Jacinto Lucas Pires

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jacinto Lucas Pires
Nascimento
Porto,  Portugal
Prémios Grande Prémio de Literatura dst (2013)
Género literário Romance, conto

Jacinto de Almeida Garrett Lucas Pires (Porto, 14 de Julho de 1974) é um escritor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa, foi cronista do diário A Capital e publicou nove livros pela editora CotoviaAzul-Turquesa (ficção, 1998), Abre para Cá (contos, 2000), Livro Usado (viagem, 2001), Escrever, Falar (teatro, 2002), Do Sol (romance 2004), Perfeitos Milagres (romance, 2007), Assobiar em público (contos, 2008) e O verdadeiro ator (romance, 2011). Para o teatro escreveu Universos e Frigoríficos (1998, CCB/Actores Produtores Associados), Arranha Céus (1999, TNSJ/Teatro Bruto), Escrever Falar (2001, Maus Hábitos/.lilástico), Coimbra B (2003, Coimbra Capital da Cultura/.lilástico) e Octávio no Mundo (2006, PANOS/Culturgest). Mantém o blogue pessoal O que eu gosto de bombas de gasolina[1]. Além disso frequentou a New York Film Academy, tendo realizado, com argumento seu, as curtas-metragens Cinemaamor (1999) e B.D. (2004). Na música escreveu letras e canta em Meio Disco, primeiro álbum da banda Os Quais. Foi mandatário da juventude da candidatura de Manuel Alegre nas eleições presidenciais de 2011.

É filho de Francisco Lucas Pires e de sua mulher Maria Teresa Bahia de Almeida Garrett e casado com Sara Botelheiro Moreno Amado da Silva (5 de Maio de 1975).

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Para averiguar do seu grau de pureza : treze prosas com janelas, Cotovia, 1997
  • Universos e frigoríficos, Cotovia, 1997
  • Azul-Turquesa, Cotovia, 1998
  • 2 filmes e algo de algodão, Cotovia, 1999
  • Arranha-céus, Cotovia, 1999
  • Abre para cá, Círculo de Leitores, 2001
  • Livro usado: (numa viagem ao Japão), Cotovia/Fundação do Oriente, 2001
  • Escrever, falar: dois diálogos e um monólogo, Cotovia, 2002
  • Do sol: romance, Cotovia, 2004
  • Livro usado, Cotovia, 2004
  • Figurantes e outras peças: figurantes, Coimbra B: os dias de hoje: teatro, Cotovia, 2005
  • O homem da bola de vidro cortada ao meio, Expresso, 2004
  • Tudo e mais alguma coisa, Visão, 2006
  • A expressão "dores de crescimento nas sociedades contemporâneas" no âmbito da sociologia actual, Cotovia, 2005
  • Perfeitos milagres: romance, Cotovia, 2007
  • Silenciador: teatro, Cotovia, 2008
  • Assobiar em público: antologia de contos, Cotovia, 2008
  • Sagrada família: teatro, Cotovia, 2010
  • O perfeito ator: teatro, Cotovia, 2011
  • Ou sim, Imagine Words, 2013
  • Quem conhece a alegria, Coleção Quem, Paulinas Editora, 2015
  • Quem espera, Coleção Quem, Paulinas Editora, 2015

Prémios[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências