Lorenzo Buffon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lorenzo Buffon
Lorenzo Buffon
Lorenzo Buffon e sua esposa Edy Campagnoli
Informações pessoais
Nome completo Lorenzo Buffon
Data de nasc. 19 de dezembro de 1929 (91 anos)
Local de nasc. Majano, Itália
Altura 1,84 m
Informações profissionais
Clube atual aposentado
Posição goleiro
Clubes profissionais
Anos Clubes
1948–1949
1949–1959
1959–1960
1960–1963
1963–1964
1964–1965
Portogruaro
Milan
Genoa
Internazionale
Fiorentina
Ivrea
Seleção nacional
1958–1962 Itália

Lorenzo Buffon (Majano, 19 de dezembro de 1929) é um ex-futebolista italiano que atuava como goleiro.[1] Ao longo de sua carreira, atuou em 277 partidas pelo Milan e depois também jogou na rival Internazionale, assim como outros clubes italianos, vencendo cinco títulos da Serie A. Ele jogou 15 vezes na Seleção Italiana, representando seu país na Copa do Mundo FIFA de 1962.[2]

Lorenzo é considerado um dos maiores goleiros de sua geração e um dos maiores goleiros da história da Itália. Juntamente com o lendário goleiro Lev Yashin, ele foi escolhido para representar o time da FIFA All-Star durante a década de 1960.

É primo em segundo grau do avô de Gianluigi Buffon, goleiro da Juventus.[3] Embora o parentesco entre os dois goleiros seja relativamente distante, a relação entre ambos sempre foi próxima: Lorenzo descreveu que possuía relação fraternal com o filho desse primo, e por conseguinte sempre tratou Gianluigi como sobrinho - a ponto de, como olheiro do Milan, tê-lo indicado ao clube quando Gigi ainda tinha treze anos (sugestão que terminou recusada pelo clube).[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Clubes[editar | editar código-fonte]

Nascido em Majano, na província de Údine, Buffon jogou 15 temporadas (365 jogos) na Serie A pelo Milan (1949–59) e depois atuou por Genoa (1959–60), Internazionale (1960–63) e Fiorentina (1963–64).

Ele começou sua carreira no Portogruaro em 1948, antes de ser contratado pelo Milan na temporada seguinte. Estreou na Serie A no dia 15 de janeiro de 1950, em uma vitória por 1 a 0 sobre a Sampdoria. Ele jogou 277 jogos pelo clube e ganhou proeminência internacional, obtendo grande sucesso, conquistando quatro títulos da Serie A e duas Copas Latinas.

Com o Milan, Buffon também chegou à final da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1957–58, e às semifinais da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1955–56, onde o clube italiano foi derrotado pelo Real Madrid em ambas as ocasiões. Ele é um dos quatro goleiros com mais partidas pelo Milan, atrás de Christian Abbiati, Sebastiano Rossi e Dida.

Posteriormente Buffon atuou no Genoa por uma temporada em 1959, e depois mudou-se para a Inter de Milão em 1960. Nas duas ocasiões foi reserva de Giorgio Ghezzi.[5]

Com a Inter, Buffon venceu outro título da Serie A durante a temporada 1962–63 sob o comando do lendário técnico Helenio Herrera. Durante as três temporadas com a equipe Nerazzurri, ele também chegou às semifinais da Taça das Cidades com Feiras de 1960–61.

Depois de jogar na Fiorentina por uma temporada, fazendo apenas um jogo no campeonato, ele se aposentou após uma breve passagem pelo Ivrea em 1965.

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Buffon jogou 15 vezes pela Seleção Italiana entre 1958 e 1962; ele fez sua estreia em um empate por 2 a 2 contra a França, no dia 9 de setembro de 1958.[6]

Mais tarde representou seu país como capitão na Copa do Mundo FIFA de 1962, realizada no Chile. Ele fez duas aparições em todo o torneio, mas a Itália foi eliminada de maneira controversa na primeira rodada.[7]

Estilo de jogo[editar | editar código-fonte]

Goleiro de grande porte físico, eficaz e confiável, Buffon era conhecido em particular pelo seu senso de posicionamento, o que lhe permitia realizar defesas acrobáticas; suas habilidades espetaculares lhe renderam o apelido de Lorenzo il Magnifico.

Embora ele fosse um goleiro bastante alto e fisicamente forte, era menos efetivo ao sair do gol e teve melhor desempenho entre as balizas. Apesar de sua reputação como um goleiro geralmente sólido e de classe mundial, ele também foi ocasionalmente criticado ao longo de sua carreira por ser inconsistente e por deixar sua mentalidade afetar suas performances às vezes.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É primo do avô de Gianluigi Buffon. Lorenzo é lembrado por seu casamento com a falecida atriz e personalidade televisiva italiana Edy Campagnoli, que já teve em um relacionamento com o também ex-goleiro Giorgio Ghezzi.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Milan
Internazionale

Referências

  1. «Lorenzo Buffon». www.magliarossonera.it. Consultado em 6 de julho de 2018 
  2. «Elenco Italiano na Copa de 62». Consultado em 13 de março de 2016 
  3. Ci ritorni in mente...Lorenzo Buffon
  4. Charley Moreira (24 de janeiro de 2019). «Lorenzo Buffon virou ídolo do Milan e foi o primeiro da sua família a fazer história». Calciopédia. Consultado em 11 de maio de 2021 
  5. Leandro Stein (19 de dezembro de 2015). «Lorenzo Buffon, o antepassado que iniciou uma dinastia de goleiros na Azzurra e em Milão». Trivela. Consultado em 11 de maio de 2021 
  6. «Francia-Italia 2-2, 09/11/1958 - il tabellino della partita - Italia1910.com - Nazionale Italiana di calcio e Serie A». www.italia1910.com. Consultado em 6 de julho de 2018 
  7. Piksel.com. «Nazionale in cifre - FIGC - Federazione Italiana Giuoco Calcio». FIGC - Federazione Italiana Giuoco Calcio. Consultado em 6 de julho de 2018. Arquivado do original em 11 de março de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]