João de Sousa Araújo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pintura do retábulo da capela-mor da Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

João José de Sousa Araújo (Lisboa, 12 de novembro de 1929 — ) é um arquiteto, pintor e ceramista português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou na Escola de Belas Artes de Lisboa. Realizou exposições individuais em 1952 e 1962 e participou em diversas exposições coletivas, nomeadamente na Sociedade Nacional de Belas Artes, onde foi premiado em 1947 (Menção Honrosa), 1949 (3.º Prémio), 1951 (1.º Prémio) e 1953 (Menção Honrosa). Destaquem-se as suas obras de arte sacra, em particular o retábulo da capela-mor e os vitrais da Basílica de Nossa Senhora do Rosário, em Fátima. Tem outras obras de teor religioso em locais como o Santuário Nacional de Cristo Rei (em Almada), a Capela de São José (na Charneca de Caparica), a Igreja do Imaculado Coração de Maria (em Vale Figueira, diocese de Setúbal), a Igreja da Encarnação (em Lisboa) e a Catedral de Nampula (em Moçambique).[1][2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Tannock, Michael – Portuguese 20th Century Artists: a Biographical Dictionary. Chichester: Phillimore, 1978, p. 13
  2. «João José de Sousa Araújo» (PDF). Revista Transformar. Consultado em 13 de março de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) arquiteto(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.