Jamil Mahuad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde maio de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jamil Mahuad
Presidente do Equador Equador
Período 1998
a 2000
Antecessor(a) Fabián Alarcón Rivera
Sucessor(a) Gustavo Noboa Bejarano
Vida
Nascimento 29 de Julho de 1949 (65 anos)
Loja
Dados pessoais
Partido Democracia Popular
Profissão Político e advogado

Jamil Mahuad Witt (Loja, 29 de julho de 1949) é um político e advogado equatoriano, que foi presidente de seu país entre 1998 e 2000[1] [2] . Líder do partido Democracia Popular na província de La Sierra, Jamil Mahuad foi deputado e prefeito de Quito antes de chegar à presidência[2] .

Carreira politica[editar | editar código-fonte]

No início do anos 90, Mahuad assumiu como prefeito de Quito, cargo que lhe otorgou grande prestígio por conseguir oferecer quase totalmente os serviços públicos, pela construção de um sistema de transporte interligado através de microônibus e pela modernização do governo municipal.

Em 1997, como deputado, Mahuad participou ativamente dos protestos que exigiam a deposição do então presidente da república Abdalá Bucaram. Mais tarde, foi alvo de uma forte perseguição por parte de familiares e correligionários de Bucaram, já então foragido da justiça, que esperava obter anistia por parte do Congresso.

Em 1998, Jamil Mahuad venceu as eleições presidenciais e, ao assumir, assinou um histórico acordo de paz com o Peru, em 26 de outubro de 1998.

Durante seu mandato, faliram mais de 10 bancos equatorianos e outras tantas instituições do sistema financiero. Mahuad assinou uma lei de socorro aos bancos que drenou recursos públicos para atender aos credores dos bancos falidos.

A proteção de Mahuad aos bancos falidos provocou um feriado bancário, um congelamento de depósitos e uma virtual quebra do sistema de economia real. O excesso de emissão de dinheiro para enfrentar as obrigações de socorro aos bancos provocou uma disparada na inflação e uma grande desvalorização do sucre equatoriano frente ao dólar. Após a maior crise econômica dos últimos setenta anos, Mahuad decretou, como solução improvisada, a adoção do dólar americano em substituição à moeda nacional, em 9 de janeiro de 2000. Em 21 de janeiro, Mahuad foi deposto por uma rebelião militar-indígena liderado pelo coronel Lucio Gutiérrez, sendo depois substituído por seu vice-presidente Gustavo Noboa. Mahuad fugiu do Equador e foi morar nos Estados Unidos da América.

Em maio de 2014, a Justiça equatoriana julgou Mahuad à revelia e o condenou a uma pena de 12 anos de prisão pelo crime de peculato relacionado com a crise financeira que o Equador viveu em 1999.[3] O ex-mandatário também está em uma lista de pessoas sujeitas a diligências persecutórias pela Interpol.[4]

Referências

  1. Ecuador (em inglês). Visitado em 19 de Maio de 2012.
  2. a b Jamil Mahuad Witt (em espanhol). Visitado em 19 de Maio de 2012.
  3. Diário de Notícias (30 de maio de 2014). Ex-presidente do Equador Jamil Mahuad condenado (em inglês) Diário de Notícias. Visitado em 31 de maio de 2014.
  4. A Voz da Rússia (30 de maio de 2014). Antigo presidente do Equador é condenado à revelia a 12 anos de prisão (em inglês) A Voz da Rússia. Visitado em 31 de maio de 2014.