Rafael Correa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rafael Correa
Rafael Correa durante conferência na França
41Presidente do Equador
Período 15 de janeiro de 2007
a 24 de maio de 2017
Vice-presidente Lenín Moreno
Jorge Glas
Antecessor(a) Alfredo Palacio
Sucessor(a) Lenín Moreno
Presidente pro tempore do Unasul Emblem of the Union of South American Nations.svg
Período 10 de agosto de 2009
a 26 de novembro de 2010
Antecessor(a) Michelle Bachelet
Sucessor(a) Bharrat Jagdeo
Presidente pro tempore do Celac Bandera CELAC.png
Período 28 de Janeiro de 2015
a 28 de Janeiro de 2016
Antecessor(a) Luis Guillermo Solís
Sucessor(a) Danilo Medina
Ministro da Economia e Finanças do Equador Ministerio de Finanzas EC.svg
Período 20 de abril de 2005
a 8 de agosto de 2005
Antecessor(a) Mauricio Yepez
Sucessor(a) Magdalena Barreiro
Presidente do Alianza País Alianza PAIS 02.svg
Período 3 de abril de 2006
a 1 de maio de 2017
Sucessor(a) Lenín Moreno
Dados pessoais
Nome completo Rafael Vicente Correa Delgado
Nascimento 06 de abril de 1963 (55 anos)
Guaiaquil, Equador
Nacionalidade equatoriano
Alma mater Universidad Católica de Santiago de Guayaquil
Universidade Católica da Lovaina
Universidade de Illinois em Urbana-Champaign.
Cônjuge Anne Malherbe Gosselin (Namur, 16 de dezembro de 1968)
Filhos Sofía, Anne Dominique, Rafael Miguel.
Partido Alianza PAIS 02.svg Alianza País (2006-2018)
Independente (2018-atualmente)
Religião Católica romana
Profissão Doutor em Economia
Assinatura Assinatura de Rafael Correa
Website http://www.presidencia.gob.ec

Rafael Vicente Correa Delgado (Guaiaquil, 6 de abril de 1963) é um economista e político equatoriano, que serviu como presidente de seu país de 2007 a 2017.[1] Atualmente está sem partido, após se desfiliar, no início de 2018, do partido Alianza País, devido a uma disputa com seu sucessor Lenin Moreno.[2]

Criado numa família de classe média na cidade portuária de Guaiaquil, Correa ganhou bolsas para estudar na Europa e nos Estados Unidos. Economista, foi assessor do ex-presidente Alfredo Palacio durante suas funções como vice-presidente. Depois, foi ministro de Economia e Finanças no início da gestão de Palacio na presidência, entre abril e agosto de 2005, após a destituição de Lucio Gutiérrez. Renunciou ao cargo por discordar da política presidencial. É casado com Anne Malherbe.

Durante sua gestão propôs uma postura nacionalista, oposta aos organismos multilaterais como o Banco Mundial e o FMI, e a favor de uma maior participação do Estado na exploração do petróleo.

No início de setembro de 2006, aparecia em terceiro lugar nas pesquisas eleitorais, passando para a liderança das pesquisas no começo de outubro. Candidato à Presidência da República pelo movimento Alianza PAIS (Patria Altiva (y) Soberana), obteve 22% dos votos nas eleições de 15 de outubro, ficando atrás do magnata da banana Álvaro Noboa (27%). No segundo turno disputado em novembro, obteve 56,67% dos votos válidos, contra 43,33% de Noboa. Correa tomou posse no dia 15 de janeiro de 2007, para um mandato de 4 anos. Participaram da posse políticos como os presidentes da Bolívia Evo Morales e da Venezuela Hugo Chávez, seus principais aliados no exterior, além de Luís Inácio Lula da Silva do Brasil, Michelle Bachelet do Chile e Mahmoud Ahmadinejad do Irã.

Entre 2006 e 2016, a pobreza diminuiu de 36,7% para 22,5% eo crescimento anual do PIB per capita foi de 1,5% (contra 0,6% nas duas décadas anteriores). Ao mesmo tempo, as desigualdades, medida pelo índice de Gini, diminuíram de 0,55 para 0,47.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendente do político equatoriano Rafael Correa de Saa y Lazón, Correa cresceu em uma família operária da cidade de Guaiaquil, a maior aglomeração urbana do país. Seu pai era Rafael Correa Icaza, nascido na Província de Los Ríos e sua mãe, Norma Delgado Rendón. O casal teve outros filhos: Fabricio Correa, Pierina Correa e Bernardita Correa.

Quando Correa tinha 25 anos de idade, seu pai foi preso por envio de drogas aos Estados Unidos e passou 5 anos na prisão pela infração.[4] Correa, até os dias atuais, evita tocar no assunto em público e costuma reagir mal a quem traz o tema à tona.[5] Apesar de não ter tido problemas com isto durante toda a sua vida, Correa teve uma infância muito difícil.[6]

Estudou o ensino primário e secundário na Escola San José-La Salle, em sua cidade natal. Durante sua juventude, integrou e dirigiu grupos de escoteiros da Associações de Escoteiros do Equador, assim como uma tropa do "Grupo 14 San José-La Salle" e por fim, o "Grupo 17 Cristóvão Colombo" que ele ajudou a fundar.[7] Nos estudos secundários, foi presidente da Associação Cultural dos Estudantes Lasallianos (ACEL). Posteriormente, por conta de seu desempenho, obteve uma bolsa de estudos na Universidad Católica de Santiago de Guayaquil, uma importante instituição de ensino superior do país, onde graduou-se em Economia em 1987.[8]

Ainda na universidade, foi eleito presidente da Associação dos Estudantes de Economia (AEAA) e, em seguida, presidente da Federação de Estudantes (FEUC) da mesma instituição, uma posição que em 1986 o permitiu presidir a Federação dos Estudantes das Universidades Privadas do Equador (FEUPE).[8]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ao concluir seus estudos universitários, Correa atuou com os Salesianos na região de Cotopaxi para reduzir o analfabetismo entre os povos indígenas, e promover o desenvolvimento das microempresas. Durante seu trabalho em Cotopaxi, adquiriu uma conhecimento básico da língua quechua, falada pela maioria da população indígena que habita os Andes equatorianos. Além do espanhol e do quechua, Correa também fala fluentemente francês e inglês.[9]

Ministro da Economia[editar | editar código-fonte]

Em 20 de abril de 2005, Correa foi nomeado Ministro da Economia e Finanças pelo Presidente Alfredo Palacio. Durante seus quatro meses à frente do ministério, Correa se mostrou cético diante da assinatura de um Tratado de Livre Comércio com os Estados Unidos e buscou uma cooperação com os países latino-americanos, contrariando as expectativas do Fundo Monetário Internacional. Após o Grupo Banco Mundial deter um empréstimo, alegando mudanças no fundo de estabilização, Correa deixou o ministério. Ainda assim propôs uma taxa de juros mais baixa do que a de então, de 8.5%. Em sua carta de renúncia, Correa exigiu que a venda fosse realizada sob autorização do Presidente e cita a falta de apoio de Palacio como um dos fatores que o levaram a renunciar.[10]

Campanha presidencial de 2006[editar | editar código-fonte]

Rafael Correa faz seu discurso de posse já com a faixa presidencial, 2007.

No início de 2006, para a campanha presidencial, Rafael Correa fundou o movimento Alianza PAIS (Alianza Patria Altiva y Soberana).[11] Durante a campanha, Correa propôs uma assembleia constituinte para redigir uma nova Constituição.[12] Entretanto, a coligação não apresentou nenhum candidato para o Congresso, formando uma aliança com o Partido Socialista-Frente Amplio. A Alianza PAIS também firmou um acordo com o Partido Comunista quando Correa foi lançado como candidato à Presidência.[13] Se uniram à Alianza PAIS, os partidos: Movimento Popular Democrático, Esquerda Democrática, Pachakutik, Partido Roldosista Equatoriano.[14]

Além de sua plataforma na política econômica e social, a habilidade de Correa para comunicar-se com a população indígena do Equador em seu idioma nativo foi um grande diferencial em relação aos demais candidatos. Correa havia aprendido o idioma quechua ainda jovem, quando atuou em benefício das populações indígenas.[15] Contudo, a maioria dos votos da região de população indígena foi para Gilmar Gutiérrez, irmão de Lucio Gutiérrez. Correa ficou em segundo lugar nestas regiões.[16]

Rafael Correa foi eleito Presidente do Equador, pela primeira vez, nas eleições presidenciais de 2006. No segundo turno das eleições, ocorrido em 26 de novembro de 2006, venceu Álvaro Noboa, com 56,57% dos votos válidos.[17]

O Presidente-eleito tomou posse em 15 de janeiro de 2007, na cidade de Quito. No discurso de posse, Correa se referiu à necessidade da "luta por uma revolução cidadã, consistente da mudança radical, profunda e rápida do sistema político, econômico e social vigente".[18] A cerimônia de posse foi assistida pelos presidentes Lula (do Brasil), Evo Morales (da Bolívia), Michelle Bachelet (do Chile), Álvaro Uribe (da Colômbia), Alan García (do Peru) e Hugo Chávez (da Venezuela), além do Príncipe das Astúrias.[19]

Presidência[editar | editar código-fonte]

Rafael Correa em visita à localidade de Otavalo, 2011.

O governo de Rafael Correa teve início em 15 de janeiro de 2007 e autodenominou-se como "Revolução Cidadã" por conta das amplas reformas políticas e sociais que promoveu desde então.[20] Na visão de analistas, o governo Correa significou a aproximação de uma forma de Socialismo no Equador.

O primeiro ato de governo foi a convocação de um referendo sobre a criação de um Assembleia Constituinte, que foi aprovada e promulgou a nova Constituição do país em 2008.[21] Durante seu governo têm havido uma grande inversão pública para a infraestrutura de entidades públicas, vias de transporte, e segurança e desenvolvimento social. As políticas de Correa têm promovido mudanças estruturais no país mediante a aprovação de novas leis, como o "Código Monetário e Financeiro", que permitiu maior participação do Estado na economia e modernização do sistema judiciário nacional. Entretanto, seu mandato é constante alvo de controvérsias por sua relação conturbada com os meios de comunicação, a quem Correa classifica como principais opositores.

Em 10 de agosto de 2009, Correa assumiu a Presidência pro tempore da Unasul, sucedendo a chilena Michelle Bachelet. Durante sua gestão à frente da organização, Correa admitiu que via-se na obrigação de viajar mais para os países vizinhos.[22] Durante seu mandato, oito países ratificaram o instrumento jurídico da organização, restando somente que mais um país entrasse em acordo para iniciar a vigência legal do bloco. Correa sinalizou por si mesmo que "avançou muito nas áreas de Defesa e Saúde", mas que "havia muito ainda por fazer".

Ideias políticas[editar | editar código-fonte]

Correa escreveu vários documentos contra a dolarização, a qual qualificou como um erro técnico, ao eliminar a política monetária e cambial. Uma vez em campanha eleitoral, devido ao respaldo de certos setores favoráveis à dolarização, suavizou o discurso e aceitou mantê-la.[23]

Alguns analistas o identificam com a denominada "esquerda progressista e nacionalista" de Chávez e Morales, ainda que Morales fosse um sindicalista e Chávez um militar, antecedentes históricos muito diferentes dos de Correa, que se autodefine como um "humanista cristão de esquerda" e propõe uma política soberana e de integração regional na linha bolivariana.[11] Sua orientação política é inspirada pela Doutrina Social da Igreja, e a filosofia do Humanismo Cristão; apesar de amplo apoio de partidos de esquerda e de movimentos sindicalistas e indígenas, Correa pende para um conservadorismo católico.

