Mélo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mélo
Mélo (PT)
Melodia Infiel/Melo (BR)
 França •  Itália
1986 •  cor •  111 min 
Direção Alain Resnais
Roteiro Alain Resnais
Elenco Sabine Azéma
Fanny Ardant
Pierre Arditi
André Dussollier
Jacques Dacqmine
Hubert Gignoux
Género drama / romance
Idioma francês
Página no IMDb (em inglês)

Mélo (br: Melodia Infiel/Melo; pt: Mélo[1] ) é um filme francês de 1986, do gênero drama romântico, dirigido por Alain Resnais, baseado na peça homônima de Henri Bernstein de 1929.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Paris, 1920. Pierre e sua mulher Romaine, vivem um casamento feliz, até que um maestro chamado Marcel Blanc, antigo amigo de Pierre, que havia sido traído pela esposa, se apaixona por Romaine e eles passam a ter um caso extraconjugal. Após um encontro que têm em casa de Marcel onde este toca violino, Romaine começa a ir diariamente ao encontro do maestro (sempre mentindo para Pierre que iria à manicurie e a o cabeleireiro), sendo que o mesmo a mandava rosas seguidamente, com a perplexidade indagativa de Pierre, que preferia não crer que seu amigo de longa data o trairia.

Pierre fica doente e Romaine mente que vai a cidade achar um bom médico para ele, ao mesmo tempo que o médica de forma errada, e se encontra com Marcel, que havia voltado de um cruzeiro, lhe deixando aos cuidados da prima Christiane.

Ainda são, Pierre nota a intimidade dos dois, quando eles bailam juntos um tango em uma casa de shows parisiense depois de um jantar, o que desperta seu ciúme.

Quando Romaine volta, sugere jocosamente a Pierre para que se case com sua prima, sempre motivo de inveja da cônjuge, e tenha muitos filhos com ela (Romaine não queria ter filhos), ao passo que é repreendida pelo marido. Romaine se suicida misteriosamente (a cena do suicídio só se materializa através dos diálogos entre Marcel e Pierre), enviando uma espécie de carta testamento ao marido, que após casa-se com Christiane, que estava lhe cuidando durante a doença que o afligia, e acaba por ter um filho com a prima.

Pierre vai conversar com o maestro (prestar contas), implorando para que ele lhe diga a verdade sobre a traição de Romaine, que havia tido um comportamento estranho antes do suicídio, mas Marcel chora e não a revela explicitamente, deixando Pierre em um sentimento misto de convicção e confusão.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Análise[editar | editar código-fonte]

Mélo, segundo alguns críticos e cinéfilos, é um filme experimental que mescla elementos teatrais e cinematográficos[2] . Como o título indica, a melodia exerce um papel capital nessa obra, como é possível reparar na sequência do baile de tango, em que Marcel e Romaine dançam enquanto Pierre repara nisso, uma evidência forte do envolvimento amoroso entre seu melhor amigo e sua esposa[3] .

O uso da cortina vermelha do teatro, realça a divisão do filme em atos, e os cenários monocromáticos remetem diretamente à estrutura dramatúrgica de Henri Bernstein. O filme pode ser classificado como um "melodrama psicológico" e uma homenagem à vida e a sociedade parisiense dos anos 1920[4] .

Melo em francês é uma abreviação culta de melodrama.

Referências

  1. «Mélo». RTP. Consultado em 18/07/2015. 
  2. Ruy Gardnier (-). «Em que se reconhece um filme de Alain Resnais?». Contracampo: revista de cinema. Consultado em 04 de abril de 2016. 
  3. Vincent Canby (05/10/1987). «Film Festival; Alain Resnais's 'Melo,' From a 1929 Romance». The New York Times. Consultado em 04 de abril de 2016. 
  4. Kevin Thomas (22/04/1988). «Movie Reviews : Resnais' 'Melo': Elegant, Demanding Drama». Los Angeles Times. Consultado em 04 de abril de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]