José Galhardo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde setembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
José Galhardo
ComSE
Fotografia de José Galhardo no programa d'A Canção de Lisboa (1933)
Nome completo José Maria Galhardo
Nascimento 10 de junho de 1905
Lisboa, Reino de Portugal Portugal
Morte 17 de outubro de 1967 (62 anos)
Lisboa, Portugal Portugal
Progenitores Mãe: Maria Laura Santana (tia de Vasco Santana)
Pai: Luís Galhardo
Ocupação Advogado, argumentista
Prémios Prémio Filipe Duarte (1945/1946) SNI
Prémio Alfredo Carvalho (1946/1947) SNI

José Maria Galhardo ComSE (Lisboa, 10 de Junho de 1905 — Lisboa, 17 de Outubro de 1967) foi um advogado e célebre argumentista e letrista português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

José Maria Galhardo nasceu em 10 de Junho de 1905, em Lisboa.

José Galhardo distinguiu-se como letrista de inúmeras canções e fados, como são exemplo o Fado Malhoa e Lisboa Não Sejas Francesa, celebrizados por Amália Rodrigues; e ainda os diálogos e letras das músicas de filmes como A Canção de Lisboa (1933), Maria Papoila (1937), Fado, História de uma Cantadeira (1947), Capas Negras (1947), e O Tarzan do Quinto Esquerdo (1958), entre outros.[1]

A canção mais conhecida internacionalmente, com música de Raul Ferrão, é Coimbra é uma lição de amor (também conhecida como Coimbra e Avril em Portugal), cantada no filme Capas Negras (1947) por Alberto Ribeiro.

José Galhardo recebeu, juntamente com Raul Ferrão (música) e Mirita Casimiro (canto), o "Prémio Filipe Duarte" (1945/1946) do SNI, atribuído a autores da letra e da música e artista intérprete do melhor número de canto de opereta, por "Menina Lisboa" incluída no espectáculo A Invasão.[2]

No ano seguinte, José Galhardo recebeu, juntamente com Luís Galhardo, Alberto Barbosa e Vasco Santana , o "Prémio Alfredo Carvalho" (1946/1947) do SNI, atribuído a autores e artista intérprete do melhor número declamado de revista, pela autoria da peça Se Aquilo que a Gente Sente.[2]

Em 1947 foi feito Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, em 29 de Janeiro.[3]

José Maria Galhardo morreu em 17 de Outubro de 1967, em Lisboa.

Referências

  1. Ramos, Jorge Leitão. Dicionário do Cinema Português 1895-1961. Alfragide: Editorial Caminho. ISBN 9789722126038 
  2. a b Moura, Nuno Costa (2007). «Apêndice 7 : Prémios Artísticos (entre 1959 e 1973)». "Indispensável dirigismo equilibrado" : O Fundo de Teatro entre 1950 e 1974 : (Volume II) (PDF) (Tese de Mestrado). Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. p. 39, 40. Consultado em 18 de maio de 2016. 
  3. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "José Maria Galhardo". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 18 de setembro de 2017. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.