James Hutton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
James Hutton
Retrato de James Hutton (por Abner Lowe).
Nascimento 3 de junho de 1726
Chiclayo
Morte 26 de março de 1797 (70 anos)
Edimburgo
Residência Reino Unido
Sepultamento Greyfriars Kirkyard
Cidadania Reino da Grã-Bretanha
Alma mater
Ocupação geólogo, meteorologista, agricultor, industrial
Religião cristianismo ortodoxo

James Hutton (Edimburgo, 3 de junho de 172626 de março de 1797) foi um geólogo, agricultor, fabricante de produtos químicos, naturalista e médico escocês.[1] Muitas vezes referido como o pai da geologia moderna,[2][3] ele desempenhou um papel fundamental no estabelecimento da geologia como uma ciência moderna.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Hutton avançou a ideia de que a história remota do mundo físico pode ser inferida a partir de evidências nas rochas atuais. Através de seu estudo de características na paisagem e litorais de suas terras baixas escocesas nativas, como Salisbury Crags ou Siccar Point, ele desenvolveu a teoria de que as características geológicas não poderiam ser estáticas, mas sofreram transformação contínua por períodos indefinidamente longos. A partir disso, ele argumentou, contrariamente aos dogmas religiosos convencionais de sua época, que a Terra não poderia ser jovem. Ele foi um dos primeiros proponentes do que na década de 1830 ficou conhecido como uniformitarismo, a ciência que explica as características da crosta terrestre. como o resultado de processos naturais contínuos ao longo da longa escala de tempo geológico. Hutton também apresentou uma tese para um 'sistema da Terra habitável' proposto como um mecanismo deísta projetado para manter o mundo eternamente adequado para humanos,[4] uma tentativa inicial de formular o que hoje pode ser chamado de um tipo de princípio antrópico.

Algumas reflexões semelhantes às de Hutton podem ser encontradas em publicações de seus contemporâneos, como o naturalista francês Georges-Louis Leclerc de Buffon,[4] mas é principalmente o trabalho pioneiro de Hutton que estabeleceu o campo.[5][6]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Waterston, Charles D; Macmillan Shearer, A (2006). Former Fellows of the Royal Society of Edinburgh 1783–2002: Biographical Index (PDF). I. Edinburgh: The Royal Society of Edinburgh. ISBN 978-0-902198-84-5. Consultado em 17 de julho de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 19 de setembro de 2015 
  2. University of Edinburgh. «Millennial Plaques: James Hutton». Hutton's Millennial Plaque, which reads, "In honour of James Hutton 1726–1797 Geologist, chemist, naturalist, father of modern geology, alumnus of the University," is located at the main entrance of the Grant Institute. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2007 
  3. David Denby (11 de outubro de 2004). «Northern Lights: How modern life emerged from eighteenth-century Edinburgh». The New Yorker. In 1770, James Hutton, an experimental farmer and the owner of a sal ammoniac works, began poking into the peculiar shapes and textures of the Salisbury Crags, the looming, irregular rock formations in Edinburgh. Hutton noticed something astonishing—fossilized fish remains embedded in the rock. The remains suggested that volcanic activity had lifted the mass from some depth in the sea. In 1785, he delivered a lecture to the Royal Society of Edinburgh, which included the remarkable statement that "with respect to human observation, this world has neither a beginning nor an end." Coolly discarding Biblical accounts of creation, the book that he eventually published, Theory of the Earth, helped to establish modern geology. 
  4. a b M. J. S. Rudwick (15 de outubro de 2014). Earth's Deep History: How It Was Discovered and Why It Matters. [S.l.]: University of Chicago Press. pp. 68–70. ISBN 978-0-226-20393-5 
  5. American Museum of Natural History (2000). «James Hutton: The Founder of Modern Geology». Earth: Inside and Out. Cópia arquivada em 3 de março de 2016. "The result, therefore, of this physical enquiry", Hutton concluded, "is that we find no vestige of a beginning, no prospect of an end". 
  6. Kenneth L. Taylor (setembro de 2006). «Ages in Chaos: James Hutton and the Discovery of Deep Time». The Historian (abstract). Book review of Stephen Baxter. ISBN 0-7653-1238-7 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre James Hutton