Jacinto Lucas Pires

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jacinto Lucas Pires
Nome completo Jacinto de Almeida Garrett Lucas Pires
Nascimento 14 de julho de 1974 (43 anos)
Porto,  Portugal
Prémios Prémio José Carlos Belchior (2011)

Grande Prémio de Literatura dst (2013)

Género literário Romance, conto
Magnum opus Para averiguar do seu grau de pureza : treze prosas com janelas

Jacinto de Almeida Garrett Lucas Pires (Porto, 14 de Julho de 1974) é um escritor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa, foi cronista do diário A Capital e publicou nove livros pela editora CotoviaAzul-Turquesa (ficção, 1998), Abre para Cá (contos, 2000), Livro Usado (viagem, 2001), Escrever, Falar (teatro, 2002), Do Sol (romance 2004), Perfeitos Milagres (romance, 2007), Assobiar em público (contos, 2008) e O verdadeiro ator (romance, 2011). Para o teatro escreveu Universos e Frigoríficos (1998, CCB/Actores Produtores Associados), Arranha Céus (1999, TNSJ/Teatro Bruto), Escrever Falar (2001, Maus Hábitos/.lilástico), Coimbra B (2003, Coimbra Capital da Cultura/.lilástico) e Octávio no Mundo (2006, PANOS/Culturgest). Mantém o blogue pessoal O que eu gosto de bombas de gasolina[1]. Além disso frequentou a New York Film Academy, tendo realizado, com argumento seu, as curtas-metragens Cinemaamor (1999) e B.D. (2004). Na música escreveu letras e canta em Meio Disco, primeiro álbum da banda Os Quais. Foi mandatário da juventude da candidatura de Manuel Alegre nas eleições presidenciais de 2011.

É filho de Francisco Lucas Pires e de sua mulher Maria Teresa Bahia de Almeida Garrett e casado com Sara Botelheiro Moreno Amado da Silva (5 de Maio de 1975).

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Para averiguar do seu grau de pureza : treze prosas com janelas, Cotovia, 1997
  • Universos e frigoríficos, Cotovia, 1997
  • Azul-Turquesa, Cotovia, 1998
  • 2 filmes e algo de algodão, Cotovia, 1999
  • Arranha-céus, Cotovia, 1999
  • Abre para cá, Círculo de Leitores, 2001
  • Livro usado: (numa viagem ao Japão), Cotovia/Fundação do Oriente, 2001
  • Escrever, falar: dois diálogos e um monólogo, Cotovia, 2002
  • Do sol: romance, Cotovia, 2004
  • Livro usado, Cotovia, 2004
  • Figurantes e outras peças: figurantes, Coimbra B: os dias de hoje: teatro, Cotovia, 2005
  • O homem da bola de vidro cortada ao meio, Expresso, 2004
  • Tudo e mais alguma coisa, Visão, 2006
  • A expressão "dores de crescimento nas sociedades contemporâneas" no âmbito da sociologia actual, Cotovia, 2005
  • Perfeitos milagres: romance, Cotovia, 2007
  • Silenciador: teatro, Cotovia, 2008
  • Assobiar em público: antologia de contos, Cotovia, 2008
  • Sagrada família: teatro, Cotovia, 2010
  • O perfeito ator: teatro, Cotovia, 2011
  • Ou sim, Imagine Words, 2013
  • Quem conhece a alegria, Coleção Quem, Paulinas Editora, 2015
  • Quem espera, Coleção Quem, Paulinas Editora, 2015

Prémios[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências