Luís Cília

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luís Cília
Informação geral
Nome completo Luís Fernando Cília
Nascimento 1 de fevereiro de 1943 (74 anos)
Origem Nova Lisboa, Angola colonial
País  Portugal
Gênero(s) Música de intervenção
Instrumento(s) vocal, guitarra acústica
Período em atividade 1962–actualmente
Página oficial LuísCília.com

Luís Fernando Cília OL (Nova Lisboa, Angola, 1943), é um compositor e intérprete musical português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Luís Cília é um cantor de intervenção que no exílio, em França, denunciou a guerra colonial e a falta de liberdade em Portugal. Uma das suas músicas desse período mais conhecidas, Avante camarada, tornou-se uma espécie de segundo hino do Partido Comunista Português.[1]

Veio para Portugal em 1959, para prosseguir os seus estudos. Em 1962 conheceu o poeta Daniel Filipe que o incentivou a musicar poesia. Datam desse ano as suas primeiras experiências nesse campo ("Meu país", " O menino negro não entrou na roda", entre outras), mais tarde incluídos no seu primeiro disco, gravado em França, para a editora Chant du Monde. Em Abril de 1964 partiu para Paris, onde viveu até 1974. Em França estudou guitarra clássica com António Membrado e composição com Michel Puig. Entre 1964 e 1974 realizou recitais em quase todos os países da Europa.

Depois do seu regresso a Portugal continuou a gravar discos, como compositor e intérprete e a realizar recitais. Como intérprete, gravou dezoito discos, alguns dos quais dedicados a poetas,tais como Eugénio de Andrade ("O peso da sombra") Jorge de Sena ("Sinais de Sena"), ou David Mourão Ferreira ("Penumbra").

Nos últimos anos tem-se dedicado apenas à composição, nomeadamente para Teatro, Bailado e Cinema.

A 9 de Junho de 1994 foi feito Oficial da Ordem da Liberdade.[2]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1964: Portugal-Angola: Chants de Lutte (Le Chant Du Monde)
  • 1965: Portugal Resiste (Ep, Cercle du Disque Socialiste)
  • 1967: La Poésie Portugaise de nos jours et de toujours 1 (Moshé Naim)
  • 1967: O Salto (Single, UAF)
  • 1969: La Poésie Portugaise de nos jours et de toujours 2(Moshé Naim)
  • 1971: La Poésie Portugaise de nos jours et de toujours 3(Moshé Naim)
  • 1973: Contra a ideia da violência a violência da ideia (Le Chant Du Monde)
  • 1974: O guerrilheiro (Orfeu)
  • 1974: O povo unido jamais será vencido/Uma Palavra antiga (Single, Orfeu)
  • 1975: Resposta (LP, EMI)
  • 1975: Canção Em Coro/Resposta (Single, EMI)
  • 1976: Novembro/A Festa Nunca Acaba (Single, Guilda da Música)
  • 1976: Memória (LP, Diapasão)
  • 1978: Transparências (LP, Guilda da Música)
  • 1980: O peso da sombra - A poesia de Eugénio de Andrade (LP, Diapasão)
  • 1981: Marginal (LP, Diapasão)
  • 1983: Contradições (LP, Diapasão)
  • 1985: Sinais de Sena - A poesia de Jorge de Sena (LP, Diapasão)
  • 1987: Penumbra - A poesia de David Mourão Ferreira(LP, Tejo/Transmédia)
  • 1988: A Regra do Fogo - Música para bailados (CD, Tejo/Transmédia)
  • 1995: Bailados - Música para bailados (CD, Strauss)
Reedições
  • 1973: Meu País (reedição ampliada de Portugal, Angola - Chants de Lutte).
  • 1982: Cancioneiro (reedição deO guerrilheiro)(Diapasão/Sassetti)
  • 1996: La Poésie Portugaise de nos jours et de toujours (compilação lançada na França dos LP's de 1967, 1969 e 1971).

Referências

  1. «A Internacional e Avante! Camarada» 
  2. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Luís Cília". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 15 de abril de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]