Kepler-11d

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Coordenadas: Sky map 19h 48m 27.62s, +41° 54′ 32.9″

Kepler-11d
Exoplaneta Estrelas com exoplanetas
Kepler11.png
Representação artística de Kepler-11d e os outros cinco planetas do sistema planetário.
Estrela mãe
Estrela Kepler-11 (KOI-157)
Constelação Cygnus
Ascensão reta 19h 48m 27.62s
Declinação +41° 54′ 32.9″
Magnitude aparente 14.2[1]
Distância 2.000 anos-luz
613[1] pc
Tipo espectral G6V
Elementos orbitais
Semieixo maior .159[1] UA
Excentricidade 0[1]
Período orbital 22.68719[1] d
Inclinação 89.3°[1]
Características físicas
Massa 6.1 +3.1
−1.7
[2] M
Raio 3.43 (± .32)[2] R
Densidade 0.9[1] g/cm³
Temperatura 692[1] K
Descoberta
Data da descoberta 2 de fevereiro de 2011[3]
Descobridores Equipe Kepler
Método de detecção Em trânsito (Missão Kepler)[3]
Estado da descoberta Anúncio de conferência

Kepler-11d é um exoplaneta descoberto na órbita de uma estrela parecida com o Sol, Kepler-11. Possui esse nome pelo telescópio que o descobriu, uma sonda da NASA chamado Kepler que é projetado para detectar planetas semelhantes à Terra, medindo pequenas variações no brilho de suas estrelas, quando os planetas cruzam na sua frente. Este processo, conhecido como o método de trânsito, foi usado para observar a presença de seis planetas em órbita ao redor de Kepler-11, dos quais Kepler-11d é o terceiro mais próximo de sua estrela. Kepler-11d orbita Kepler-11, aproximadamente a cada 23 dias. O planeta tem aproximadamente seis vezes mais massa da Terra e tem um raio que é três vezes e meia maior do que a da Terra. É, no entanto, muito mais quente do que a Terra. A sua baixa densidade, comparável ao de Saturno, sugere que Kepler-11d tem uma grande atmosfera de hidrogênio e hélio. Kepler-11d foi anunciado com seus cinco planetas irmãos em 2 de fevereiro de 2011, após extensos estudos de acompanhamento.

Nomenclatura e descoberta[editar | editar código-fonte]

Tal como acontece com todos os exoplanetas, Kepler-11d tem o nome primeiramente de sua estrela, a Kepler-11. Porque Kepler-11d foi anunciada ao mesmo tempo que os outros cinco planetas do sistema planetário, seus nomes são classificados pela distância da estrela hospedeira; assim, Kepler-11d é o terceiro planeta do sistema planetário de Kepler-11, e recebeu a designação d. Kepler-11 recebeu o nome da sonda Kepler, um satélite da NASA com tarefa de descobrir planetas semelhantes à Terra em uma pequena área do céu entre as constelações de Cygnus e Lyra, observando planetas em trânsito, ou que cruzem na frente de sua estrela hospedeira com relação à Terra. O trânsito faz com que o brilho da estrela diminua um pouco e em um ritmo regular, um fenômeno que a sonda Kepler estuda e pode provar ou refutar a existência de um corpo planetário.[4] Kepler-11d foi marcado pelo Kepler-11, que recebeu a designação KOI-157.[1]

Observações de acompanhamento obrigatórios foram realizados nos telescópios Hale e C. Donald Shane, na Califórnia; o Observatório W. M. Keck, no Havaí; observatórios WIYN, Whipple, e MMT no Arizona; e os telescópios Hobby-Eberly e Smith do Texas. Além disso, o Telescópio Espacial Spitzer também foi usado.[4] Kepler-11d, junto com seus cinco planetas irmãos, foram anunciados ao público em 2 de fevereiro de 2011. A descoberta foi publicada na revista Nature no dia seguinte.[3]

Estrela hospedeira[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Kepler-11

