Lotte Reiniger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lotte Reiniger
Reiniger in 1939
Nome completo Charlotte Reiniger
Conhecido(a) por animadora, diretora de cinema
Nascimento 02 de junho de 1899
Berlin-Charlottenburg, Império Alemão
Morte 19 de junho de 1981
Dettenhausen, Alemanha Ocidental

Charlotte "Lotte" Reiniger (2 de junho de 1899 – 19 de junho de 1981) foi uma  diretora de cinema alemã e a maior pioneira da animação de silhuetas. Reiniger fez mais de 40 filmes ao longo de sua carreira, todos eles usando a sua invenção.[1] Seus  filmes mais conhecidos são As Aventuras do Príncipe Achmed (1926) – o mais velho longa-metragem de animação sobrevivente, anterior ao longa-metragem de Walt Disney Branca de Neve e os Sete Anões (1937) por mais de dez anos – e Papageno (1935), com músicas de Mozart. Reiniger também é notável pela elaboração de uma precursora à primeira câmera multiplano.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Anos iniciais[editar | editar código-fonte]

Lotte Reiniger nasceu em Charlottenburg, distrito de Berlim, em 2 de junho de 1899. Seus pais eram Carl Reiniger e Eleonore Lina Wilhelmine Rakette.[3]

Quando criança, ela ficou fascinada com a arte chinesa de teatro de sombras, construindo mesmo seu próprio teatro de fantoches, para que ela pudesse apresentar espetáculos para sua família e amigos.

Quando adolescente, Reiniger apaixonou-se pelo cinema, primeiro pelos filmes de Georges Méliès por seus efeitos especiais e, em seguida, pelos filmes do ator e diretor Paul Wegener, hoje conhecido por O Golem (1920). Em 1915, ela participou de uma palestra de Wegener  que incidiu sobre as possibilidades fantásticas da animação.

Reiniger convenceu os pais a deixá-la a se inscrever no grupo de atuação a que Wegener pertencia, o Teatro de Max Reinhardt. Ela começou fazendo figurinos e adereços, e trabalhando nos bastidores.[4] Ela começou a fazer retratos de silhueta dos vários atores a suavlta, e logo ela estava fazendo elaborados cartões de título para os filmes de Wegener, muitos dos quais contavam com silhuetas.[carece de fontes?]

A idade adulta e sucesso[editar | editar código-fonte]

Em 1918, Reiniger animou ratos de madeira e criou inter títulos animados para o filme de Wegener Der Rattenfänger von Hameln (O Flautista de Hamelin). O sucesso desta obra teve sua admissão no Institut für Kulturforschung (Instituto de Pesquisa Cultural), um estúdio de animação experimental e curtas-metragens. Foi aqui que ela conheceu seu futuro parceiro criativo e marido (de 1921), Carl  Koch, assim como outros artistas de vanguarda, incluindo Hans Cürlis, Bertolt Brecht e Bertold Bartosch.[5]

O primeiro filmedirigido por Reiniger foi Das Ornament des verliebten Herzens (O Ornamento do Coração Apaixonado, 1919), um filme curto envolvendo dois amantes e um ornamento que reflete seus estados de espírito. O filme foi muito bem recebido. Foi sucesso de bilheteria nos Estados Unidos, o que era bastante impressionante por ter apenas cinco minutos de duração. Este filme de sucesso abriu muitas novas conexões para Reiniger na indústria da animação.

Ela fez seis curtas-metragens durante alguns anos, todos produzidos e fotografados por seu marido. Estes foram intercaladas com filmes publicitários (a agência de publicidade Julius Pinschwer inovou nos filmes publicitários e patrocinou um grande número de animadores abstratos durante o período de Weimar) e efeitos especiais de vários filmes de longa-metragem – a mais famosa uma silhueta de um falcão numa sequência de sonho, na Parte Um, de  Die Nibelungen (Os Nibelungos) de Fritz Lang. Durante este período, ela se tornou o centro de um grande grupo de ambiciosos animadores alemães, incluindo Bartosch, Hans Richter, Walter Ruttmann e Oskar Fischinger.

