Maine (província)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Maine é o nome de uma antiga província e condado da França.

O condado de Maine, localizado em torno da cidade de Le Mans, foi, entre 1045 e 1069, alvo de disputas entre os mais poderosos condado de Anjou e ducado da Normandia.

Desde 1791, Maine constitui a maior parte de dois departamentos: Mayenne e Sarthe

Em 1066, o controle normando de Maine protegia o sul da Normandia de Anjou e foi um fator que permitiu o duque Guilherme, futuro Guilherme I de Inglaterra, de lançar sua invasão bem sucedida à Inglaterra. Em 1069, os cidadãos de Le Mans, revoltados e auxiliados por alguns barões de Manceaux, expulsaram os normandos, e o jovem Hugh V, filho de Azzo d´Este e sua esposa Gersendis (irmã do conde Hugh IV) foi proclamado Conde de Maine. O poder, entretanto, era de um dos barões de Manceaux, Geoffrey de Mayenne, que auxiliou na expulsão dos normandos e que pode também ter sido amante de Gersendis. Hélio do Maine, foi conde desta localidade. Filipe II de França anexou o condado de Maine em 1203.

História[editar | editar código-fonte]

Nos séculos VII e IX, existia um Ducado da Normandia (ducatus Cenomannicus), que vários dos Reis carolíngios utilizaram como um apanágio. Este Ducado foi uma marca que pode ter incluído vários condados incluindo Maine e estendido da Baixa Normandia, até a Sena. Em 748, pepino, o breve, então prefeito do Palácio e, assim, o homem mais poderoso da França depois do Rei, deu este Ducado a seu meio-irmão de Grifo. Em 790 Carlos Magno, por sua vez, deu a seu filho mais novo, Carlos o jovem. Neto de Carlos Magno, seu filho e o futuro Carlos o Calvo Luis, o gago herdou o título. Até a altura das invasões escandinavas Ragenold da Nêustria manteve o título [1] assim como a marcha neustriano e o Condado de Maine, dado a ele sobre a morte de Gauzfrid por Carlos o Calvo porque as crianças do Gauzfrid eram jovens demais para agir nessa qualidade. Ragenold, que pode ter sido o filho de Renaud d'Herbauges, morreu em 885 lutando Vikings que estavam pilhando Rouen.

O genro de Carlos Magno, Rorgon, foi conde de Maine entre 832 e 839. Na última metade do século IX, Maine assumiu importância estratégica por causa das invasões de Normandia e Bretanha. Filho do Rorgon Gauzfrid, por sua vez, tornou-se Conde de Maine. Ele lutou contra o Salomon, rei da Bretanha e em 866 participou na batalha de Brissarthe ao lado de Robert a Strong, a Frankish Margave da Nêustria.

Mapa de Maine

Em 924 Rei Rodolfo da França foi-lhe dito para entregar o nobre nórdico Rollo, Duque da Normandia. Na fronteira com o Condado de Anjou para o Sul e o Ducado de Normandia para o norte, o Maine tornou-se um pomo de discórdia entre os governantes destes principados mais poderosos. Hugo III de Maine foi forçado a reconhecer a Fulque III, Conde de Anjou como seu suserano.

Em algum momento entre 1045 e 1047 Hugo IV casou-se com Bertha, filha de Odo II, Conde de Blois e viúva de Alan III, Duque da Bretanha. Os Angevinos não queriam que Maine passasse a estar sob a influência de Blois e do conde Geoffrey Martel, então ocorreu a invasão de Maine. Mas os normandos não queriam que Maine retornasse para a órbita Angevina, então foram puxados para o conflito. A cronologia exata é disputada, mas é claro que em 1051 Hugo IV morreu e os cidadãos de Le Mans abriram a sua porta de entrada para os angevinos. Anjou acabou com o controle efetivo da maioria do Condado, mas os normandos tomaram várias importantes fortalezas na fronteira Maine – Normandia.

Filho de Hugo IV Herbert II fugiu para a corte de Norman (embora alguns historiadores dizem que ele estava sob controle Angevino alguns anos antes) e sua morte em 1062 precipitou uma crise de sucessão. Herbert morreu sem filhos em 1062 após declarar Guilherme, o bastardo, como Duque da Normandia, sendo assim seu herdeiro. Sua irmã Marguerite foi noiva do filho mais velho de Guilherme, Roberto Curthose e Herbert tinha tomado refúgio na corte de Guilherme em 1056, quando Geoffrey Martel, Duque de Anjou, invadiu Le Mans.

Enquanto o concelho estava nas mãos dos Angevina, Anjou tinha seu próprio problema de sucessão. Duque Guilherme da Normandia reivindicou o condado em nome da jovem irmã de Herbert, Margaret, noiva de seu filho Robert Curthose. O outro requerente era a tia de Herbert, Biota, uma irmã de Hugo IV e seu marido, Walter, conde de Vexin.

Guilherme invadiu Maine a força em 1063 e apesar da forte oposição Fulque IV, Conde de Anjou e de barões locais tais como Geoffrey de Mayenne e Hubert de Sainte-Suzanne ele controlou o concelho até ao início de 1064. Biota e Walter foram capturados na tomada de Le Mans. Algum tempo depois morreram em 1063, envenenado, diziam, embora não haja nenhuma evidência para isso. O controle normando de Maine garantiu a fronteira sul da Normandia contra Anjou e é um dos fatores que permitiu a Guilherme lançar seu sucesso invasião da Inglaterra em 1066.

