David Padilla Arancibia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
David Padilla Arancibia
David Padilla Arancibia.jpg
David Padilla Arancibia em 1978 ou 1979
Presidente da Bolívia
Período 24 de novembro de 1978
a 8 de agosto de 1979
Antecessor(a) Juan Pereda Asbún
Sucessor(a) Wálter Guevara Arze
Dados pessoais
Nascimento 13 de agosto de 1927
Sucre
Morte 25 de setembro de 2016 (89 anos)
La Paz
Profissão Militar

David Padilla Arancibia (Sucre, 13 de agosto de 1927La Paz, 25 de setembro de 2016[1]) foi um político boliviano e presidente de seu país entre 24 de novembro de 1978 e 8 de agosto de 1979.

Vida[editar | editar código-fonte]

Natural de Sucre, Padilla nasceu em 13 de agosto de 1927. Juntando-se às Forças Armadas, ascendeu ao posto de Comandante do Exército. Ele estava servindo nessa posição quando depôs o governo também de fato do general Juan Pereda em 24 de novembro de 1978. Pereda assumiu a presidência em julho do mesmo ano simplesmente porque estava disponível para ele, muitos líderes militares se cansaram da constantes manipulações do ditador Hugo Banzer para seus fins políticos pessoais. Padilla, ao contrário, chegou ao poder como líder de um grupo de oficiais de orientação democrática comprometidos com o retorno do país ao regime democrático no menor período de tempo possível. Seu objetivo era simples: transferir o poder para quem vencesse as próximas eleições presidenciais e efetuar a retirada dos militares para seus quartéis e postos de operação, aos quais pertenciam. Por esse motivo, Padilla ganhou notoriedade durante sua curta (nove meses) estada no Palácio Quemado.

A eleição geral de 1 de julho de 1979 , por outro lado, acabou sendo um fiasco. O candidato de esquerda Hernán Siles terminou em primeiro nas urnas, mas sem atingir a maioria de 50% necessária para a eleição direta. Assim, coube ao Congresso a definição do próximo Chefe do Executivo, conforme estipulado na Constituição. Para surpresa de muitos, o Congresso não conseguiu chegar a um acordo sobre nenhum candidato, independentemente do número de votos realizados. As posições endureceram e nenhuma solução parecia possível, até que uma alternativa foi oferecida na forma do Presidente do Senado, Wálter Guevara, que foi nomeado presidente por um ano enquanto se aguarda a convocação de novas eleições em 1980. Padilla transferiu devidamente o poder para Guevara em 8 de agosto de 1979, como havia prometido que faria. Ele deixou o palácio do governo como um ex -líder militar de fato quase universalmente respeitado - uma raridade na história da Bolívia.[2][3]

Padilla morreu em La Paz em 25 de setembro de 2016, aos 89 anos.[4]

Referências

  1. «Falleció el expresidente David Padilla Arancibia» (em espanhol). El Deber. Consultado em 27 de setembro de 2016 
  2. Leslie Bethell (1994). Latin America since 1930: economy, society and politics (1 ed.). Cambridge: Cambridge University Press. p. 286. ISBN 978-0-521-46556-4
  3. Morales, Waltraud Q. (2010). A brief history of Bolivia (2nd ed.). New York: Facts On File. pp. 194–6. ISBN 978-0-8160-7877-6
  4. «EL DEBER, CONCIERTO DE PIRAÍ VACA EN VIVO». eldeber.com.bo (em espanhol). Consultado em 6 de agosto de 2021 

Precedido por
Juan Pereda Asbún
Presidentes de Bolívia
1978 - 1979
Sucedido por
Wálter Guevara Arze


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.