Lógica econômica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Segundo Michael Hudson, o que causa a popularidade das ciências humanas é a sua lógica econômica desnudada que permite debater com seus patrocinadores.[1] Muitos acadêmicos como Larry Summers afirmam que o protecionismo destrói o meio ambiente[2] e que a consequente poluição aumenta os custos da saúde.[3] A lógica econômica se coaduna com o serviço público que é mais eficiente em gerar empregos do que os repasses ao setor privado[4] e a lógica econômica do capitalismo também é global.[5]

Casos[editar | editar código-fonte]

Os EUA tentam corromper e pressionar seus aliados contra a nova rota da seda seguindo uma lógica econômica no velho mundo,[6] atuando em regiões como Europa[7] e África sendo herdeiros da era do Egito Antigo de usar a corvéia como ferramenta de exploração da mão-de-obra tirando a liberdade dela e saindo do debate público.[8] A nova lógica das forças armadas também visa estabelecer o uso de mercenários no lugar das forças regulares.[9] Segundo os ambientalistas, o desmatamento carece de uma lógica econômica[10] assim como a privatização do ensino[11] e da água.[12] O perdão das dívidas obedece a uma lógica econômica de restaurar a confiança nos mercados muito mais do que injetar dinheiro em bancos.[13][14] [15]A natureza humana segue uma lógica econômica segundo Friedrich Nietzsche.[16] A tendência da lógica econômica é integrar continentes populosos o que fatalmente integraria Ásia e África.[17][18] Preservar o Meio ambiente também obedece a uma lógica econômica.[19]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hay, C. (2002). Globalisation as Problem of Political Analysis: Restoring Agents to a “Process Without a Subject” and Politics to a Logic of Economic Compulsion in Cambridge Review of International Affaire 15(3), 379-392
  • Martin Wolff, “Big risks for the insurer of last resort,” Financial Times, March 6, 2009.
  • The Economist, (8 February 1992) and in Financial Times (10 February, 1992) with the title “Preserve the planet from the economists.”

Referências

  1. Krugman's attack on my review of Samuelson
  2. Larry Summers' War Against the Earth
  3. The Memo
  4. França opta pela via da austeridade
  5. A Teoria Pós-Colonial e o Espectro do Capital
  6. Hybrid War Can Wreak Havoc Across West Africa (III)
  7. Peace, harmony and happiness, plus a deluge of yuan
  8. BRONZE AGE REDUX: ON DEBT, CLEAN SLATES AND WHAT THE ANCIENTS HAVE TO TEACH US
  9. Privatization of wars by US
  10. As Bolsonaro incinerates the Amazon, urgent action is needed for climate justice
  11. ‘Não é só uma lógica econômica, é um horizonte para a formação humana no Brasil’
  12. Como se privatizam as águas do Brasil
  13. «BRONZE AGE REDUX: On Debt, Clean Slates And What The Ancients Have To Teach Us». Tribes (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2020 
  14. «What is Key for the price formation of Gold?». Matterhorn - GoldSwitzerland (em inglês). 31 de janeiro de 2013. Consultado em 5 de julho de 2020 
  15. EN-AB. «Get Ready for an Unacceptable "New Normal": Censorship, Extrajudicial Arrests, Is Martial Law the Next Shoe to Drop? – Global Research». Apokalyps Nu! (em neerlandês). Consultado em 5 de julho de 2020 
  16. Smith, Yves (26 de agosto de 2011). «What is Debt? – An Interview with Economic Anthropologist David Graeber». naked capitalism (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2020 
  17. Andrew KORYBKO (7 de abril de 2017). «Hybrid War Can Wreak Havoc Across West Africa (IV)». OrientalReview.org (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2020 
  18. Andrew KORYBKO (31 de março de 2017). «Hybrid War Can Wreak Havoc Across West Africa (III)». OrientalReview.org (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2020 
  19. The Economist, (8 February 1992) and in Financial Times (10 February, 1992) with the title “Preserve the planet from the economists.”