Manu Dibango

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manu Dibango
Manu Dibango em Saint-Lazaire em 2019
Informação geral
Nome completo Emmanuel N'Djoké Dibango
Nascimento 12 de dezembro de 1933
Local de nascimento Duala, Littoral
Camarões
Morte 24 de março de 2020 (86 anos)
Local de morte Paris
Gênero(s) afrofunk, afrobeat, jazz, soukous, makossa
Instrumento(s) saxofone, vibrafone
Período em atividade 1972–2020
Página oficial manudibango.net

Emmanuel N'Djoké Dibango, conhecido como Manu Dibango (Duala, 12 de dezembro de 1933Paris, 24 de março de 2020), foi um músico e compositor camaronês que tocou saxofone e vibrafone de jazz e afrobeat. Uma de suas canções, "New Bell", figurou na trilha sonora do jogo Grand Theft Auto IV, mais precisamente na rádio IF99. Sua música mais conhecida é o afrobeat "Soul Makossa" de 1972, música incorporada por Michael Jackson em "Wanna be start something" e Rihanna em "Don't stop the music".[1][2]

Morreu no dia 24 de março de 2020, aos 86 anos, em decorrência do COVID-19.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Dibango nasceu em Douala, Camarões. Seu pai, Michel Manfred N'Djoké Dibango,[3] era um funcionário público. Filho de um fazendeiro, ele conheceu sua esposa viajando de piroga para sua residência, Douala.[4] Uma mulher com estudo, ela era designer de moda, administrando seu próprio negócio.[5] Tanto o seu grupo étnico, o Duala, como o dele, o Yabasse, viram com desdém essa união de diferentes grupos étnicos. Emmanuel não tinha irmãos, embora ele tivesse um meio-irmão do casamento anterior de seu pai,[6] que era quatro anos mais velho do que ele.[7] Nos Camarões, a etnia de uma pessoa é ditada pelo pai, embora Dibango tenha escrito em sua autobiografia, Three Kilos of Coffee, que ele "nunca fora capaz de se identificar completamente com nenhum dos seus pais".[6]

O tio de Dibango era o líder de sua família. Após sua morte, o pai de Dibango se recusou a assumir o cargo, pois ele nunca iniciou totalmente seu filho nos costumes dos Yabassi. Ao longo de sua infância, Dibango lentamente esqueceu a língua Yabassi em favor da Duala. No entanto, sua família morava no acampamento Yabassi, no planalto de Yabassi, perto do rio Wouri, no centro de Douala.[6] Quando criança, Dibango frequentava a igreja protestante todas as noites para educação religiosa, ou nkouaida. Ele gostava de estudar música lá, e supostamente era um aprendiz rápido.[5]

Em 1941, depois de ser educado na escola de sua aldeia,[8] Dibango foi aceito em uma escola colonial, perto de sua casa, onde aprendeu francês. Ele admirou o professor, a quem descreveu como "um desenhista e pintor extraordinário".[9] Em 1944, o presidente francês Charles de Gaulle escolheu esta escola para realizar as cerimônias de boas-vindas após sua chegada aos Camarões.[10]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Afro-Jazz Star Manu Dibango Dead at 86» (em inglês) 
  2. a b Labesse, Patrick (24 de março de 2020). «Le saxophoniste Manu Dibango est mort des suites du Covid-19». Le Monde (em francês). Consultado em 24 de março de 2020 
  3. Dibango, Rouard & Raps 1994, p. xii.
  4. Dibango, Rouard & Raps 1994, p. 1.
  5. a b Dibango, Rouard & Raps 1994, p. 4.
  6. a b c Dibango, Rouard & Raps 1994, p. 2.
  7. Dibango, Rouard & Raps 1994, p. 8.
  8. «Biography – Manu Dibango», Radio France Internationale, 2007, consultado em 9 de setembro de 2008, arquivado do original em 6 de setembro de 2008 .
  9. Dibango, Rouard & Raps 1994, p. 5.
  10. Dibango, Rouard & Raps 1994, p. 6.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Manu Dibango
Ícone de esboço Este artigo sobre músico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.