Imogen Cunningham

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma das fotografias botânicas de Imogen Cunningham

Imogen Cunningham (12 de Abril de 1883 - 24 de Junho de 1976) foi uma fotógrafa dos Estados Unidos da América, conhecida pelas suas fotografias de temas botânicos, de nus e de cenas urbanas e industriais.

Cunningham nasceu em Portland (Oregon). Em 1901, aos 18 anos de idade, comprou a sua primeira câmara fotográfica, mas rapidamente perdeu interesse pela fotografia, vendendo essa câmara. Só em 1906, quando estudava na Universidade de Washington em Seattle, foi inspirada por um encontro com o trabalho de Gertrude Kasebier. Com ajuda do professor de química, Dr. Horace Byers, começou a estudar a química por trás da fotografia, financiando as aulas com fotografias de plantas para o departamento de botânica.

Depois de completar o curso em 1907 foi trabalhar com Edward S. Curtis no seu estúdio de Seattle. Isto deu a Cunningham a oportunidade valiosa de aprender a fotografar retratos e o lado prático da arte fotográfica.

Em 1909, Cunningham ganhou um bolsa de estudo da sua irmandade (Pi Beta Phi) para estudar no estrangeiro e, aconselhada pelo professor de química, foi estudar com o Prof. Robert Luther na Technische Hochshule em Dresden, Alemanha.

Em Dresden concentrou-se nos estudos e não tirou muitas fotografias. Em Maio de 1910 termina a escrita do artigo "About the Direct Development of Platinum Paper for Brown Tones", descrevendo o processo de aumentar a velocidade de impressão, a claridade dos tons e produção de tons sépia. Regressando a Seattle conheceu Alvin Langdon Coburn em Londres e Alfred Stieglitz e Gertrude Kasebier em Nova Iorque.

Imogen Cunningham, Dream, 1910

De volta a Seattle abriu o seu próprio estúdio e recebeu grande aprovação pelo trabalho de retratos e pictórico. A maior parte do trabalho de estúdio nessa época consistia em fotografias da sua sala, ou dos bosques em redor da sua propriedade campestre. Exibiu fotografias na Brooklyn Academy of Arts and Sciences em 1913.

Em 1914 os retratos de Cunningham foram mostrados na "International Exhibition of Pictorial Photography" em Nova Iorque e um portfólio da sua obra foi publicada no Wilson's Photographic Magazine.

Casou no ano seguinte com Roi Partridge, artista. Ele posou para uma série de fotografias de nus, que foram mostradas na Seattle Fine Arts Society. Embora aclamadas pela crítica, o público não aprovou essas ousadas imagens e Cunningham só revisitaria o tema passados 55 anos.

Entre 1915 e 1920 Cunningham continuou o seu trabalho e teve três filhos (Gryffyd, Rondal, e Padraic) com Roi. Em 1920 mudou-se de Seattle para San Francisco onde Roi ensinava no Mills College.

Em San Francisco, Cunningham refinou o seu estilo, tomando um novo interesse nos padrões e nos pormenores com o estudo das texturas, árvores, listas, etc., aumentando também a quantidade de trabalhos de fotografia botânica, especialmente flores, e entre 1923 e 1925 fez um estudo aprofundado das flores de magnólia. Mais tarde interessar-se-ia pelas paisagens industriais de Los Angeles e Oakland.


Em 1929 Edward Weston nomeou 10 das fotos de Cunningham (8 botânicas, 1 industrial e 1 nu) para incluir na exposição "Film und Foto" em Stuttgart. Cunningham mudou mais uma vez o seu interesse para a forma humana, em particular as mãos, especialmente as mãos de músicos e outros artistas. Esse interesse conduziu ao seu emprego na Vanity Fair, fotografando estrelas sem maquilhagem e em ambientes intimistas. Em 1932, Cunningham foi uma das fundadoras do Grupo f/64, que queria "definir a fotografia como forma de arte por uma simples e directa apresentação por métodos puramente fotográficos".

Em 1934 Cunningham foi convidada para trabalho em Nova Iorque na Vanity Fair. O seu marido quis que esperasse até que pudessem viajar juntos, mas ela recusou e mais tarde estariam divorciados. Continuou a trabalhar com a Vanity Fair até que esta deixou de ser publicada em 1936.

Na década de 1940 Cunningham interessou-se pelo documentário e fotografia de rua como projecto pessoal enquanto vivia do trabalho comercial e fotografia de estúdio. Em 1945, Cunningham foi convidada por Ansel Adams para leccionar na faculdade, no departamento de arte fotográfica da California School of Fine Arts (CSFA). Dorothea Lange e Minor White também se lhe juntaram como colegas.[1]

Cunningham continuou a fotografar até pouco antes do seu falecimento aos 93 anos em 24 de Junho de 1976 em San Francisco, Califórnia.

Livros[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Imogen Cunningham