Em 1923, ela foi abordada por Louis Hagen, que havia comprado uma grande quantidade de película bruta como investimento para combater a espiral de inflação do período, que pediu-lhe para fazer um longa-metragem de animação.Houve alguma dificuldade que veio com isso, no entanto. Reiniger é citada  dizendo: "Nós tivemos que pensar duas vezes. Essa era uma coisa de que ninguém ouvira falar. Filmes de animação deveriam fazer com que as pessoas gargalhassem, e ninguém tinha ousado em entreter um público com eles por mais de dez minutos. Todos com quem conversamos na indústria sobre a proposta ficaram horrorizados." O resultado foi As Aventuras do Príncipe Achmed, concluído em 1926, um dos primeiros filmes de longa-metragem, com um enredo que é um pastiche de histórias de as Mil e Uma Noites. Embora não tenha conseguido encontrar um distribuidor por quase um ano, assim que estreou em Paris, graças ao apoio de Jean Renoir), tornou-se um sucesso crítico e popular. Embora devido a esse atraso, o estilo expressionista de As Aventuras do Príncipe Achmed não se encaixasse perfeitamente com o estilo realista de filme que estava se tornando popular em 1926.[6] Reiniger usa linhas que quase pode ser chamadas de "coloridas" para representar a localização exótica onde o filme tem lugar. Hoje, acredita-se que As Aventuras do Príncipe Achmed é um dos mais antigos filmes de animação sobreviventes, se não o mais antigo. Ele também é considerado o primeiro longa-metragem de animação de vanguarda

Fuga da Alemanha e anos finais [editar | editar código-fonte]

Com a ascensão do Partido Nazista, Reiniger e Koch decidiram emigrar (ambos estavaam envolvidos na esquerda política), mas descobriu que nenhum outro país poderia dar-lhes vistos permanentes. Como resultado, o casal passou os anos 1933-1944 mudando de país para país, ficando tanto tempo quanto os vistos permitiriam. Com o lançamento dos filmes sonoros, Reiniger e seu marido começaram a trabalhar com música em relação à animação. Eles trabalharam com o cineasta Jean Renoir , em Paris, e Luchino Visconti , em Roma. Eles conseguiram fazer com 12 filmes durante este período, os mais conhecidos sendo Carmen (1933) e Papageno (1935), ambos baseados em operas populares  ( Carmen de Bizet e Die Zauberflöte de Mozart). Quando a II Guerra Mundial começou, eles ficaram com Visconti em Roma, até 1944, em seguida, mudaram-se de volta a Berlim para cuidar da mãe doente de Reiniger.[7] Sob o governo de Hitler, Reiniger foi forçada a fazer filmes de propaganda para a Alemanha. Um desses filmes é chamado Die goldene Gans (O Ganso De Ouro De 1944.) Ela tinha que trabalhar sob condições rigorosas e limitadoras para agradar o estado alemão, que é a razão porque alguns de seus trabalhos neste período de tempo podem aparecer sufocados criativamente.

Em 1949, Reiniger e Koch mudaram-se para Londres, onde ela fez alguns filmes publicitários para John Grierson e o seu General Post Office Film Unit (mais tarde renomeado "Crown Film Unit"). Enquanto ela estava morando em Londres, no início da década de 1950, ela fez amizade com  "Freddie" Bloom, o primeiro diretor da Sociedade Nacional de Crianças Surdas que lhe pediu para criar um logotipo para a nova instituição de caridade. Reiniger respondeu com o corte de silhuetas de quatro crianças correndo para cima de uma colina. Bloom estava maravilhado com a sua habilidade com a tesoura - em poucos momentos ela criou cerca de quatro diferentes silhuetas das crianças a partir de papel preto. O logotipo foi utilizado até a década de 1990, quando uma empresa de design foi convidado a renovar-lo. O resultado foi uma pequena modificação, mas este novo design foi interrompido poucos anos depois.[carece de fontes?]

