Isabel Silvestre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Isabel Gomes Silvestre ComIH (São Pedro do Sul, Manhouce - perto da Serra da Freita, c. 1946), é uma cantora portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Professora do Ensino Primário, Isabel Silvestre fundou em 1978 o Grupo Cantares e Trajes de Manhouce, com o qual gravou alguns discos.

Convidada por Rão Kyao, acompanhou este músico em concertos na Alemanha, Estados Unidos da América e Canadá[1]. Mas seria em 1992, através da sua participação na música dos GNR, Pronúncia do Norte, que se daria a conhecer ao grande público.

Ao lado de nomes como Sérgio Godinho, Mão Morta, Madredeus, Delfins participou no disco de homenagem a António Variações.

O seu primeiro álbum a solo foi produzido por João Gil e composto de várias canções populares, cujas raízes remontam aos locais onde cresceu. As suas músicas são pautadas da mesma simplicidade, naturalidade e força expressiva, sugerida pela cantora. O guitarrista Mário Delgado, que co-produziu este disco, teve na realização do disco uma influência notável.

O trabalho de Isabel Silvestre parte da ideia de registar o canto de Manhouce e das terras da sua infância. Na faixa Senhora da Saúde, do álbum Eu, contou com a participação de Rão Kyao dando voz a uma nova aposta no retrato para as gerações futuras da herança tradicional da região viseense.

Com Pedro Barroso e Vitorino, colaborou na campanha da Fenprof para colocar novamente a funcionar o sistema educativo timorense. No disco Uma Escola Para Timor, de 2000, são interpretadas canções do professor e músico Rui Moura.

Participou ainda no CD Bom Jesus - Alegria dos Homens, produzido na Ilha da Madeira, com música popular religiosa.

A 9 de Junho de 2005 foi feita Comendadora da Ordem do Infante D. Henrique.[1] Em 2006 lançou o álbum Cantar Além.

Com a Banda Futrica participou numa versão de Menino do Bairro Negro, incluída no disco Com Zeca No Coração, de 2007.

Em Novembro de 2010 é editado o livro "Memória de um Povo" pela Temas & Debates [2]. O livro é acompanhado de um cd com o cantar dos reis de 1982.

Em 2015 é lançado pela Tradisom o álbum "Cânticos da Terra e da Vida". O disco inclui arranjos originais de canções tradicionais portuguesas e de "Asa de vento", com poema de Amália Rodrigues, "Chapéu de preto", de Arlindo Carvalho, e "Além, além", composto pelo seu irmão, José Gomes Silvestre. [3] Os músicos que a acompanham são José Barros, Miguel Tapadas, Catarina Anacleto, Helena Mendes, João Balão, José Manuel David, Vasco Sousa Carlos SantaClara, Armindo Neves, Eduardo Monteiro, Xuxu Repas, Sandra Camilo, Andreia João e ainda Rão Kyao que foi convidado especial.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1996 - A portuguesa (EMI)
  • 2000 - Eu( EMI)
  • 2006 - Cantar Além (Emiliano Toste/Compact Records)
  • 2015 - Cânticos da Terra e da Vida (Tradisom)
Compilações
"Grandes Êxitos", "Eu/A Portuguesa" (2CD) - Colecção Originals, "Essencial"

Colaborações[editar | editar código-fonte]

  • GNR (1992) - Pronúncia do Norte
  • As Canções de António (1993) - Estou Além
  • Nuno Rebelo (1998) - Pangaea Hino Expo 98
  • José Barros & Navegante (1999) - Silvaninha
  • Uma Escola Para Timor (2000) -
  • Bom Jesus - Alegria dos Homens
  • Tanto Porto (2006) - Hino Do FC Porto (A Capella)
  • Banda Futrica (2007) - Menino do Bairro Negro
  • Fátima: Tradição E Fé (2010) - Súplica A Nossa Senhora Da Paz (Miraculosa Rainha Dos Céus)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Memórias de um Povo
  • Cancioneiro Popular de Manhouce
  • Doçuras de Manhouse

Referências

  1. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Isabel Gomes Silvestre". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 3 de abril de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]