Levamisol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Levamisol
Alerta sobre risco à saúde
Levamisole Structural Formulae.png
Nome IUPAC (S)-6-phenyl-2,3,5,6-tetrahydroimidazo[2,1-b][1,3]thiazole
Identificadores
Número CAS 14769-73-4
PubChem 26879
DrugBank APRD01067
Código ATC P02CE01,QP52AE01
DCB n° 05224
Propriedades
Fórmula química C11H12N2S
Massa molar 204.29 g mol-1
Farmacologia
Via(s) de administração oral
Metabolismo hepático
Excepto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições PTN

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Levamisol, comercializado como cloridrato sal sob o nome comercial Ergamisol (R12564), (no Brasil como Ascaridil[1] [2] , em Portugal como Vetramisol) é um anti-helmíntico e imunomodulador pertencente a uma classe de derivados sintéticos do imidazotiazoil. Foi descoberto em 1966 na Bélgica pela Janssen Farmacêutica em 1966,[3] na qual foi preparado inicialmente sob a forma de sua racemato chamado tetramisol.[4] Os dois estereoisómeros do tetramisol foram subsequentemente sintetizados e ao isómero levógiro foi dado o nome de levamisol.[5] Levamisol tem sido utilizado em seres humanos para o tratamento de parasitoses e tem sido estudado em combinação com outras formas de quimioterapia para câncer do cólon, melanoma e canceres da cabeça e pescoço. Em alguns dos estudos em linhas celulares de leucemia, tanto o tetramisol quanto o levamisol mostraram efeito semelhante.[6] A droga foi retirada do mercado dos EUA e Canadá em 2000 e 2003, respectivamente, devido ao risco de efeitos secundários graves e disponibilidade de medicamentos mais eficazes para sua reposição.[7] [8] O principal efeito tóxico droga é a agranulocitose, uma depleção grave das células brancas do sangue que deixa os pacientes mais vulneráveis ​​à infecção.[9] [10]

Atualmente, o levamisol permanece em uso na veterinária como um vermífugo para gado. O medicamento também tem sido cada vez mais utilizado como um adulterador da cocaína vendida nos Estados Unidos e Canadá, resultando em sérios efeitos colaterais.[11] [7]

Química[editar | editar código-fonte]

A síntese original feita pela Janssen Farmaceutica resultou na preparação de um mistura racêmica dos dois enantiómeros, cujo sal cloridrato foi relatado ter um ponto de fusão de 264-265 ° C, a base livre do racemato tem um ponto de fusão de 87-89 ° C. Quando os dois enantiómeros foram feitas separadamente, o levógiro (S-(-) -) enantiómero - posteriormente chamado levamisol - tinha ponto de fusão de 227-229 ° C assim como seu sal cloridrato; e 60-61,5 ° C assim como sua base livre. Assim, 60 ° C é inserido como o valor para o ponto de fusão ns Drugbox. O enantiómero dextrógirao (R-(+) -) , posteriormente chamado dexamisol, tem um ponto de fusão de 227-227,5 ° C, tal como o seu cloridrato, e 60-61,5 ° C, tal como sua base livre.[12]

Síndrome de Necrose Induzida por Levamisol[editar | editar código-fonte]

Do inglês Levamisole Induced Necrosis Syndrome (LINES), é uma complicação causada pelo uso de cocaína adulterada reconhecida em 2011. O levamisol é frequentemente misturado à cocaína para potencializar os efeitos produzidos sobre a estimulação do sistema nervoso central(SNC) ou é adicionado como um composto marcador.[13] A necrose da pele associada a toxicidade do levamisol varia de vasculite leucocitoclástica a vasculopatia oclusiva. Vários casos de agranulocitose grave associada ao uso de cocaína têm sido relatados desde 2006. Com a doença cutânea recentemente reconhecida, a face e as orelhas são comumente afetados, especialmente as hélices bilaterais e bochechas. No entanto, também houve relatos de casos de envolvimento do abdômen, peito, nádegas e pernas.[14]

Referências

  1. ANVISA, [25752-1-0.PDF Modelo de Bula - Ascaridil]
  2. ANVISA, Ascaridil®
  3. Goodman & Gilman. As bases farmacológicas da terapêutica. [tradução da 10. ed. original, Carla de Melo Vorsatz. et al] Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 2005.
  4. A. H. M. Raeymakers et al. (1966) J. Med. Pharm. Chem. 9 545-551.
  5. A. H. M. Raeymakers, L. F. C. Roevens and P. A. J. Janssen (1967) Tet. Lett. 16 1467-1470.
  6. (Chirigos et al. (1969, 1973, 1975)).
  7. a b http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20668440
  8. Products Discontinued from the Market Since Publication of the 2000 CPS. Canadian Pharmacists Association. Página visitada em 2009-08-13.
  9. Agranulocytosis—Advances in Research and Treatment: 2012 Edition: ScholarlyBrief. ScholarlyEditions; ISBN 978-1-4816-0275-4. p. 80.
  10. Laurence L. Brunton. As Bases Farmacológicas da Terapêutica de Goodman & Gilman. McGraw Hill Brasil; ISBN 978-85-8055-117-4. p. 1021–.
  11. (December 2009) "Agranulocytosis associated with cocaine use - four States, March 2008-November 2009". Morb. Mortal. Wkly. Rep. 58 (49): 1381–5. PMID 20019655.
  12. The Merck Index, 10th Ed. (1983) p. 1321, Rahway: Merck & Co.
  13. Mark G. Papich. Manual Saunders de Terapia Veterinária. Elsevier Health Sciences Brazil; 21 September 2012. ISBN 978-85-352-6538-5. p. 596–.
  14. Barbara M. Alving. Consultative Hemostasis and Thrombosis: Expert Consult - Online and Print. Elsevier Health Sciences; 2013. ISBN 978-1-4557-2296-9. p. 168.
Ícone de esboço Este artigo sobre fármacos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.