Manifestou diversas vezes sua admiração pelo presidente da Venezuela Hugo Chávez, com quem tem certa amizade.[24] Na campanha eleitoral, o então candidato disse ser amigo de Chávez, e qualificou o presidente dos Estados Unidos George W. Bush como tremendamente torpe. Seguindo as expectativas dos analistas políticos, Correa têm mantido boas relações com os governos de esquerda da América Latina, nomeadamente: Argentina, Brasil, Chile, Uruguai, e Peru. Ainda como Presidente-eleito, visitou Brasil, Bolívia, Peru, Argentina e Chile.[25]

Reunião entre os chefes de Estado da América do Sul, Rio de Janeiro, 2011. Rafael Correa é o primeiro à esquerda.

Crise governamental[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Crise no Equador de 2010

Em 30 de setembro de 2010, uma grave crise política explodiu no Equador, atingindo o governo de Rafael Correa. Policiais protestando contra o corte de benefícios e redução de salários estipulados por decreto presidencial, tomaram as ruas do país transformando num caos a capital Quito e cidades do interior, como Guayaquil. Depois de tentativas de agressão física ao presidente em meio a pedradas e bombas de gás lacrimogênio, Correa foi levado a um hospital policial, estando no momento mantido sob guarda de seus guarda-costas e cercado por forças policiais e militares.[26]

Correa declarou o Equador em estado de emergência por cinco dias e ameaçou dissolver a Assembleia Nacional em meio a denúncias de tentativa de golpe de estado[27] e o Peru fechou suas fronteiras com o país. A OEA e o Mercosul manifestaram apoio ao governo de Correa, enquanto o chefe do comando das Forças Armadas equatorianas, general Ernesto González, declarou apoio e subordinação ao presidente da República.[28][29][30]

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Cedatos, Correa iniciou seu mandato com 73% de aprovação.[31] Em uma pesquisa de opinião realizada pela Profiles of Opinión nas cidades de Quito e Guaiaquil, em março de 2012, 80.5% dos entrevistados consideraram o governo de Correa como "bom ou positivo".[32] De acordo com o Mitofsky de abril de 2012,

Correa possuía altos índices de avaliação dentre os demais presidentes latino-americanos. Sua popularidade até mesmo cresceu de 75% para 81% entre agosto de 2011 e janeiro de 2012.[33]

