John Pritchard

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sir John Michael Pritchard, CBE (5 de fevereiro de 1921 - 5 de dezembro de 1989) foi um maestro britânico. Ele foi mais conhecido por suas interpretações das óperas de Wolfgang Amadeus Mozart e seu suporte a música contemporânea.

Vida e Carreira[editar | editar código-fonte]

Pritchard nasceu em Londres, Inglaterra, em uma família musical. Seu pai, Albert Edward Pritchard foi violinista da Orquestra Sinfônica de Londres. O jovem Pritchard estudou piano, violino e condução na Itália[1] .

Pritchard, como um Objetor de consciência, recusou-se a servir na Segunda Guerra Mundial, mas em qualquer caso, foi registrado como doente. Em 1943 ele juntou-se a uma orquestra semi-profissional,. Orquestra de Cordas Derby e serviu como Maestro Residente até 1951. Ele trabalhou na Ópera do Festival de Glyndebourne em 1947 e foi apontado como chorus master em 1949. Ele continuou-se associado ao Glyndebourne por toda sua carreira, como maestro, conselheiro musical (a partir de 1963), Maestro Residente (1968) e Diretor Musical (1969 - 1978)[1] [2] .

Pritchard apareceu com a Orquestra Filarmônica Real em Edimburgo em 1952 (substituíndo o maestro Ernest Ansermet, que estava doente). Ele fez sua estreia na Royal Opera House, Covent Garden em 1951 e na Ópera Estatal de Viena em 1952. Ele apareceu regularmente com a Orquestra Sinfônica de Viena entre 1953 e 1955[1] [2] .

Nesse período no Glyndebourne, ele conduziu a ópera Idomeneo de Wolfgang Amadeus Mozart e Ariadne auf Naxos de Richard Strauss em 1953 e em 1954 La Cenerentola de Gioachino Rossini no Festival de Berlim, uma performance descrita como um "triunfo"[1] .

Em 1957, Pritchard foi apontado como Maestro Residente da Orquestra Filarmônica de Liverpool, onde ele criou a Musica Viva, uma série de música contemporânea. Seu sucesso em Liverpool levou-o a ser apontado como Diretor Musical da Orquestra Filarmônica de Londres, entre 1962 e 1966. Trabalhando como freelancer depois da Filarmônica, ele conduziu concertos em Berlim, Leipzig, Dresden, Filadélfia e pelo Oriente Médio e óperas em Buenos Aires, Chicago, São Francisco, Nova Iorque, Salzburgo, Florença e Munique. Em 1973 ele conduziu a Filarmônica de Londres na China[1] .

Seu último posto permanente em uma orquestra foram com a Orquestra Sinfônica da BBC, de 1982 a 1989, com a Ópera de Colônia em 1978, no Teatro de la Monnaie em 1981 e na Ópera de São Francisco em 1986. Na época de sua morte, ele estava ensaiando o Ciclo do Anel de Richard Wagner, em São Francisco[1] .

Ele foi feito Comandante do Império Britânico em 1983, mas apontado a Ordem em 1962. E venceu o prestigiado Prêmio Shakespeare em 1975.

Ele morreu em 1989 em Daly City, Califórnia, Estados Unidos. Ele deixou grande parte de suas propriedades ao seu parceiro, Terry Maclnnes[1] .

Gravações[editar | editar código-fonte]

  • Idomeneo (Wolfgang Amadeus Mozart)— Richard Lewis (Idomeneo), Leopold Simoneau (Idamante), Gundula Janowitz (Ilia), Lucille Udovick (Elettra), Coro e Orquestra do Festival de Glybedourne. Ano: 1956.

Referências

  1. a b c d e f g Ponsonby Robert, ‘Pritchard, Sir John Michael (1918–1989)’, rev., Oxford Dictionary of National Biography, Oxford University Press, 2004 accessed 4 Nov 2007
  2. a b Goodwin, Noel: 'John Pritchard', Grove Music Online ed. L. Macy (Accessed 4 Nov 2007), [1]