008 
  45. TDK Creates 200GB Blu-Ray Disc Prototype. Disponível em < http://www.xbitlabs.com/news/storage/display/20060831225504.html > (em inglês). Acesso a 17 de Janeiro de 2011
  46. a b c «4K Blu-ray discs arriving in 2015 to fight streaming media"». CNET (em inglês). cnet.com. 5 de setembro de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2015 
  47. Jon Mundy. «4K Blu-ray standard confirmed». TrustedReviews (em inglês). Consultado em 7 de novembro de 2015 
  48. «4K Blu-ray standard confirmed». Business Wire (em inglês). 12 de maio de 2015. Consultado em 7 de novembro de 2015 
  49. «Tudo o que você precisa saber sobre as TVs Ultra HD e 4K». PCWorld. Consultado em 15 de setembro de 2014 
  50. «Sony vai lançar filmes "Mastered in 4K" que na verdade são Full HD». CDN. Consultado em 15 de setembro de 2014 
  51. Bruno Cabral (3 de novembro de 2008). «Brasil – Blu-rays da Paramount para dezembro!». Blog do Jotacê. bjc.uol.com.br. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  52. Jotacê (7 de junho de 2010). «A decepcionante replicação de Blu-rays no Brasil». Blog do Jotacê. bjc.uol.com.br. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  53. «Home Entertainment Sony». Sony. SonyPictures.com.br. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  54. Jotacê (19 de fevereiro de 2009). «Brasil tem o Blu-ray mais caro do mundo». Blog do Jotacê. bjc.uol.com.br. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  55. Jotacê (19 de julho de 2009). «Uma dúzia de razões para boicotar a Warner Brasil». Blog do Jotacê. bjc.uol.com.br. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  56. Jotacê (24 de janeiro de 2010). «Fox: a PIOR produtora do Brasil». Blog do Jotacê. bjc.uol.com.br. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  57. a b Jotacê (16 de agosto de 2015). «Dez razões para BOICOTAR a Disney Brasil – #BoicoteDisneyBR». Blog do Jotacê. bjc.uol.com.br. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  58. Jotacê (5 de julho de 2010). «Blu-rays piratas invadem o Brasil». Blog do Jotacê. Uol. Consultado em 19 de janeiro de 2016 
  59. Alexandre Prestes (4 de julho de 2011). «ATUALIZADO - Primeira temporada de The Walking Dead em Blu-ray no Brasil!». Blog do Jotacê. Uol. Consultado em 19 de janeiro de 2016 
  60. Alexandre Prestes (29 de setembro de 2012). «BD Resenha: The Walking Dead – 1ª Temporada (Brasil)». Blog do Jotacê. bjc.uol.com.br. Consultado em 19 de janeiro de 2016 
  61. Alexandre Prestes (14 de novembro de 2013). «CARAY! A PlayArte aprontou MAIS UMA com The Walking Dead em Blu-ray!». Blog do Jotcê. Uol. Consultado em 19 de janeiro de 2016 
  62. Vinícius Resende (21 de agosto de 2015). «ATUALIZADO - Saiba porque fãs do Brasil estão deixando de comprar filmes da Disney». Pizza de Ontem. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  63. Thiago Machuca (16 de agosto de 2015). «Campanha no BJC pede boicote aos DVD e BDs Disney!». Portallos. Consultado em 17 de janeiro de 2016 
  64. [1]
  65. [2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Disco blu-ray

Ligações externas[editar | editar código-fonte]