Distinções[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Correa é o oitavo presidente do Equador desde 1997». Estadão. 30 de setembro de 2010. Consultado em 30 de setembro de 2010. 
  2. «Equador. Correa deixa o Partido Aliança País». www.ihu.unisinos.br. Instituto Humanitas Unisinos - IHU. 18 de janeiro de 2018. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
  3. Weisbrot, Mark; Johnston, Jake; Merling, Lara (fevereiro de 2017). «Decade of Reform: Ecuador's Macroeconomic Policies, Institutional Changes, and Results» (PDF). Center for Economic and Policy Research - CEPR. Consultado em 31 de janeiro de 2018. 
  4. Vaderetro Referencias (18 de setembro de 1968). «Rafael Correa Icaza es detenido en el Aeropuerto de Nueva York con dos kilos cocaina». Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  5. «La prensa fue cauta en caso del papá de Correa». El Comercio. 29 de abril de 2011. Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  6. «Hoja de Vida Rafael Correa». ecuador.tusojos.com. Ecuador. 13 de novembro de 2006. Cópia arquivada em 10 de julho de 2012 
  7. «Rafael Vicente Correa Delgado». Migranteecuatoriano.com. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2010 
  8. a b «Rafael Correa Delgado». CIDOB. 20 de outubro de 2008. Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  9. «Hoja de Vida». rafaelcorreia.com. Consultado em 31 de janeiro de 2018.. Cópia arquivada em 30 de julho de 2007 
  10. «A translation of a Correa's letter of resignation into English». IFIs.Choike.org. 22 de agosto de 2005. Consultado em 5 de outubro de 2014.. Cópia arquivada em 29 de junho de 2012 
  11. a b PELILEO, Tungurahua (23 de julho de 2007). «'Socialismo' en el discurso de Correa». El Universo. Consultado em 14 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2007 
  12. «Man of the people closes in on presidency». www.scotsman.com (em inglês). The Scotsman. 14 de outubro de 2006. Consultado em 14 de fevereiro de 2018. 
  13. «Los candidatos presidenciales finalistas multiplican ofertas». Explored. 26 de outubro de 2006. Consultado em 14 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2013 
  14. «Apoyo oficialista causa fisura entre socialistas». El Universo. 28 de março de 2012. Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  15. Hal Weitzman (9 de outubro de 2006). «Rafael Correa: Chavista with a whip hand». Financial Times. Cópia arquivada em 29 de junho de 2012 
  16. Orellana Huataraco (22 de outubro de 2006). «Un Ecuador que pocos ven se tomó tercer lugar». El Universo 
  17. «Esquerdista Rafael Correa venceu as eleições no Equador». Opinião e Notícia. 27 de novembro de 2006. Consultado em 14 de fevereiro de 2018. 
  18. «Discurso de Posesión de Rafael Correa Presidente del Ecuador». Alianza Pais. 14 de fevereiro de 2007. Consultado em 14 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2007 
  19. «Ecuador swears in new Presidente». BBC News. 16 de janeiro de 2007. Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  20. Black, William K. (13 de fevereiro de 2013). «Correa's and Ecuador's sucess drive "The Economist" nuts». New Economic Perspectives. Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  21. Partlow, Joshua; Küffner, Stephan (29 de setembro de 2008). «Voters in Ecuador approve Constitution». The Washington Post. Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  22. Bonilla, Omar (5 de agosto de 2009). «Correa to assume six-month presidency of Unasur». Diálogo Americas. Consultado em 5 de outubro de 2014.. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2014 
  23. «Correa no desdolarizará». Vistazo. 28 de outubro de 2009. Consultado em 5 de outubro de 2014.. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2014 
  24. «Rafael Correa reconoce que se reunió con Hugo Chávez». El Universo. 21 de agosto de 2006. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2006 
  25. Timothy Bancroft-Hinchey (29 de julho de 2014). «Interview with President Rafael Correa: Historic Change in Latin America». Pravda. Consultado em 5 de outubro de 2014. 
  26. Jardim, Claudia (30 de setembro de 2010). «Equador decreta estado de exceção; presidente estaria cercado em hospital». BBC Brasil 
  27. Rory Carroll (30 de setembro de 2010). «Ecuador declares state of emergency as country thrown into chaos». The Guardian 
  28. «Protesto de policiais e militares acirra tensão no Equador; Correa pode dissolver Assembleia». O Globo. 30 de setembro de 2010. Consultado em 14 de fevereiro de 2018. 
  29. «Após denunciar golpe, Correa declara estado de exceção no Equador e se nega a negociar com manifestantes». Extra Online. 30 de setembro de 2010. Consultado em 14 de fevereiro de 2018. 
  30. «Unasur emergency summit in Buenos Aires in support of Correa and democracy». Mercopress. 1 de outubro de 2010 
  31. «Aprobación Presidentes del Ecuador desde 1979». Cedatos. 1 de setembro de 2008 
  32. Profiles of Opinión (25 de março de 2012). «El presidente Rafael Correa» (PDF). Consultado em 5 de outubro de 2014.. Cópia arquivada (PDF) em 17 de agosto de 2013 
  33. El Ciudadano (22 de abril de 2012). «Presidente R. Correa incrementa aprobación ciudadana, del 75% al 81%». El Ciudadano. Consultado em 4 de setembro de 2012.. Cópia arquivada em 30 de julho de 2012 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Alfredo Palacio
Presidente do Equador
2007 - 2017
Sucedido por
Lenín Moreno
Precedido por
Alfredo Palacio
Presidente pro tempore do Unasul
20092010
Sucedido por
Bharrat Jagdeo
Precedido por
Luis Guillermo Solís
Presidente pro tempore do Celac
20152016
Sucedido por
-
Precedido por
Mauricio Yépez
Ministro da Economia e Finanças do Equador
2005
Sucedido por
Magdalena Barreiro