Em 1069 os cidadãos de Le Mans revoltaram-se contra os normandos. Em breve alguns dos barões de Manceaux juntaram-se a revolta, os normandos foram expulsos em 1070 e o jovem Hugo V foi proclamado Conde de Maine. Ele era o filho de Azzo d'Este e sua esposa Gersendis, a outra irmã do Conde Hugo IV. Azzo retornada à Itália, deixando Gersendis no comando. O Poder Real, no entanto, ficou com um dos barões Manceaux, Geoffrey de Mayenne, que também pode ter sido amante de Gersendis. Após os ataques normandos em 1073, 1088, 1098 e 1099, Elias I, sucedeu a seu primo, Hugo V, que vendeu Maine para ele em 1092 por dez mil xelins. Sua filha casada Fulque V, Conde de Anjou, que assumiu Maine em 1110 após a morte de Elias. Henri Beauclerc, concordou em reconhecê-lo como Conde de Maine, contanto que ele reconheceu o Duque da Normandia como seu suserano.

Filho de Fulk Geoffrey Plantageneta, Conde de Anjou herdou Maine. Quando Geoffrey morreu em 1151, ele passou para seu filho, Rei Henriqie II de Inglaterra. Desde 1150, Henrique passou a ser Duque da Normandia ele tinha Maine, Anjou e Normandia. Estes territórios tinham o mesmo governante pela primeira vez. Henrique, mais tarde, fundou a dinastia de Plantageneta na Inglaterra.

O Rei Filipe II de França atacou os territórios detidos pelos Plantagenetas, conhecido como império angevino, sendo mantido por João, sem-terra. A perda da Normandia causou o aumento da influência da casa de Capeto e, portanto, para a guerra dos cem anos, e o Senescal francês [Guilherme des Roches]] também teve Touraine, Anjou e Maine em nome do rei. Em 1331, o Conde de Maine tornou-se um par do Reino.

Após o batalha de Verneuil em 1424, os ingleses ocuparam o Maine, e João de Lancaster tomou o título de Duque. Os ingleses ocuparam Le Mans até 1448 e Fresnay até 1449. Em 1481, Charlos IV, Duque de Anjou legada suas terras a Luís IX de França, retornando assim o concelho para a Coroa.

Revolução Francesɑ[editar | editar código-fonte]

No início, uma parte da população do Maine apoiou a revolução francesa que teve lugar em Paris. A extensão do mesmo e a oposição geral dos outros países europeus provocaram uma guerra, o que obrigou as autoridades da nova República francesa fundada a envolver-se soldados para lutar contra seus inimigos europeus. A necessidade crescente de soldados tinha conseqüências ruins no Maine, a sul da Normandia e a parte oriental da Bretanha: os jovens se recusaram a se juntar ao exército e preferido para desaparecer e se esconder. Eles organizaram uma espécie de exército secreto e têm o nome de Chouannerie s, o apelido de seus chefes, Jean Cottereau. Com tais chefes, Maine tornou-se rapidamente o centro da contra-revolução Chouannerie. Eles encontraram suporte local em todos os lugares entre os camponeses, que ficaram chocados pela maneira a administração e o exército tratou os sacerdotes e a religião católica romana.[2]

Tempos Modernos[editar | editar código-fonte]

Durante a revolução francesa Maine passou a fazer parte do recem criado ' départements ' Mayenne e Sarthe, agora são incorporados, juntos, na região de Pays de la Loire.

A região do Maine faz parte atualmente do departamento francês do Maine-et-Loire.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Elisabeth Deniaux, Claude Lorren, Pierre Bauduin, Thomas Jarry, la Normandia avant les Normands, de la conquête romaine à l' ' arrivée des Vikings, Rennes, Ouest-France, 2002, p. 276 et p.389
  2. Les Annales de Flodoard explique que Rollon reçut Cinomannis et Baiocae que les historiens ont traduit par le Bessin et le Maine. Parmi eux, Lucien Musset estime peu probable que le Maine fut concédé. Il pense qu'il s'agissait juste de la partie du Maine que les Normands contrôlaient déjà, en l'occurrence l'Hiémois. En tout cas, selon l'historien normand François Neveux, "cette hypothétique cession du Mans et de sa région aux Normands servit cependant plus tard, dans le courant du xie siècle, à étayer les prétentions des ducs sur le Maine (François Neveux, La Normandie des ducs aux rois, Rennes, Ouest-France, 1998, p.31)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Patrice Morel, « Les Comtes du Maine au IX siècle », in Revue Historique et Archéologique du Maine, Le Mans, 2005, 4° série T.5, tome CLVI de la Collection, p. 177 - 264 (avec Index des principaux personnages ; Bibliographie).
  • Robert Latouche, « Les premiers comtes héréditaires du Maine », in Revue Historique et Archéologique du Maine, Le Mans, 1959, tome CXV de la Collection, p. 37 - 41
  • Robert Latouche, Histoire du Comté du Maine pendant le X° et XI° siècles, Bibliothèque de l'École des Hautes Études, Paris, 1910.
  • Gérard Louise, « La seigneurie de Bellême Xe-XIIe siècles », dans Le Pays bas-normand, 1990, no 3 (199), p. 161-175
  • Jean-Pierre Brunterc'h, « le duché du Maine et la marche de Bretagne » dans La Neustrie. Les Pays au nord de la Loire de 650 à 850, colloque historique international publié par Hartmut Atsma, 1989, tome 1.
  • François Neveux, la Normandie des ducs aux rois Xe-XIIe siècle, Rennes, Ouest-France, 1998
  • Auguste Bry, Le Maine et l'Anjou, historiques, archéologiques et pittoresques. Recueil des sites et des monuments les plus remarquables sous le rapport de l'art et de l'histoire des départements de la Sarthe, de la Mayenne et de Maine-et-Loire, Nantes et Paris, 1856-1860 ;
  • Abbé Angot, « Les vicomtes du Maine », dans Bulletin de la Commission historique et archéologique de la Mayenne, 1914, no 30, p. 180-232, 320-342, 404-424.
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.