Ismael Montes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ismael Montes
26.º Presidente da Bolívia
Período 14 de agosto de 1904
a 12 de agosto de 1909
Antecessor(a) José Manuel Pando Solares
Sucessor(a) Eliodoro Villazón Montaño
Período 14 de agosto de 1913
a 15 de agosto de 1917
Antecessor(a) Eliodoro Villazón Montaño
Sucessor(a) José Gutiérrez Guerra
Dados pessoais
Nascimento 5 de outubro de 1861
Coro Coro, Bolívia
Morte 16 de outubro de 1933 (72 anos)
La Paz, Bolívia
Alma mater Universidade Maior de San Andrés
Cônjuge Bethsabé Montes
Assinatura Assinatura de Ismael Montes

Ismael Montes Gamboa (Corocoro, 5 de outubro de 1861Chaco, 16 de outubro de 1933) foi um político boliviano e presidente de seu país.[1]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Nascido em uma família abastada de proprietários de terras no departamento rural de La Paz em 1861, Montes lutou bravamente na Guerra do Pacífico contra o Chile e depois estudou Direito. Retornando ao serviço ativo durante a Guerra Civil de 1899, comandou várias forças liberais / federalistas e foi nomeado ministro da Guerra na administração de José Manuel Pando. Possuidor de temperamento aventureiro, ele também entrou em ação na Guerra do Acre de 1903 contra o Brasil. Anteriormente, ele havia se tornado o sucessor escolhido a dedo de Pando. Depois de vencer as eleições presidenciais de 1904, seu primeiro mandato foi bem-sucedido. Sob a liderança do Partido Liberal, o governo fez grandes investimentos em projetos de infraestrutura vitais para o crescimento da economia boliviana, como estradas e ferrovias que integram os centros urbanos deste país montanhoso.[2]

De forma mais polêmica, coube a Montes assinar o tratado de paz com o Chile, que estava pendente desde a Guerra do Pacífico quase 25 anos antes. Como resultado, a Bolívia reconheceu oficialmente a perda de todo o seu custo marítimo em troca de algumas concessões sem sentido e uma soma de dinheiro. O acordo que ele fez com o Chile foi desfavorável, mas a Bolívia havia definitivamente perdido a guerra. O Chile estava firmemente no controle dos territórios anteriormente bolivianos. Montes achava que seu país tinha pouca escolha na questão.[2][1]

Extensão da presidência[editar | editar código-fonte]

Em 1908, o governo endossou o candidato (Partido Liberal) Fernando Guachalla venceu as eleições presidenciais, mas morreu de causas naturais antes da cerimônia de posse marcada. Isso deu a Montes a desculpa para invalidar as eleições, já que ele não confiava totalmente no companheiro de chapa da vice-presidência de Guachalla, Eufronio Viscarra. Com o lema "uma vez que a árvore morra, morrem seus ramos", o presidente persuadiu o Congresso a prorrogar seu mandato por um ano, enquanto se aguarda a convocação de novas eleições. Isso lhe rendeu vários inimigos e começou a minar sua popularidade, mas não impediu a eleição de um homem de confiança de Montes, Eliodoro Villazón, que tomou posse em agosto de 1909.[2][1]

O mandato de Villazón (1909-1913) foi pacífico e relativamente próspero, pelo menos da perspectiva estreita das elites predominantemente brancas e crioulas que participaram da gestão do país. Isso levou Montes a concorrer à reeleição na disputa presidencial de 1913, um tabu no mundo amplamente personalista da política boliviana. O resultado foi a deserção de muitos liberais que, 2 anos depois, ingressariam no Partido Republicano do ex-presidente José Manuel Pando e José Maria Escalier. Mas Montes foi eleito em 1913, e seu segundo mandato foi tão problemático quanto o primeiro havia sido bem-sucedido. Uma oposição cada vez mais assertiva (republicanos e conservadores) agitou-se por um golpe contra Montes, e camponeses e trabalhadores destituídos reivindicaram mais direitos. Enquanto isso, a economia havia se deteriorado consideravelmente como resultado da recessão global precipitada pela Primeira Guerra Mundial. O toque de recolher teve de ser invocado em pelo menos uma ocasião, e vários líderes da oposição foram presos e exilados.[3][1]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Montes conseguiu terminar seu segundo mandato e em 1917 transferiu o poder para seu sucessor escolhido a dedo, o sangue azul José Gutiérrez Guerra. Montes permaneceu uma figura política influente mesmo após a revolta de 1920 que levou ao poder o Partido Republicano. Ele até insistiu em ser designado para um papel militar (em grande parte simbólico) no início da Guerra do Chaco contra o Paraguai (1932-35), quando já estava na casa dos 70 anos. Ele morreu logo depois, em outubro de 1933, aos 72 anos.[2][1]

Referências

  1. a b c d e «RED ESCUELA.: Ismel Montes Gamboa». www.redescuela.org. Consultado em 12 de outubro de 2021 
  2. a b c d «Se devela la muerte del General Pando». web.archive.org. 10 de junho de 2013. Consultado em 12 de outubro de 2021 
  3. «a. El tratado de 1904 | Historia de Bolivia». web.archive.org. 7 de outubro de 2013. Consultado em 12 de outubro de 2021 


Precedido por
José Manuel Pando Solares
Presidentes de Bolívia
1904 - 1909
Sucedido por
Eliodoro Villazón Montaño
Precedido por
Eliodoro Villazón Montaño
Presidentes de Bolívia
1913 - 1917
Sucedido por
José Gutiérrez Guerra