Manuel Lopes Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2015).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Alegoria da República, Museu de Arte da Bahia

Manuel Lopes Rodrigues (Salvador, 31 de dezembro de 1860Salvador, 22 de outubro de 1917) foi um pintor brasileiro do realismo.

Formação e ambiente artístico[editar | editar código-fonte]

Fundado em 1872 o Liceu de Artes e Ofícios da Bahia passou a proporcionar formação acadêmica aos artistas locais e, até, de outros estados. Filho de João Francisco Lopes Rodrigues, recebeu do pai as primeiras lições artísticas, vindo depois a tê-las de Miguel Navarro Cañizares. Freqüentou o Liceu, vindo nele depois a lecionar.

Incipiente, apesar de secular, foi apenas nos governos republicanos que as Belas Artes tiveram maior apoio dos governos baianos, sobretudo Manuel Vitorino e Rodrigues Lima. Mas o maior apoio vinha de D. Pedro II, no Brasil Império, e na forma de pensões, que foram em parte mantidas pela República. Estas eram adquiridas por meio de concursos.

Lopes Rodrigues era pensionista do próprio Imperador - regalia que, dado seu talento, foi mantido quando da Proclamação da República.

A despeito de seu reconhecimento, a quase totalidade de seus trabalhos eram encomendas de sociedades como o Instituto Histórico e Geográfico, a Igreja e entes públicos - o que lhe tolhia a criação, adstrito ao academicismo das encomendas.

Magistério[editar | editar código-fonte]

Foi nomeado em 1876 professor do Liceu baiano e, mais tarde, da Escola de Belas Artes. Dentre seus alunos que mais se destacaram, por quem tinha efetivamente predileção e amizade, conta-se Prisciliano Silva, um dos maiores expoentes da pintura baiana na primeira metade do século XX. Também foi seu aluno o não menos notável porém pouco lembrado Alberto Valença.

Em 1905 Prisciliano vai estudar em Paris, por sua indicação e recomendações. Sobre ele o mestre registrou, em 1908:

Seguiu um rumo especial escolhido pelo seu talento. Filiou-se à escola nova e voltou impressionista a valer. Seus estudos mostram a preferência pelo ar livre, mas os seus interiores mostram-no ousado dos segredos das paletas ricas em recursos. Seu desenho é vigoroso e certo; as duas qualidades principais do artista[1].

O discípulo ingressara no Liceu em 1896, e em 1899 chegou a copiar, escondido, um dos quadros do mestre. Sobre ele, escreveu o mestre, ainda:

Talvez então, o neurastênico que eu sou, orgulhoso de ter descoberto, contente de o ter visto trabalhador e honesto, lhe atire com as flores sinceras do meu aplauso o que a vaidade puder me dar de eloqüência entusiasta do meu amor de Mestre, afirmando-lhe: Não me enganei![2].

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Mudou-se por cerca de três anos, para o Rio de Janeiro (de 1882 a 85), quando executa, junto ao escritor Vale Cabral, parte da "Exposição Médica Brasileira", escreve em jornais crítica artística e produz ilustrações médicas, fase considerada como "realismo médico".

Sua crônica acerca da exposição revelava que não possuía apenas talento artístico plástico, mas considerável erudição, senso crítico e, até, espírito jornalístico. Na Bahia, continua escrevendo, eventualmente, em publicações culturais.

Frustração artística[editar | editar código-fonte]

Apesar de farta produção, ressentiu-se toda a vida do reconhecimento devido. A crônica da época registra que, após sua morte, amigos e discípulos tiveram que organizar uma mostra com cinco dezenas de seus quadros, a fim de auxiliar a família do artista.

Obras[editar | editar código-fonte]

Natureza morta, 1890. Museu de Arte da Bahia
Orquestra Ambulante

Muitos de seus quadros e pinturas permanecem na cidade natal do pintor. O Museu de Arte da Bahia (MAB) possui algumas obras do mestre em seu acervo, dentre as quais "Dois Véus", retratando o pranto de duas mulheres, numa sala que leva-lhe o nome.

Ilustrações[editar | editar código-fonte]

Ilustrou as seguintes obras:

  • Atlas de Moléstias da Pele, de Silva Araújo;
  • Atlas de Moléstias das Crianças, de Moncorvo;
  • Atlas da Clínica de Olhos, de Moura Brasil;
  • Atlas da Clínica de Morféticos, de José Lourenço de Magalhães

Quadros[editar | editar código-fonte]

  • Aquarelas de anatomia, para a Escola de Medicina do Rio de Janeiro.
  • Dois véus (tela, 1890 – 1,93 x 1,45) - MAB
  • Paisagem Romana (tela, s/d – 0,78 x 0,98) - MAB
  • Nu (tela, Paris, 1899 – 0,19 x 0,38) - MAB
  • O Adeus (considerada sua obra-prima, tela) – MAB
  • La Boheme (tela, cópia do original de Franz Hals) - MAB
  • A República (1896, Roma, 2,30 x 1,20) – MAB
  • Natureza Morta - MAB
  • Cabeça de Cão (tela, 0,340 x 0,260)
  • Natureza morta (tela, 0,460 x 0,560)
  • Cozinha Bretã (tela, 0,620 x 0,470)
  • Fundo de Quintal
  • Auto-retrato
  • Retrato da vovó
  • A Forja
  • Quintal

Homenagens[editar | editar código-fonte]

No bairro de Pirajussara, na Capital do Estado de São Paulo a rua Manuel Lopes Rodrigues Código de Endereçamento Postal 05790-360, homenageia o ilustre pintor.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Manuel Lopes Rodrigues