Linduarte Noronha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade. Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Linduarte Noronha
Nome completo Linduarte Noronha
Nascimento 1930
Ferreiros (Pernambuco)
Nacionalidade brasileiro
Morte 30 de agosto de 2012
João Pessoa
Ocupação diretor,
Outros prêmios
IMDb: (inglês)

Linduarte Noronha (Ferreiros, PE, 1930 - João Pessoa, PB, 30 de janeiro de 2012) foi um cineasta, professor e procurador da justiça paraibano de origem pernambucana. Sua obra mais célebre é o documentário de curta-metragem Aruanda, que teve grandes repercussões estéticas para o cinema brasileiro, sendo considerado precursor do Cinema Novo, inclusive por Glauber Rocha, seu representante mais expressivo.

Linduarte Noronha foi repórter e crítico de cinema antes de arriscar-se no documentário. Foi adaptando um texto jornalístico próprio que rodou seu curta-metragem de estréia, “Aruanda” (1960). Nunca mais o filme no Brasil seria o mesmo.

“Aruanda” está para o moderno cinema brasileiro como “A Bagaceira” do também paraibano José Américo de Almeida está para nosso modernismo literário. O Nordeste, sua realidade, seus mitos, texturas, asperezas, locações e personagens, abria passagem – em 1960 como em 1928, nos filmes como nos livros.

“Aruanda”, ensina Noronha, quer dizer “terra de promissão”. O filme trata da fundação de um quilombo de escravos fugidos na Serra do Talhado e revisita a região, quase um século depois, flagrando uma família camponesa que subsiste de algodão, plantado pelos homens, e cerâmica, obra das mulheres.

O então jovem critico baiano Glauber Rocha comparou-o ao Rossellini da aurora do neorealismo. Jean-Claude Bernardet o louva como “simultaneamente documento e interpretação da realidade”. Na década seguinte, o Cinema Novo e o documentário nacional aplicariam suas lições.

“Aruanda” originou ainda toda uma escola de documentários na Paraíba, a partir principalmente de companheiros de equipe de Noronha: Vladimir Carvalho, João Ramiro Mello, Rucker Vieira e Jurandy Moura. O próprio Linduarte Noronha acabaria por realizar apenas dois outros filmes: o curta “O Cajueiro Nordestino” e, já nos anos 70, o longa-metragem O Salário da Morte, depois de uma tentativa frustrada de adaptar, claro, “A Bagaceira”.

Às vésperas do cinqüentenário da reportagem que originou “Aruanda” (As Oleiras de Olho d’Água na Serra do Talhado, 1958), o É Tudo Verdade celebra a contribuição renovadora de Linduarte Noronha. Este ciclo reúne os filmes por ele dirigidos, um retrato dele por outro mestre do documentário brasileiro (Geraldo Sarno), duas obras que contextualizam a Paraíba no ano de seu nascimento (1930) e dois curtas essenciais da escola paraibana. A força desse movimento se reafirma pela exibição hors-concours do novo documentário de Vladimir Carvalho, “O Engenho de Zé Lins”, um tocante retrato do escritor paraibano José Lins do Rego (1901-1957). (AMIR LABAKI)

Linduarte Noronha faleceu em janeiro do ano de 2012 na cidade de João Pessoa devido a uma parada respiratória. [3]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Cabo Branco (1955) - Curta-metragem
  • Aruanda (1960) - Curta-metragem
  • O Cajueiro Nordestina (1962) - Curta-metragem [4]


Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Maria do Socorro Carvalho (2003). «Cinema na Bahia, memórias da cidade de Salvador» (PDF). Revista do Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens - Departamento de Ciências Humanas – DCH I - Universidade do Estado da Bahia – UNEB. Consultado em 9 de setembro de 2018 
  2. «Abraccine lança "100 melhores filmes brasileiros" no Festival de Gramado». Abraccine. 4 de setembro de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2018 
  3. «Cineasta Linduarte Noronha morre em hospital de João Pessoa». G1. 30 de janeiro de 2012. Consultado em 9 de setembro de 2018 
  4. «O Cajueiro Nordestino». Cinemateca Brasileira. Consultado em 9 de setembro de 2018