Com Louis Hagen Jr. (filho do financiador do Príncipe Achmed , em Potsdam), Reiniger fundou a Primrose Productions em 1953 e, nos próximos dois anos, produziu mais de uma dezena de curtas em silhueta baseados em Contos Dos irmãos grimm para a BBC e Telecasting América. Reiniger também fez ilustrações para o livro de 1953 Rei Arthur e Seus Cavaleiros da távola Redonda por Roger Lancelyn Green.[carece de fontes?]

Reiniger foi premiada com o Filmband in Gold do Deutscher Filmpreis em 1972; em 1979, recebeu a Grã-Cruz da Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha. Reiniger morreu em Dettenhausen, Alemanha, em 19 de junho de 1981, pouco depois do seu 82º aniversário.[carece de fontes?]

Estilo de arte[editar | editar código-fonte]

Reiniger tinha um estilo de arte peculiar em suas animações que era muito diferente do de outros artistas, no período de 1920 a 1930, particularmente em termos de personagens. Na década de 1920, especialmente, os personagens tendiam a confiar em expressões faciais para expressar emoções ou ação, enquanto os de Reiniger invocavam gestos para mostrar emoções ou ações. Ela também utilizava a técnica de metamorfose, muitas vezes, em suas animações. Este foco na transformação beneficia muito a sua tendência para o trabalho com histórias de contos de fadas. Devido a isso, os personagens de Reiniger geralmente não são biologicamente corretos, mas eles são capazes de expressar uma fluidez que é muito importante para o seu estilo de expressionismo. Apesar de existirem outros animadores do período que utilizaram estas técnicas, Reiniger se destaca porque ela é capaz de realizar este estilo usando animação de recortes. As figuras de Reiniger se assemelham a animação stop-motion, na forma como elas se movem.

Influência[editar | editar código-fonte]

Apesar de todos os criadores de contos de fadas animados, poderiam ter sido influenciada por Reiniger, Bruno J. Böttge é, provavelmente, o que fez referências mais explícitas a  seu trabalho.[carece de fontes?]

 Fantasia  de Disney usa o estilo de Reiniger no início da cena onde Mickey Mouse está na mesma cena com os músicos em live-action.

Começando com o formato silhueta na série de telvisão de 1989 Ciné si, o animador francês Michel Ocelot utiliza muitas das técnicas criadas por Reiniger, junto com outras de sua própria invenção, em seu filme de silhueta Príncipes e princesas.[8]

O estilo de animação de Reiniger foi utilizado nos créditos do filme de 2004,  Lemony Snicket's A Series of Unfortunate EventsI.

No filme de 2010, Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1, o animador Ben Hibon usou o estilo de animação de Reiniger no curta-metragem intitulado "O Conto dos Três Irmãos".[9]

A série de animação Steven Universo homenageou o estilo de Reiniger no episódio "A Resposta".[10]

Legado[editar | editar código-fonte]

O museu municipal, em Tübingen, possui grande parte de seu material original, e abriga uma exposição permanente, "O Mundo da Luz e da Sombra: Silhueta, teatro de sombras, o filme de silhuetas".[11] O Filmmuseum Düsseldorf também possui muitos materiais de Lotte Reiniger do trabalho, incluindo sua mesa de animação e uma parte da exposição permanente é dedicada a Reiniger.[12] Outro grande arquivo com o seu trabalho é mantido pelo BFI  National Archive.[13]

Em 2 de junho de 2016, o Google comemorou o 117 ° aniversário de Reiniger com um Google Doodle.[14][15]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

* 1919 – The Ornament of the Lovestruck Heart
  • 1920 – Amor and the Steady Loving Couple
  • 1921 – The Star of Bethlehem
  • 1922 – Sleeping Beauty
  • 1922 – The Flying Suitcase
  • 1922 – The Secret of the Marquise
  • 1922 – Cinderella
  • 1926 – The Adventures of Prince Achmed (feature)
  • 1927 – The Chinese Nightingale
  • 1928 – Dr. Dolittle and His Animals (3 parts: "The Journey to Africa", "The Monkey Bridge", "The Monkey Illness")
  • 1928 – The Seemingly Dead Chinese
  • 1930 – Chasing Fortune
  • 1930 – Ten Minutes of Mozart
  • 1931 – Harlekin
  • 1932 – Sissi
  • 1933 – Carmen
  • 1934 – The Stolen Heart
  • 1935 – The Little Chimney Sweep
  • 1935 – Galathea: The Living Marblestatue
  • 1935 – Kalif Storch
  • 1935 – Papageno
  • 1936 – Silhouettes (animation scenes)
  • 1936 – Puss in Boots
  • 1937 – The Tocher. Film Ballet
  • 1938 – The HPO – Heavenly Post Office
  • 1942 – Girl of the Golden West (writer)
  • 1944 – The Goose That Lays the Golden Eggs
  • 1951 – Mary's Birthday
  • 1953 – The Magic Horse
  • 1954 – Aladdin and the Magic Lamp
  • 1954 – Caliph Storch
  • 1954 – Cinderella
  • 1954 – Puss in Boots
  • 1954 – Snow White and Rose Red
  • 1954 – The Frog Prince
  • 1954 – The Gallant Little Tailor
  • 1954 – The Grasshopper and the Ant
  • 1954 – The Little Chimney Sweep
  • 1954 – The Sleeping Beauty
  • 1954 – The Three Wishes
  • 1954 – Thumbelina
  • 1955 – Hansel and Gretel
  • 1955 – Jack and the Beanstalk
  • 1961 – The Frog Prince
  • 1975 – Aucassin and Nicolette
  • 1979 – The Rose and the Ring

Referências

  1. The Art of Lotte Reiniger, parte 1 no YouTube
  2. «The life of Lotte Reiniger». Drawn to be Wild. BFI. Arquivado do original em 3 de março de 2001 
  3. Dresden, Germany, Marriages, 1876–1922, and Berlin, Germany, Births, 1877–1899 (in German), indexed in Ancestry.com.
  4. «Stranger Magic». Sight & Sound – via JSTOR 
  5. Schönfeld, Christiane (2006). Practicing Modernity: Female Creativity in the Weimar Republic. [S.l.]: Konigshausen & Neumann. 174 páginas 
  6. «Life and Death in the Shadows: Lotte Reiniger's Die Abenteuer des Prinzen Ahmed». German Life and Letters 
  7. «Reiniger, Lotte (1899–1981)». BFI Screenonline 
  8. Jouvanceau, Pierre. The Silhouette Film. [S.l.: s.n.] ISBN 88-8012-299-1 
  9. Warner, Marina. Stranger Magic: Charmed States and the Arabian Nights. [S.l.: s.n.] ISBN 9780674055308. JSTOR j.ctt2jbtr6. OCLC 758383788 
  10. http://www.themarysue.com/comics-pros-shout-out-fave-female-creators/  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  11. «Lotte Reiniger» 
  12. «Landeshauptstadt Düsseldorf – Über das Filmmuseum». www.duesseldorf.de 
  13. «Lotte Reiniger and The Star of Bethlehem» 
  14. «New Google Doodle Celebrates German Animator Lotte Reiniger» 
  15. «Lotte Reiniger's 117th birthday» 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bendazzi, Giannalberto (Anna Taraboletti-Segre, tradutor). Desenhos animados: os Cem Anos do Cinema de Animação. Indiana University Press. ISBN 0-253-20937-4 (impressão, brochura, 2001).
  • Crafton, Donald. Antes De Mickey: O Filme De Animação, 1898-1928. University of Chicago Press. ISBN 0-226-11667-0 (2ª edição, brochura, 1993).
  • Leslie, Ester. Hollywood Planícies: Animação, Teoria Crítica e a Avant-Garde. London: Verso, 2002. Imprimir.
  • Reiniger, Lotte. Sombra Teatros de Sombra e de Filmes. Londres: B. T. Batsford Ltd., 1970. Imprimir.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]