Jean-Baptiste-Siméon Chardin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jean-Baptiste-Siméon Chardin
Nome nativo Jean Siméon Chardin
Nascimento 2 de novembro de 1699
Paris
Morte 6 de dezembro de 1779 (80 anos)
Paris
Cidadania França
Cônjuge Marguerite Pouget
Filho(s) Pierre Jean-Baptiste Chardin
Alma mater Académie de Saint-Luc
Ocupação pintor, artista

Jean-Baptiste-Siméon Chardin (Paris, 2 de novembro de 1699Paris, 6 de dezembro de 1779) foi um dos mais célebres pintores do barroco francês. Foi assistente e pupilo de Noël-Nicolas Coypel e, prontamente, de Jean-Baptiste van Loo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Mulher descascando batatas, Jean-Baptiste-Siméon Chardin, Antiga Pinacoteca, Munique, Alemanha

Em 1724 tornou-se membro da Academia de São Lucas e, quatro anos mais tarde, foi aceite na Academia de Paris. Tornou-se então célebre pelas suas naturezas-mortas, representações de frutos e animais. Embora não fosse um pintor de cenas históricas, anos mais tarde, formou parte do Conselho e, em 1755, tornou-se tesoureiro da Academia.

Com as «cenas de cozinha» ou «cenas domésticas», Chardin deu continuidade à tradição provinda da pintura holandesa do século XVII. Porém, representou-as sem grande excelência. Preferia as «cenas burguesas»; gostava de representar cenas da vida da burguesia francesa, que se tornava cada vez mais influente. Nestas pinturas a tranquilidade e a concentração de tons mais vivos foram combinados com uma muito refinada técnica de concepção.

Foi memorável a sua exibição, de 1761, de pinturas seleccionadas, concebidas pelos membros da Academia. Muitas delas foram trasladadas postumamente para as galerias do Louvre.

Faleceu, quase cego, em 1779, na cidade de Paris.