Kepler-11 é uma estrela de classe-G, na constelação de Cygnus. Com uma massa de 0.95 Msol, um raio de 1.1 Rsol, a metalicidade média de 0, e uma temperatura efetiva de 5680 K, Kepler-11 a massa é quase idêntica ao Sol (95% do Sol), raio (110% do Sol), e teor de ferro igual do Sol.[1] Tal como as nuvens de gás ricas em metais tendem a fazer núcleos planetários para agregar a um tamanho gravitacionalmente proeminente enquanto os gases primordiais continuam a existir no sistema, gigantes gasosos tendem a formar sob tais condições.[5] Também é um pouco mais fria do que o Sol. No entanto, estima-se ter 8 (± 2) bilhões de anos, muito mais velha do que o Sol.[6] Kepler-11 é hospedeira de outros cinco planetas: Kepler-11b, Kepler-11c, Kepler-11e, Kepler-11f e Kepler-11g. Os primeiros cinco planetas do sistema têm órbitas que caberiam coletivamente dentro da órbita do planeta Mercúrio, enquanto a órbita de Kepler-11g tem uma distância consideravelmente mais longe em relação às órbitas dos seus irmãos.[3]

A uma distância de 2.000 anos-luz, Kepler-11 tem uma magnitude aparente de 14.2. E não pode ser vista da Terra a olho nu.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

Uma comparação entre os planetas Kepler, em comparação com a Terra e Júpiter. Kepler-11d está em laranja na parte inferior.

Kepler-11d tem uma massa de 6.1 M e um raio de 3.43 R, tornando-se cerca de seis vezes mais massa do que a Terra, e com três vezes e meia o raio. Com uma densidade de 0.9 g/cm3, a densidade de Kepler-11d é menor do que a da água e comparável com o gigante gasoso Saturno. Isso sugere que, ao contrário de seus irmãos Kepler-11b e Kepler-11c, que estão mais perto de sua estrela-mãe, Kepler-11d mantém uma grande atmosfera que é provavelmente composta de hidrogênio e hélio.[3] Kepler-11d tem uma temperatura de equilíbrio de 692 K, cerca de 2.7 vezes a temperatura de equilíbrio da Terra. A órbita de Kepler-11d, a uma distância média de .159 AU de sua estrela hospedeira e completa uma órbita a cada 22.68719 dias, tornando-se o terceiro planeta do sistema planetário de Kepler-11. O planeta Mercúrio do Sistema Solar, em comparação, orbita a cada 87.97 dias, a uma distância de .387 AU.[7] A inclinação da órbita de Kepler-11c é de 89.3°, e é, portanto, quase totalmente inclinado de lado visto da Terra.[1]

A presença de grandes quantidades de hidrogênio e hélio em Kepler-11d, Kepler-11e e Kepler-11f sugerem que estes planetas se formaram nos primeiros milhões de anos de existência do sistema, quando o gás ainda poderia ser capturado a partir do disco de formação protoplanetário.[2]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g h i j k l «Kepler Discoveries». Ames Research Center. NASA. 2011. Consultado em 25 de abril de 2014 
  2. a b c Lissauer, Jack L.; et al. (2 de fevereiro de 2011). «A closely packed system of low-mass, low-density planets transiting Kepler-11» (PDF). Nature. 470 (7332): 53. Bibcode:2011Natur.470...53L. arXiv:1102.0291Acessível livremente. doi:10.1038/nature09760. Consultado em 25 de abril de 2014 
  3. a b c d e Denise Chow (2 de fevereiro de 2011). «Astronomers Find 6-Pack of Planets in Alien Solar System». Space.com. Consultado em 25 de abril de 2014 
  4. a b Michael Mewinney and Rachel Hoover (2 de fevereiro de 2011). «NASA's Kepler Spacecraft Discovers Extraordinary New Planetary System». Ames Research Center. NASA. Consultado em 25 de abril de 2014 
  5. Henry Bortman (12 de outubro de 2004). «Extrasolar Planets: A Matter of Metallicity». Space Daily. Consultado em 25 de abril de 2014 
  6. Jean Schneider (2011). «Notes for star Kepler-11». Extrasolar Planets Encyclopaedia. Consultado em 25 de abril de 2014 
  7. David Williams (2001). «Mercury Fact Sheet». Goddard Space Flight Center. NASA. Consultado em 25 de abril de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]